1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Do site istoe.com.br.

Pelo sexto verão consecutivo, funcionários e usuários da Biblioteca Nacional sofrem com o calor nas dependências do prédio. O sistema de ar condicionado vem claudicante desde 2012, e não há previsão para uma solução definitiva. A presidência já cogita reduzir o expediente dos servidores que trabalham nas áreas mais quentes. O equipamento de ar tem mais de 20 anos de uso, segundo a Associação de Servidores da Biblioteca. No verão de 2013, o horário de funcionamento da instituição chegou a ser encurtado por causa do calor.

Biblioteca Nacional.

“Chegamos a um limite. É assim todo ano. É tão ruim para o servidor quanto para o usuário, e o acervo também fica exposto. Os equipamentos são do fim nos anos 1980, e está em permanente manutenção, não dá vazão. No ano passado, desesperadamente, criamos uma comissão para acompanhamento das obras na biblioteca”, contou Luciana Muniz, presidente da associação.

Os funcionários tentam driblar o calor com ventiladores. Apenas alguns setores estão climatizados, como a área de pesquisa, a iconografia, o auditório e os espaços expositivos. Como as salas são muito grandes, dentro de algumas há partes agradáveis, outras muito quentes. A existência de “anteparos”, como vitrines expositivas, obstruem o fluxo do ar frio.

Em 2012, durante manifestação na porta da instituição trabalhadores reclamaram do forte calor e de péssimas condições de trabalho. Foto: Douglas Shineidr / Jornal do Brasil.

A reportagem não conseguiu contato com a presidente, Helena Severo, no cargo desde agosto de 2016. À época, ela declarou que sua prioridade na função seria recuperar totalmente o prédio, de 1910, que tem cinco andares e é tombado. O problema do ar só seria solucionado com a reforma da parte elétrica do edifício, ela disse. Helena classificou a situação do ar como “dramática”.

A Associação de Servidores está recomendando aos funcionários que conversem com suas chefias e coordenadores sobre possíveis soluções para o problema, a serem levadas à comissão de acompanhamento das obras, a fim de garantir “a saúde e o bem-estar” de todos. Servidores relatam no Facebook que na Divisão de Obras Raras o desconforto é “extremo” e a ventilação é “deficiente”, e contam que os efeitos colaterais são “físicos e emocionais”.

Localizada na Cinelândia, no centro do Rio, a Biblioteca Nacional é a mais antiga instituição cultural brasileira. Recebe estudantes, pesquisadores e turistas, que se impressionam com o belo edifício, em estilo eclético, com elementos neoclássicos e art nouveau. É o órgão responsável pela guarda, preservação e difusão da produção intelectual do País. Seu acervo tem cerca de 10 milhões de itens, o que faz dela a maior da América Latina. Todos os livros publicados no Brasil têm uma cópia lá. A origem é a Real Biblioteca no Brasil, que veio com D. João VI para o Rio, em 1808: cerca de 60 mil peças, entre livros, manuscritos, mapas, estampas, moedas e medalhas.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Obras de H.G. Wells e Gertrude Stein passam a ser de domínio público este ano

Próximo post

Livro infantil acusado de machismo foi infelicidade, diz editora

Sem comentários

Deixe uma resposta