0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por Assessoria de Comunicação Social, da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro.

“Ser Carioca da Rua” reúne 200 trabalhos de mais de 67 fotógrafos na Biblioteca Parque Estadual e em outros espaços culturais da cidade.

“Ser Carioca da Rua” - Foto: Ratão Diniz
“Ser Carioca da Rua” – Foto: Ratão Diniz

A partir de 9 de junho, a Biblioteca Parque Estadual (BPE), um espaço da Secretaria de Estado de Cultura, recebe a exposição Ser Carioca da Rua, que reúne  76 imagens de 42 fotógrafos, selecionadas pelos curadores Julieta Roitman, Milton Guran e Pedro Vasquez.  A “rua” dá nome a apenas um dos quatro recortes da mostra, que propõe uma reflexão da identidade e do estilo de vida de quem mora e circula pelos bairros do Rio.

O projeto Ser Carioca, organizado pela organização FotoRio, com o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro, em comemoração aos 450 anos da cidade, também traz os vieses Ser Carioca de Luz, em mostra no Centro Cultural da Justiça Federal a partir do dia 11;  Ser Carioca de Corpo Aberto, em exposição no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica; e Ser Carioca da Gema, que abrirá no dia 20 de junho no Solar Grandjean de Montigny, na PUC-Rio.

O corre-corre da vida urbana é o principal personagem das imagens que compõem a Ser Carioca na Rua, na BPE, feitas por premiados fotógrafos, como Ivo Gonzalez e Pedro Kirilos, e de coletivos, como o Pandilha. Já a mostra Ser Carioca de Corpo Aberto retrata a sensualidade do corpo e a malícia malandra como formas de expressão do prazer do carioca, que aproveita a beleza das praias e das cachoeiras ao longo do dia e à noite vai ao encontro da energia boemia nos bares e casas de samba da Lapa. Esse recorte complementa a ideia dos trabalhos em exposição na Ser Carioca de Luz, que evidenciam curvas e caminhos  de florestas, morros e outros cantos do Rio.

Os trabalhos Ser Carioca da Gema, que serão expostos no Solar Grandjean de Montigny  (Museu Universitário PUC-Rio), foram escolhidos de uma forma diferente. Somente cariocas legítimos fizeram as imagens dos outros segmentos da mostra, mas as fotografias selecionadas pelo curador Marco Portela para o“ser da gema” foram clicadas também por “agregados”, que decidiram viver na cidade por opção. Por isso, essa parte da mostra traz um olhar peculiar sobre o imaginário e a identidade do carioca. A exposição, que começa no dia 20 de junho, segue até 21 de agosto.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Mercado editorial

Próximo post

Leitura e internet

Sem comentários

Deixe uma resposta