2
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

RIO – No mês do bibliotecário, a Revista Biblioo foi até a Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro para conhecer um pouco mais sobre o perfil e a formação do bibliotecário Thiago Cirne.

Rodolfo Targino: O que te motivou a cursar Biblioteconomia?

Thiago Cirne: Sempre gostei de colecionar e preservar. Desde criança organizava cartas de amigos, jornais sobre acontecimentos marcantes, álbuns, etc. Foi no ensino médio que conheci a Biblioteconomia, através de um manual de profissões. Tempos depois, a turma fez uma visita à Biblioteca Nacional. Fiquei motivado e acertei na escolha da carreira a seguir.

R. T.: Durante a graduação onde você estagiou?

T. C.: Sempre encarei o estágio biblioteconômico como vital à profissão. Quanto maiores às possibilidades e diferenciadas a unidades de informação, melhor para o estudante. Atuei como estagiário no Arquivo Nacional, Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, dois escritórios jurídicos, Biblioteca Nacional e Procuradoria Geral do Estado do Rio. Tive ainda uma agradável experiência em biblioteca escolar.

R. T.: Qual estágio mais te marcou?

T. C.: Ressalto o Arquivo Nacional e Biblioteca Nacional. O primeiro, por ter sido minha experiência inicial, já em uma instituição de magnitude ímpar. Era encantador. O segundo, por ter trabalhado com acervos de memória, na Divisão de Obras Raras. Era uma fonte de aprendizado diária, ao lado de grandes profissionais.

R. T.: Em sua opinião qual a importância dos encontros estudantis para formação?

T. C.: Como em várias áreas profissionais, os encontros de Biblioteconomia apresentam aos participantes a visão do que há de atual entre os pares. Cada apresentação acrescenta em conhecimento.

R. T.: Você teve a oportunidade de participar de algum?

T. C.: Participei da Semana de Integração dos Estudantes de Biblioteconomia (SIEB), Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência e Gestão da Informação (EREBD) e Encontro Nacional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência e Gestão da Informação (ENEBD). No encontro nacional, em Alagoas, tive a oportunidade de apresentar, em co-autoria, um artigo sobre os avanços e perspectivas dos profissionais de informação.

R. T.: Quais as perspectivas que você tinha depois de formado?

T.C.: Ao fim do curso eu já havia delineado a área em que gostaria de atuar, ou seja, coleções preciosas e/ou raras. Tive a felicidade de realizar razoavelmente esse desejo. Agora é necessário buscar o aperfeiçoamento e capacitação, pois o ritmo que toma conta de nossas bibliotecas, arquivos e centros de documentação é acelerado.

R. T.: Em qual biblioteca você trabalha?

T. C.: Sou bibliotecário da Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro, Biblioteca Marcos Juruena Villela Souto.

R. T.: Durante a sua atuação profissional existe algum fato ou acontecimento em suas atividades cotidianas que te marcou?

T. C.: No ano passado tivemos a responsabilidade de transferir cerca de 50.000 itens para a nova sede da biblioteca. Foi um desafio, pois foi necessário todo um planejamento para que essa ação tivesse êxito, uma vez que o serviço de transporte foi realizado por outra empresa. Isso não seria possível sem o auxílio da excelente equipe de bibliotecários que temos aqui. Outro acontecimento marcante foi a (re) descoberta do original da constituição de 1937, que estava em nossa coleção. Foram tomadas medidas de segurança quanto ao item, como análise bibliológica, registro de imagens e armazenamento especial, pois se tratava de um exemplar único, de importância histórica, anotado pelo constitucionalista Francisco Campos.

R. T.: Qual a mensagem que você deixa para quem está iniciando no curso de Biblioteconomia?

T. C.: A Biblioteconomia é uma das profissões em maior expansão hoje no mercado. Informação tem valor sob vários aspectos. Com isso, a figura do bibliotecário do século 21 é munida de conhecimentos variados, como Administração, Marketing, gestão de recursos web, softwares de gerenciamento de acervos, além da capacidade quase que patente de pesquisa. O mercado está em expansão e as oportunidades são as mais variadas.

 

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Perfil de um bibliotecário

Próximo post

Vera Saboya

Sem comentários

Deixe uma resposta