Posts na categoria

Revista

A ação cultural “Adote um livro e transforme-se” dá livros novos e usados em ações nas vias públicas de bairros afastados dos centros comerciais da cidade de São Paulo. A equipe de voluntários, liderada pela bibliotecária e criadora do projeto Grazielli de Moraes, coleta doações de livros junto a amigos, desconhecidos, empresas e a todos que tiverem interesse em disseminar a leitura.

Segundo romance de Sapphire, “O garoto” é protagonizado pelo filho mais novo de Precious, Abdul. Logo nas primeiras páginas, os fãs do primeiro livro e do filme descobrem o destino de Precious: embora tenha conseguido se libertar da família e educar os filhos, ela morre em decorrência da Aids, que havia contraído do pai.

Nélida Piñon fala torrencialmente de tudo e de quase todos, inclusive de si mesma. Em sua casa no bairro Lagoa, no Rio, num salão de paredes repletas de retratos seus e diplomas e prêmios obtidos ao longo de sua extensa carreira

Em entrevista à Página do MST, o professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Gaudêncio Frigotto, fala sobre o crescente processo de mercantilização da educação no Brasil e sobre o projeto de educação a ser defendido para o país.

Automação de bibliotecas: existem softwares gratuitos e de boa qualidade? Setembro 2015, Ano 5, Nº 09 ISSN 2238-3336 Comprar Sumário

As pesquisadoras norte-americanas Lucy Santos Green, da Georgia Southern University e Melissa P. Johnston, da University of Alabama publicaram recentemente um estudo sobre bibliotecas escolares brasileiras que revelou as experiências, as práticas e os desafios de bibliotecários escolares para atender as demandas de uma educação para o século 21.

O mercado de trabalho tem sofrido grandes mudanças desde o surgimento da Informática, do uso da Internet e das intranets das organizações, além do uso das comunicações virtuais que conectam profissionais de empresas da iniciativa privadas, públicas e terceiro setor.

Ao assumir a coordenação da Biblioteca Pública Hans Christian Andersen em janeiro de 2015, recebi informações sobre o potencial da biblioteca e a liberdade para executar projetos de reestruturação, embora limitada pela ausência de recursos financeiros, humanos e materiais, os quais a maioria das instituições públicas vivenciam.

Em pleno Século XXI tratar desse assunto pode ser ultrapassado para alguns colegas de profissão, mas infelizmente a maioria das bibliotecas brasileiras possuem sérias dificuldades de automação de seus acervos, produtos e serviços, bem como a emissão de relatórios gerenciais para tomadas de decisão.

Empreendedorismo na Biblioteconomia: quem falou que bibliotecário não pode empreender? Agosto 2015, Ano 5, Nº 07 ISSN 2238-3336 Comprar Sumário