0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Dr. Diane Murley, advogada e bibliotecária da Universidade de Washington, trabalhou em várias universidades especializada em pesquisa jurídica e serviços on-line. A biblioo trás a tradução integral do artigo nomeado “A Selective history of Technology in Law Libraries” (Uma História Seletiva de Tecnologia em Bibliotecas Jurídicas), publicado em 2009, no Law Library Journal, que “examina definições de tecnologia e analisa algumas das questões iniciais tecnológicas que bibliotecas jurídicas abordam. Murley “também fornece uma visão geral de como a tecnologia tem sido usada pelas bibliotecas para melhor servir seus usuários”, como afirma o próprio trabalho.

Este é o terceiro ano em que eu escrevo para a coluna “Technology for Everyone” e eu ainda não defini o que eu quero dizer com “tecnologia” nessa coluna. Como esse é um periódico voltado para bibliotecas jurídicas, decidi começar minha busca por uma definição em recursos legais. Nenhum dos dicionários de Direito na prateleira de nossa seção de referência define tecnologia, embora um tenha definido tecnofobia como um “[i]rracional medo de tecnologia”, incluindo “dispositivos como despertadores, caixas eletrônicos, calculadoras, gravadores de vídeo e computadores”. Um tesauro jurídico sugeriu os seguintes termos para a tecnologia: “melhor conhecimento técnico, know-how (conhecimento prático), conhecimentos científicos mais recentes, o avanço científico, o estado da arte, o estado da indústria, conhecimento científico atualizado”.

Passando para os dicionários não-jurídicos, eu encontrei definições mais úteis: “a ciência da aplicação do conhecimento para fins práticos,” “a aplicação de conhecimentos científicos para fins práticos, em um campo particular”, “um método técnico de atingir uma finalidade prática”. Essas definições abrangem a importância da tecnologia para as bibliotecas jurídicas e o seu potencial para alcançar resultados práticos. Definições do The Oxford English Dictionary  também concentram-se na prática, incluindo “o estudo científico das artes práticas ou industrial” e “artes práticas coletivamente”.

Nas colunas em que escrevo, eu tenho me focado em ferramentas relacionadas a computadores, que são, provavelmente, o que a maior parte das pessoas pensa que é tecnologia atualmente. Mas computadores nem sempre foram as mais novas tecnologias para bibliotecas jurídicas. Muitas soluções tecnológicas são tão comuns hoje em dia que nós nem pensamos mais nelas como tecnologias.

Tecnologia em Bibliotecas Jurídicas

Revisando a literatura de bibliotecas jurídicas, eu encontrei discussões sobre duas áreas gerais em que os bibliotecários jurídicos aplicam a tecnologia para melhorar as coleções e serviços das bibliotecas jurídicas: microfilmes e microfichas, bibliografia, indexação, classificação e cabeçalhos de assunto. Embora hoje nenhuma dessas inovações pareça radical, elas foram assuntos controversos antes de sua adoção.

Microfilmes e microfichas

Em um artigo que escreveu para comemorar o centenário da Associação Americana de Bibliotecas Jurídicas (AALL), Frank Houdek pediu para ex-presidentes da  AALL responderem a várias perguntas sobre os temas que foram importantes para a AALL e para suas carreiras de bibliotecários jurídicos. Dois ex-presidentes mencionaram microformatos: Morris L. Cohen, presidente AALL de 1970 a 1971, listou a “integração microfacsimiles nas coleções das bibliotecas jurídicas” como uma das questões e desafios enfrentados pela AALL durante seu ano como presidente; e em discutir como o desenvolvimento de coleções havia mudado durante sua carreira, Jane L. Hammond, presidente AALL de 1975 a 1976, disse: “Os prós e contras de microfilmes e microfichas foram amplamente debatidas.”

A microfotografia foi inventada no século XIX, mas não se tornou popular até os anos 1930. Um dos programas em destaque na Reunião Anual da AALL em 1938 foi “O uso de microfilme em uma Biblioteca de Direito.” Apesar de microfilmes e microfichas não parecerem “tecnologia” hoje em dia, basta pensar no impacto que esta aplicação do conhecimento científico teve nas bibliotecas jurídicas: microformatos tornaram possível para as bibliotecas jurídicas mais novas compor suas coleções com obras importantes que não eram mais impressas e, para as bibliotecas de direito com espaço limitado, possibilitou o acesso a uma coleção mais rica.

Bibliografia, Indexação, Classificação e Cabeçalhos de Assunto

Em outro artigo do Centenário, Kasia Solon escreveu sobre a tecnologia nos primeiros anos da AALL. Usando uma definição de tecnologia como “o corpo de conhecimento disponível para uma civilização que é de uso em formar instrumentos, praticando artes manuais e habilidades e extração e coleta de materiais”, ela observou que os objetos que nós tomamos como normais hoje, incluindo livros e estantes, são realmente obras da tecnologia.

