0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

untitled-1

Imagem de Ana Cândida Carvalho

Zica nunca mudou. Em setenta anos, seu único ofício consistia na destemida tarefa de matar baratas. Uma após outra, em todos os cômodos e lugares. Uma chinelada bastava para que ela sentisse correndo nas veias o gosto pela selvageria.

Vez por outra, instintos cruéis se apossavam da cândida anciã, fazendo-lhe esmagar com o calcanhar a cabeça de suas prisioneiras. Certo dia, perguntaram à Zica quais os motivos que a levavam a executar uma tarefa tão ordinária como essa.

– Olha – ela respondeu -, barata é como gente que nunca é bem-vinda. Sempre deixam resquícios de podridão.

E vó Zica riu, mostrando a dentadura angélica.

*Conto presente no livro “Os Sonhos de Jurema e Outras Historietas Sem Tempo” de autoria de Mara Vanessa Torres.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Congresso virtual vai debater o livro, leitura e bibliotecas

Próximo post

Edição 60

Sem comentários

Deixe uma resposta