0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por Rede Brasil Atual

O número de salas de aula fechadas em escolas estaduais paulistas chegou hoje (18) a 1.160, de acordo com levantamento parcial do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), em 48 das 93 regiões em que divide o estado. A entidade afirma que também tem recebido denúncias de fechamento de turnos e recusa de matrículas.

Só no município de Mauá, no ABC paulista, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) fechou 52 salas. No interior, em Araçatuba foram 50, em Franca, 45, e em Ribeirão Preto, 36, de acordo com o levantamento. Em três escolas de Santo André, também no ABC, o período noturno foi fechado. Em Guarulhos, na Grande São Paulo, duas escolas fecharam turnos, uma à noite e outra à tarde.

Na segunda-feira (15), primeiro dia do ano letivo, o número de salas de aula fechadas contabilizado era 1.112. Na ocasião, a Secretaria Estadual da Educação informou que o remanejamento é “uma ação administrativa que sempre aconteceu”, que a “readequação do número de salas de aula é rotina a cada início de ano letivo” e que a rede estadual deixou de receber 143.600 matrículas neste ano.

Do outro lado, o sindicato acusa o governo Alckmin de realizar uma reorganização escolar disfarçada, já que o projeto original do Executivo estadual foi suspenso pela Justiça duas vezes, a última em janeiro. A proposta de “reorganização”, apresentada no ano passado sem debate com a comunidade escolar, pretendia fechar pelo menos 94 escolas e transferir compulsoriamente 311 mil estudantes.

Como resposta os alunos ocuparam escolas da rede estadual, movimento que chegou a 213 colégios no seu auge, em 2 de dezembro. Após 25 dias de intensa mobilização, o governador suspendeu o projeto e, em seguida, o então secretário da Educação, Herman Voorwald, pediu demissão.

“Estão sendo fechadas salas de aula e estava em curso um projeto de reorganização. Ora, esse movimento não é outra coisa senão uma reorganização silenciosa”, afirma a presidenta da Apeoesp, Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel. Para fazer frente a essa política, o sindicato continuará mobilizando a população e pressionando o governo, em protestos e manifestações.

Fernão Dias

Na escola Fernão Dias, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, parte dos alunos que participaram da ocupação da escola e que haviam sido transferidos compulsoriamente para o período noturno voltou para as turmas da manhã, após pressionar a diretoria da escola. O colégio foi o primeiro a ser ocupado na capital paulista e segundo no estado, e acabou tornando-se um marco na luta dos estudantes após permanecer uma semana sitiado pela Polícia Militar.

Aos alunos, a direção da escola informou que recebeu estudantes vindos do ensino fundamental municipal, e que por isso tiveram que remanejar os terceiros anos, por meio de um sistema eletrônico que realiza um sorteio. No período da manhã, a escola ficou com nove turmas de primeiro ano, dez de segundo, e quatro de terceiro.

Após pressão dos alunos, a direção concordou em distribuir os alunos de uma das salas de primeiro ano entre as demais e voltar a turma de terceiro ano para a manhã.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Diminui diferença entre jovens ricos e pobres que concluem o ensino médio

Próximo post

Por que postamos

Sem comentários

Deixe uma resposta