0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias (RNBC) encerra o ano com um crescimento de suas atividades. Desde 2015, a Rede atua na formação de leitores, na democratização do acesso à leitura e à cultura literária, na incidência por políticas públicas do livro e da leitura, que contemplem também às bibliotecas comunitárias.

Com mais de 113 bibliotecas em 22 munícipios nas regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste, a Rede, que é parceira da Biblioo, atende um público médio de 23 mil pessoas, sendo que mais da metade é de crianças e jovens com até 18 anos.

Em 2019, a instituição fortaleceu seus processos de comunicação e mobilização de recursos com financiamento coletivo. Além disso, a sua participação em eventos literários pelo Brasil e em outros países potencializaram a projeção da sua imagem institucional e de suas atividades para outros territórios.

“Em âmbito internacional, participamos da Feira do Livro de Havana, em Cuba, com integrantes da Rede Releitura em parceria com a Universidade Federal de Pernambuco e a rede Beabah do Rio Grande do Sul, esteve no evento Bibliotecas de Fronteira, que reuniu representantes do Brasil, Uruguai, Paraguai e Argentina, em Colon, Entre-Rios, Argentina. Foram eventos importantes para rompermos fronteiras e pontuar a luta de resistência da atuação das bibliotecas comunitárias do Brasil”, analisou Cleide Moura integrante do Conselho Gestor da RNBC.

Outro avanço alcançado foi no campo do registro e divulgação das experiências das bibliotecas comunitárias com o lançamento de três publicações: “O Brasil que Lê”, sobre a pesquisa inédita do universo das bibliotecas comunitárias e os dois cadernos da Coleção Entre-Redes: “Percursos Formativos: Saberes das Bibliotecas Comunitárias”, sistematizando as práticas de comunicação e articulação.

Apesar dos avanços internos, a Rede também foi surpreendida com o retrocesso nas políticas públicas do livro e da leitura este ano.

“Este foi um período complexo e desafiador: enquanto por um lado a sociedade perdeu em participação, com o fim do Conselho Consultivo do PNLL, por outro lado foi criada a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Livro, da Leitura e da Escrita, de iniciativa da deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) e do senador Jean Paul Prates (PT-RN), que  conta com mais de 200 deputados e senadores” analisou Cleide.

Cleide que destacou também para as ações de alerta ao crescimento das ações de censura em 2019, como a ocorrida na Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, além de perseguições a escritores e autores, e censura às temáticas voltadas às minorias sociais, como a sexualidade, gênero, religiões afro-brasileiras.

Segundo Cleide, o cenário político atual  é caótico e desanimador, porém os movimentos sociais estão se reagrupando, se unindo e investindo na mobilização de suas bases. “O novo ano aponta para muitas lutas, resistência e, principalmente, união. Tempo de olhar para o outro como um aliado, para fortalecer ainda mais os direitos humanos e o direito humano à leitura. A Rede continuará resistindo e atuando para ampliar suas ações” ponderou.

Em 2020 a Rede pretende lançar seu primeiro curso na Plataforma de Ensino a Distância (EAD), na área do livro e da leitura. Outras ações previstas são campanhas de mobilização por políticas públicas do livro, da leitura, de educação e cultura, além da criação de conteúdos informativos sobre às políticas públicas e os direitos humanos.

Para a expansão da sua presença no país, a Rede prevê a criação de uma rede de bibliotecas em Brasília. “A criação da nova rede permitirá colocar a região Centro-Oeste, no mapa de nossa atuação. Ainda está previsto que chegaremos ao Sul da Bahia. Resistiremos com livros nas mãos, formando novos leitores e com mais bibliotecas comunitárias espalhadas pelo país”, afirmou Cleide.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Bibliotecária desenvolve aplicativo de leitura para crianças que usa ferramentas de interação

Próximo post

Uma revisão dos serviços de informação para grupos vulneráveis