1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Tenho esse pensamento que me acompanha há anos, hoje vou expô-lo.

Esforço-me para ter essa aura de cara descolado, de surfista social, mas no fundo sou o mesmo que todas as pessoas: um prisioneiro de mim mesmo.

Nos locomovemos pelo mundo físico através de filtros que nos limitam a compreensão do mesmo.  Não enxergamos todo o espectro visível, O espectro visual não é apenas dependente da espécie como também varia muito de uma espécie animal para a outra. Os cachorros e os gatos, por exemplo, não veem todas as cores que os humanos veem, percebendo do nosso espectro visível apenas as subfaixas da azul à amarela. Enxergam, contudo geralmente bem em preto e branco, numa nuance de cinzas. Já as cobras veem no infravermelho e as abelhas no ultravioleta, faixas para as quais somos cegos. Em particular os limites do espectro ótico variam muito de espécime para espécime. As Pessoas daltônicas costumam ter dificuldades em visualizar cores contidas em certas faixas do espectro.

Outro limite são as faixas de sons audíveis, só conseguimos ouvir algumas faixas, abaixo estão infrassons e acima ultrassons, respectivamente. Alguns infrassons não podem ser ouvidos, mas podem ser sentidos por algumas partes do corpo, e estão relacionados a muitas histórias sobre “Sensações de fantasmas” que lemos.

É necessário reflexão para entender e reconhecer a imensidão do tempo para então compreender o impacto dos imperceptíveis e lentos processos geológicos nas modificações da geomorfologia do planeta Terra. Tentar mensurar as distâncias celestiais, mesmo dentro do nosso sistema solar é insatisfatório, já que à medida que usamos para distâncias terrestres são inadequadas. Compreender que bactérias “cavam” e que o vidro não é sólido e sim um líquido com viscosidade enorme chega a dar nó no cérebro.

Para ampliar nossos sentidos, e com eles nosso conhecimento, usamos extensões e quando MacLuhan diz que o “meio é a mensagem”, que é uma frase meio enigmática, acho que ele quis dizer: “o meio é a modelagem”.

Vestimos tecnologias e elas nos moldam, tanto quando nós a moldamos.

Óculos, relógios, carros, roupas, geladeiras, elevadores, tudo isso passa a fazer parte de nossas vidas, do nosso ambiente social/tecnológico, já que sempre teremos tecnologias ao nosso redor para sobrevivermos. E nós as incorporamos na nossa maneira de pensar e sentir o mundo.

Somos seres socio-tecnológicos.

 As tecnologias cognitivas são ainda mais radicais: ganhamos um novo modo vestir, dentro do qual nos comunicamos/informamos. Passamos a ser algo diferente a partir delas. O meio somos nós e nós somos o meio.

Nosso afeto é moldado pelos filtros informacionais e estamos nos afogando num mar de informações. O que achamos que sabemos é só pequeno recorte.

Às vezes falo ao meu coração: Calma navegante, não é sua tarefa conhecer todo o mar, nem mapeá-lo. Conheça bem sua ilha! E relaxe…

Houve um período que saber tudo era satisfatório, mas hoje não importa o assunto, você nunca vai ser detentor de todo o conhecimento. Todavia, saber onde e como acessar o que se precisa saber, faz toda a diferença…

Então relaxe, aproveita a vista, seu corpo e a viagem da sua vida nesse planeta. A catalogação, o real segredo para recuperar a informação de qualquer sistema é um trabalho sem fim.

E nesse mês tentarei não classificar nada: pessoas, coisas ou bicho. E lerei um bom livro!

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Charge Edição 21

Próximo post

Associação de Profissionais da Informação

2 Comentários

  1. 19 de junho de 2013 a 21:47 —

    lembrei do homem vitruviano, de Leonardo da vinci, e a tentativa de estabelecer proporções para a reprodução da anatomia humana. textão o teu, agulha. reflexão apurada. mas acho que o meio é mais que a mensagem hoje em dia.

  2. 20 de junho de 2013 a 13:26 —

    Minha tarefa, pois assim a defini, é entender a sua mensagem, portanto não vou qualificar de modo algum a qualidade da escrita. Vamos fatiar o texto (gosto disso).

    "Tentar mensurar as distâncias celestiais, mesmo dentro do nosso sistema solar é insatisfatório, já que à medida que usamos para distâncias terrestres são inadequadas."

    Não creio nisso, pois não importando o sistema solar, nem a Via Láctea ou Andrômeda ou qualquer fatia do universo, ainda que possam haver outros serem que mensurem coisas, sempre haverão de mensurar por exemplos. Por isso acho que válido a mesuração das distâncias celestiais mesmo que baseadas em medias de biscoitos Cream Cracker.

    "As Pessoas daltônicas costumam ter dificuldades em visualizar cores contidas em certas faixas do espectro."

    Concordo plenamente. Sou Daltônico e acho frustante não saber como são todas as nuances de cores, mas creio que todos nós temos um grau de daltonismo, mesmo que insignificante, ninguém enxerga igual, o problema é que nós daltônicos estamos mais prejudicados nesse aspecto. A vida não é perfeita.

    "Então relaxe, aproveita a vista, seu corpo e a viagem da sua vida nesse planeta. A catalogação, o real segredo para recuperar a informação de qualquer sistema é um trabalho sem fim."

    Amo esse trabalho sem fim. Creio que você também ame. Tentar saber ou catalogar tudo é realmente uma loucura e sem sentido. O mais produtivo e interessante é pegar o que nos dê prazer, nos seja relevante e nos permita um crescimento pessoal significativo. Podem haver outros milhares de pontos que não citei. Cada um sabe a medida do que se deve saber. E se não sabe que bom que descubra aos poucos. Essa é a grande graça da vida.

    Curti muito a mensagem.

Deixe uma resposta