5
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Com o objetivo de orientar os responsáveis e profissionais atuantes em bibliotecas públicas de todo o estado, o Sistema de Bibliotecas Públicas de Santa Catarina (SBPSC) divulga um caderno com recomendações técnicas, que visam garantir a segurança dos servidores e público que frequenta estes espaços em caso de reabertura durante e após o período da pandemia causada pela Covid-19.

As orientações foram compiladas pelo SBPSC e são baseadas em recomendações de organismos nacionais e internacionais, como American Library Association, International Federation of Library Associations and Institutions, Ministério da Saúde, Organização Mundial de Saúde, Secretaria de Estado de Saúde de Santa Catarina e Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas.

Além das recomendações e medidas preventivas para aquelas instituições que, por algum motivo, precisem e tenham condições de reabrir em segurança ainda durante a pandemia, a publicação apresenta sugestões de atividades e ações que podem ser promovidas virtualmente para o engajamento da comunidade do entorno das bibliotecas e o incentivo à leitura.

Segundo o documento, a reabertura da biblioteca pública deve ser avaliada pelo gestor responsável e deliberada junto à equipe, que será responsável pela execução, e só ocorrerá se for autorizada pelo órgão superior imediato ao qual a instituição está vinculada, sendo indispensável evitar aglomerações, treinar a equipe para procedimentos de limpeza do espaço e acervo, bem como adequar o expediente de funcionamento.

O documento esclarece que identificar e orientar os profissionais membros da equipe é o primeiro passo a ser tomado pelos gestores para protegê-los, sendo necessário, entre outras coisas, afastar colaboradores do grupo de risco, ou que residam com pessoas do grupo de risco, oportunizando a realização de serviço em regime de home office, teletrabalho ou trabalho remoto.

“Em caso de trabalho remoto, fornecer, se possível, as condições técnicas necessárias para a continuidade das atividades e da oferta de serviços à população de forma virtual. A biblioteca deve trabalhar com a equipe mínima essencial às atividades presenciais, considerando que não haverá o retorno total de todas as atividades. Estabeleça um cronograma de retorno gradual, que pode variar de semanas a meses, conforme as estatísticas de contágio de sua região e políticas municipais”, orienta o documento.

Em relação às boas práticas no ambiente de trabalho, o caderno diz que é preciso manter uma distância mínima de cerca de dois metros de qualquer pessoa tossindo ou espirrando; evitar abraços, beijos e apertos de mãos; higienizar com frequência o celular; não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos; evitar circulação desnecessária; utilizar máscaras caseiras ou artesanais feitas de tecido; preferir as escadas aos elevadores etc.

Sobre o espaço físico, a orientação é para que se redistribua o mobiliário, gabinetes de trabalho, balcões de atendimento, setores internos como copas e cozinhas, observando o espaço físico em geral para que haja o distanciamento físico mínimo sugerido de dois metros; marcar o chão com fita adesiva para o distanciamento de pessoas; isolar ou diminuir itens como cadeiras tipo “longarinas”, cadeiras de espera, mesas individuais, seção de pesquisa on-line que possua computadores (ou outros equipamentos eletrônicos de uso coletivo), com fitas adesivas coladas em formato de X, analisando as medidas mínimas para distanciamento das pessoas, entre outros.

Clique aqui e acesso a integra do caderno.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

A passegem meteórica de Carlos Decotelli no Ministério da Educação

Próximo post

O que os olhos não leem a alma não sente