Solon faz uma revisão da forma como bibliotecários jurídicos inicialmente aplicavam a tecnologia para ajudar os pesquisadores jurídicos a lidar com quantidades enormes de informação. A. J. Small, em seu primeiro discurso presidencial para AALL, [requisitou] o desenvolvimento da bibliografia jurídica, indexação de revistas jurídicas e classificação jurídica. A criação dessas ferramentas exigiu que bibliotecários jurídicos aplicassem todo seu conhecimento para formar instrumentos, extrair e coletar materiais – a definição de tecnologia.

Nos primeiros anos da AALL, bibliografias foram compartilhadas entre os membros, através de suas publicações na Law Library Journal. O Index to Legal Periodicals e Law Library Journal, originalmente publicados em conjunto, também serviram como o veículo pelo qual a primeira indexação de periódicos jurídicos foi distribuída. AALL também foi instrumento para a criação de dois outros índices: o Índice de Periódicos Estrangeiros Jurídicos e o duplamente chamado Índice de Recursos Legais e Índice de Direito Atual.

Enquanto bibliografia e indexação de periódicos jurídicos foram desenvolvidos no início da história da AALL, a terceira iniciativa tecnológica de A. J. Small, a classificação da lei, demorou muito mais. Small era um defensor da classificação por assunto, um arranjo que ele descreveu como um “autoguia”, e que ele argumentou que seria mais conveniente para os bibliotecários e advogados e “um atalho para o uso prático das bibliotecas jurídicas”.

No entanto, a preferência inicial entre os bibliotecários jurídicos foi para a classificação por autor e muitos bibliotecários foram firmemente contrários à classificação por assunto. Isso até os anos 1960, quando a Biblioteca do Congresso fez a subclasse KF disponível para “Lei do Estados Unidos, “que a AALL adotou uma classificação padronizada por assunto.24 o tempo para a classificação por assunto tinha chegado e, uma vez emitida, a subclasse KF foi rapidamente adotado pelas bibliotecas jurídicas.

Um problema relatado a AALL foi a necessidade de cabeçalhos de assunto e catálogos de bibliotecas. Apesar de uma “lista provisória de cabeçalhos de assunto para um catálogo de biblioteca jurídica” da Biblioteca do Congresso ser discutida na reunião anual de 1912 da AALL, uma lista popularmente aceita não foi desenvolvida por mais de cinquenta anos. A atitude entre os bibliotecários para catalogação foi descrita por um escritor como hostil e uma revisão dos comentários foi impressa.

Law Library Journal certamente apóia essa caracterização. No entanto, os bibliotecários jurídicos continuaram a trabalhar com a Biblioteca do Congresso para adaptar seus cabeçalhos de assunto para catálogos jurídicos, e muitos aceitaram a lista de cabeçalho de assunto aplicada à Lei que foi disponibilizada em 1963.

Ao desenvolver bibliografia jurídica, a indexação de revistas jurídicas, classificação e cabeçalhos de assunto, os primeiros bibliotecários aplicaram o seu conhecimento para o propósito prático de ajudar os pesquisadores a encontrar a informação que precisavam em um corpo cada vez maior da lei.

Tecnologias de outras Bibliotecas

Muitas inovações tecnológicas em bibliotecas comuns tiveram também um impacto sobre as bibliotecas jurídicas. Essas inovações aplicadas ao corpo atual de conhecimentos para a finalidade prática de proporcionar o acesso à informação nos anos antes que a tecnologia do computacional.

 

Cartão de Fichas

O catálogo de fichas era uma inovação do século XIX. Assunto, título, autor e informações para cada item da coleção da biblioteca eram escritos ou digitados em cartões de índice que foram em seguida depositadas em gavetas de armários especialmente concebidos ou outros dispositivos para acesso dos usuários da biblioteca. O catálogo de fichas era mais fácil de se manter atualizado e de prover acesso ao acervo da biblioteca através de mais pontos de acesso do que seu antecessor, o catálogo de livros, poderia manter.

No entanto, o catálogo de livros tinha suas vantagens, e a transição para o catálogo de cartões foi controverso. Duas limitações do catálogo de cartões eram de que ele era impraticável para mover ou para fazer cópias do catálogo. Era possível ter várias cópias de um catálogo de livros da biblioteca, permitindo que vários usuários o consultassem ao mesmo tempo. O catálogo de livros era portátil, para que os usuários da biblioteca pudessem usá-lo em qualquer parte da biblioteca. Bibliotecas podem também manter cópias dos catálogos de livros de bibliotecas próximas de modo a orientar os pesquisadores a recursos das mesmas. Apesar das vantagens do catálogo de livros, a sua utilização tornou-se impraticável com as saída publicações aumentado e coleções das bibliotecas crescendo. Um século depois que eles foram introduzidos, catálogos de cartões também se tornaram impraticáveis e foram substituídos por catálogos online que eram mais fáceis de atualizar e forneceu mais pontos de acesso aos recursos da biblioteca.

Cartões Perfurados

A máquina de cartões perfurados foi inventada por Herman Hollerith em meados de 1880. Máquinas Hollerith foram projetadas para operações de processamento de dados em grande escala das burocracias governamentais, serviços públicos, e indústria. Cartões perfurados eram essencialmente cartões de índice através do qual eram perfurados buracos para representar dados específicos. Os cartões poderiam então ser lidos por máquinas com sensores mecânicos, células fotoelétricas, ou escovas de aço elétricas. Cartões perfurados foram usados em bibliotecas para circulação, periódicos e catalogação, funções que agora são realizadas por computadores.

Nos anos 1930 e 1940, os cartões perfurados foram usados em conjunto com o microfilme para obtenção de informações. Descrições da máquina Rapid Selector (Seletor Rápido), que usou as tecnologias de cartões perfurados e microfilme para permitir às bibliotecas compartilhar recursos, parecem como as descrições iniciais do potencial da internet. No entanto, a máquina Rapid Selector foi logo substituída por computadores, que se tornaram disponíveis comercialmente em 1951.

Tecnologia Fora da Biblioteca

Muitas tecnologias geralmente disponíveis também têm encontrado aplicações em bibliotecas. Embora essas tecnologias não pareçam inovadoras, é fácil ver como a sua ausência afetaria os serviços da biblioteca.

  • O telefone foi inventado em 1876. No início, os telefones foram usados em bibliotecas para comunicação entre as filiais. Em meados dos anos 1950, serviços de referência por telefone estavam sendo oferecidos pelas bibliotecas.
  • As máquinas de fax existem desde a década de 1920, mas só se tornou amplamente utilizado em bibliotecas por volta de 1980. Como os teletipos que elas substituíram, as máquinas de fax foram usados principalmente para as transações de empréstimo entre bibliotecas.
  • Máquinas de escrever começaram a ser compradas pelas bibliotecas em 1880, mas muitos departamentos de catalogação das bibliotecas ainda utilizaram cartões de catálogo manuscritos quarenta anos depois. Como o catálogo de fichas, discutido acima, fichas catalográficas datilografadas eram controversos porque bibliotecários temiam que eles não eram tão legíveis, não durariam tanto quanto o manuscrito, e porque o tamanho dos cartões de catálogo tornava difícil para usar em máquinas de escrever.

Como parte de minha pesquisa para este artigo, eu entrevistei os bibliotecários e funcionários da minha biblioteca e perguntei quais as ferramentas que eles usavam para fazer seus trabalhos que são (ou eram) tecnológicos. Produtos de escritório foram as respostas mais populares, incluindo grampeadores (patenteado em 1878), carimbos de borracha (patenteado em 1883), líquido corretivo (inventado em 1951), máquinas copiadoras (xerografia patenteada em 1942), notas adesivas (inventado em 1968), marcadores de texto (introduzido por volta 1970s), e marcadores de quadro branco (introduzido em 1996).

Dois colegas mencionaram prateleiras compactas móveis e códigos de barras. Prateleiras compactas móveis foram inventadas e patenteadas na Suíça em 1947 e estava disponível nos Estados Unidos por volta de 1960. Prateleiras compactas tornaram possível para bibliotecas com espaço limitado manterem coleções maiores, desde que os pisos são adequadamente reforçados.

O primeiro leitor de código de barras foi utilizado comercialmente em 1961. Os códigos de barras mudaram drasticamente os procedimentos de circulação, facilitou as estatísticas de rastreamento, e permitiu o auto atendimento.

 

Conclusão

Todos os itens mencionados acima correspondem à definição de tecnologia como a aplicação de conhecimentos para fins práticos. No entanto, eles são (ou eram) tão comumente utilizados que já não pensamos neles como tecnologia. Vários que foram radicais em sua época já foram substituídos por tecnologia ainda mais recente.

Estamos vivendo em uma época em que novas ferramentas tecnológicas parecem ser introduzidas quase que diariamente. Independentemente de você amar ou temer a tecnologia, ela ajuda a visualizar estas novas ferramentas em um contexto histórico. Os bibliotecários têm sempre encontrado formas de aplicar a tecnologia mais recente para fins práticos. E, embora nem todas estas aplicações tenham sido bem sucedidas, o uso da tecnologia tem frequentemente melhorado os serviços das bibliotecas. Se você está interessado em aumentar ou melhorar os serviços da sua biblioteca, de chance a essa nova tecnologia. Ela pode ser justamente a ferramenta que você precisa.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Se formos todas as vítimas, quem será o Algoz?

Próximo post

Vertice Books

1 Comentário

  1. Vanuza
    24 de novembro de 2013 a 13:06 — Responder

    Boa Tarde Hanna,
    Estou elaborando um trabalho e gostaria de utilizar as imagens que estão aqui.
    Você sabe me informar qual seria o autor e a especificação do documento?
    Preciso desses dados para colocar nas referências.
    Desde já,agradeço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *