1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Existe uma coisa que faz a maior diferença na hora das provas de concurso e que poucos candidatos tem tempo e facilidade para fazer: conhecer a banca. Mais do que simplesmente resolver muitas questões de uma determinada organizadora, saber o que e como estudar para as provas que ela elabora pode ser a diferença entre a aprovação e mais tempo na “fila de espera” dos concursos.

A proposta dessa nova linha de posts aqui do blog é justamente essa: explicar aos candidatos o que esperar de cada banca e como se preparar melhor para cada uma delas. A escolhida de hoje? O tão temido CESPE.

Banca da Universidade de Brasília, o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos – CESPE, tem a má fama de ser uma das piores bancas de concurso. Mas para quem estuda há mais tempo, o CESPE acaba por se tornar uma das bancas favoritas. Pra entender o motivo desse “amor e ódio” é só analisar as principais características da banca com um pouquinho mais de objetividade. Vamos lá?

Características Técnicas

1- Questões “Certo ou Errado”. Essas questões deixam menos margem para chute técnico. Não existe a possibilidade de uma questão estar “meio certa” ou “meio errada”. E como não há critérios comparativos, muitos candidatos acabam ficando indecisos e nervosos. Uma dica pra aprender a lidar com isso: uma questão “meio certa” ou “meio errada” é uma questão ERRADA. Mesmo que 99% da questão esteja certa, e apenas 1% errada, saiba: ela está errada. Ainda assim, é possível que o CESPE elabore provas com múltiplas alternativas. Por isso, é muito importante que o candidato leia bem o edital antes mesmo de fazer sua inscrição e esteja preparado para isso na hora da prova.

2- Fator de correção. Muitas das provas do CESPE (mas nem todas! Preste atenção no edital, sempre!) costumam ter fator de correção. É o famoso “Uma errada anula uma certa”. O candidato que não lê edital, ou que tem o hábito de marcar respostas no gabarito sem ter certeza do que está fazendo acaba tendo grandes chances de ser eliminado. Existem duas dicas importantes aqui: 1) ao estudar, procure fazer alguma marcação para diferenciar as respostas que você não tinha certeza absoluta. Ao corrigir a prova, identifique as matérias que você não tem um bom índice de acertos ao “chutar” e aquelas em que você pode confiar nos seus instintos. 2) Dê mais ênfase nos seus estudos para as matérias em que você tem um maior índice de erros, e na hora da prova lembre-se de NÃO MARCAR AO ACASO nessas matérias.

3- As provas discursivas costumam cobrar conhecimentos específicos. O CESPE valoriza muito o conhecimento específico dos seus candidatos. Por isso, é muito mais frequente que os temas de provas discursivas estejam dentre os assuntos cobrados na prova de conhecimentos específicos.

4- As provas de conhecimento específico tem maior peso. Na maioria dos editais do CESPE as provas específicas tem um peso maior. Quando não tem peso maior, a nota obtida nesta prova é o primeiro critério de desempate entre candidatos. Além disso, o número de questões sobre conhecimentos específicos costuma sem maior do que o número de questões sobre conhecimentos gerais. Por isso, é vantagem para o candidato se dedicar um pouco mais aos livros de biblioteconomia do que às outras matérias.

Características de Conteúdo

1- Edital padrão. Os editais do CESPE, no que diz respeito ao conteúdo a ser cobrado nas provas, costuma ser padronizado. Em alguns poucos concursos isso muda, e geralmente em duas matérias: Classificação (dependendo do sistema adotado pela biblioteca do órgão público) e Informática para bibliotecas. É claro que podem existir outras mudanças no “edital padrão” do Cespe, mas essas são as mais comuns.

2- Questões conceituais. O CESPE, em suas questões de biblioteconomia, tem como prática cobrar conhecimentos mais conceituais e teóricos, cobrando muito raramente o conhecimento aplicado. Isso siginifica que o candidato pode se dedicar a aprender mais os conceitos quando estiver estudando para provas do CESPE, sem se preocupar tanto com a aplicação destes. Isso fica mais perceptível em questões sobre as normas da ABNT, Classificação e Catalogação, por exemplo.

3- Pegadinhas. O CESPE gosta de eliminar candidatos desatentos. É muito comum ver questões praticamente corretas, com apenas uma palavra de altera todo o sentido. Um “não” ou “Sempre” ou “exclusivamente”… todas essas palavras merecem a atenção do candidato e um alto índice de desconfiança.

E você? Tem mais alguma dica sobre o CESPE que não foi falada aqui? Deixe um comentário pra gente!

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Imagens Edição 25

Próximo post

Biblioteconomia punitiva

49 Comentários

  1. Vanderlan
    31 de outubro de 2013 a 19:34 —

    O Cespe usa MALDOSAMENTE E MALICIOSAMENTE essa linguagem uma errada anula uma certa, visto que no edital NÃO DIZ ESPECIFICAMENTE QUE UMA ERRADA ANULA UMA CERTA (EDITAL 8.10.2), O QUE DIZ É: Resposta certa 1 ponto, resposta errada 1 ponto negativo. Um dos problemas é a maioria das pessoas se acomoda com essas coisas erradas, e essa banca tem prejudicado muita gente. Quem são eles para penalizar uma pessoa que acertou por ter estudado ou por ter 'chutado' a questão. Tenho a impressão que isso é uma MÁFIA, QUADRILHA ou então rola propina. O Cespe tem feito os concursandos de palhaço. ainda falam que é uma banca seria.

    • 11 de novembro de 2013 a 19:10 —

      Olá Vanderlan,

      Na verdade, a expressão "uma errada anula uma certa" não é utilizada pelo Cespe. Como você mesmo disse, o edital não usa essa expressão. Ela "se firmou", por assim dizer, entre os candidatos porque é uma maneira simples de explicar a lógica da coisa. Pra cada questão errada, o candidato é penalizado. Nem sempre uma errada anula uma certa. Já fiz provas (do CESPE) em que DUAS erradas anulavam uma certa. O nome técnico é "Fator de Correção", e outras bancas também utilizam. Depende do órgão público ao qual o concurso se destina.

      Nenhuma banca de concurso tem por objetivo ajudar os candidatos. O objetivo é justamente separar o joio do trigo, quem estuda de quem não estuda. A política do CESPE é simples: ou o candidato sabe e marca a opção correta, ou então não deve chutar. Você há de concordar que, em uma questão que só pode estar CERTA ou ERRADA a chance de um candidato despreparado marcar ao acaso e acertar é de 50%. E aí, sim, temos uma grande injustiça com os candidatos que estão se preparando.

      Particularmente, gosto das provas do CESPE. Me sinto segura e confiante com relação à banca e à formulação das questões. Mas mais importante do que gostar ou não gostar da banca é a gente continuar estudando e se preparando para as provas para tentar anular o "Fator Sorte" dos concursos!!!

      Desejo a você boa sorte e bons estudos!

      • Diego Managlia
        21 de janeiro de 2014 a 23:54 —

        Talita, concordo inteiramente com você!

        Isso quer dizer que é melhor eu deixar a questão em branco do que chutar e correr o risco de errar?

        • talitajames
          24 de janeiro de 2014 a 17:20 —

          Oi Diego,

          Se você não tem NENHUMA noção do assunto, melhor não chutar mesmo. Mas tem casos em que a gente tem aquela "quase certeza", e aí, dependendo de como está o seu desempenho na prova, pode valer a pena chutar…

          Recomendo que você faça muitos simulados em casa, com base em provas antigas, sempre identificando quais as questões que você está chutando. Depois avalie se o seu chute técnico é válido ou não para as provas, identificando se você acerta ou erra com mais frequência.

          Abraços e bons estudos!

          • Diego Managlia
            25 de janeiro de 2014 a 10:27

            Muito obrigado pela dica, Talita! Com certeza ajudou bastante!
            Bora estudar hehe

      • 18 de fevereiro de 2014 a 13:19 —

        Concordo plenamente Talita… Ótima resposta (Y)

    • Alberto
      11 de fevereiro de 2014 a 16:58 —

      Meu chegado, concordo plenamente con seu comentario, ademais, se ela fosse uma banca seria nao teria vazado gabaritos da PRF de 2010 gerando todo aqele caos e vergonha pro pais de concursandos qe se matam de estudar pra terem o direito de trabalhar,e no final das contas, qem leva vantagem eh qem paga pelo gabarito.

    • Roger
      13 de janeiro de 2015 a 10:44 —

      Concordo totalmente com você! Concurso publico é o sonho no inicio e vira um pesadelo depois. Mesmo se aprovado, não te dá felicidade, pois não precisamos só de segurança precisamos de expressar nossa criatividade e isso dificilmente iremos encontrar em um concurso

    • Wilson
      29 de dezembro de 2015 a 8:28 —

      Para aqles q estão comentando sobre o chute consciente, indico as dicas do sapoia. Procurem no YouTube : sapoia

    • ana
      24 de fevereiro de 2016 a 15:03 —

      Também acho. Há muitos concursos bons que utilizam o modelo de provas de 4 ou 5 alternativas, nas quais somente uma é certa. É realmente uma palhaçada.

  2. Robson
    3 de janeiro de 2014 a 0:43 —

    Acredito que esse tipo de avaliação não elimina a possibilidade de chute como a CESP diz. Pois ainda sim, podemos chutar entre duas premissa (C) ou (E), tendo o chute certeiro (C) valendo 1 ponto e o errado (E) valendo -2. Ou seja, desculpa esfarrapada da banca tentando justificar o maldoso critério de avaliação dos candidatos, tendo em vista que ainda há possibilidade de se chutar uma questão.

    • Talita James
      15 de janeiro de 2014 a 15:44 —

      Oi Robson,

      Primeiro, o CESPE não afirma que a metodologia de avaliação elimina a possibilidade do chute. O candidato é livre pra fazer qualquer escolha com relação às suas respostas. O que acontece é que, quem está estudando DE VERDADE pra concurso prefere não arriscar. A chance de acerto e de erro é de 50%. Só que os erros são penalizados justamente para evitar que um candidato DESPREPARADO consiga – marcando ao acaso – atingir a mesma nota que um candidato que vem se dedicando aos estudos.

      Não considero o critério maldoso… Acho que é uma questão de estudar e de não marcar ao acaso as questões que a gente não sabe a resposta.

      Boa sorte nos estudos e na preparação para concursos!

  3. luiz fernando
    7 de janeiro de 2014 a 9:34 —

    Talita tudo bem?

    comecei minha historia estudando eu e minha esposa… fiz um 2º grau fraco e sempre estudei em colégios públicos. estava quase 10 anos sem estudar. sou formado em T.I e nunca prestei concurso publico.
    estou pela 1º vez estudando para a prova do banco do Brasil.tenho sábado e domingo livre para estudo…quais as dicas que vc me daria como inciante para poder ter reais chances de passar?

    obrigado…

    • Talita James
      15 de janeiro de 2014 a 15:48 —

      Oi Luiz Fernando!

      Parabéns pela decisão de estudar para concursos. Sei que estudar e trabalhar ao mesmo tempo não é fácil e que ainda temos que dar atenção aos amigos, família… É complicado!

      A minha dica, pra quem tem pouco tempo pra estudar é: invista em material objetivo. Apostilas são uma boa opção, se você gosta de estudar lendo e fazendo exercícios. Pra quem gosta de vídeo aulas, elas também são uma excelente opção.

      Organize seu horário para estudar umas 8 horas por dia, reservando um bom intervalo para almoçar ou jantar com a sua esposa – em casa ou na rua! Tenha um tempinho de lazer para não surtar! E visite os outros posts aqui do blog… tem mais dicas sobre como organizar a agenda de estudos, escolher os melhores materiais…

      Boa sorte, e bons estudos!

    • Neide
      12 de maio de 2015 a 9:50 —

      Luiz Fernando, bom dia! Seguem algumas dicas:
      – otimização do tempo: vídeo e áudio aulas são ótimas para trânsito, não dá para ficar lendo, então ouça.
      – Player – para smar tphone: BS Player, Desktop: VLC – ambos permitem aumentar a velocidade sem distorcer a voz dos apresentadores nem deformar as imagens.
      – mapas mentais – para memorização e revisão – vários sites dão dicas para fazer mapas, obs: mapas são resumos dos resumos, bem sintético.
      – revisões – são de suma importância – procure sabe sobre ciclo de esquecimento, vc achará dicas de como fazer as revisões
      – questões – faça muitas e muitas
      – redações – sempre que estudar um conteúdo, tente fazer uma redação sobre ele. monte estrutura de tópicos com sobre o que terá na introdução, desenvolvimento de conclusão, e alguns pontos que ira apresentar antes de desenvolver.
      – explanação – tente ensinar a alguém o que vc aprendeu, de estude como se fosse ensinar.
      – Como saber se está bem em uma matéria, se estudo o suficiente: Esta sempre foi a pergunta que sempre me perseguiu, até quando estudar? Como saber se está bom? depende do grau que vc precisa conhecer:
      básico: saber responder a três perguntas: o que é? para que serve:? como funciona? dica: base para redação
      intermediário: responder ás três perguntas e saber a estrutura e elementos;
      avançado: atender aos níveis anteriores e saber aplicar e discutir sobre o assunto.
      E tbm o nível de acerto das questões que faz e o tempo que leva pensando para responder.
      Espero te ajudado!
      Bons Estudos!

  4. Micheli Fideles
    7 de janeiro de 2014 a 23:44 —

    Oi Talita, adorei o artigo sobre a banca CESPE. Nunca fiz nenhuma prova deles, mas mt em breve vou fazer. Estou me preparando p CEF e tenho muito medo das questões no estilo "uma errada anula uma certa". Já ouvi dizer que é necessário no mínimo gabaritar 80% da prova, ou seja, deixar mts questões em branco também ñ é uma boa escolha. Vc tem alguma dica em relação a isso?

    Mudando de assunto, já fiz 6 provas de concurso público e até então estou no cadastro de reserva de dois lugares. Estou muito insegura, em geral eu tenho um bom desempenho, mas sempre 'bato na trave'. Como eu tenho formação em Economia, estou tentando na área bancária. Há muitas vagas, porém é sempre muito concorrido. Eu não sei o que eu poderia fazer diferente para melhorar o meu desempenho, eu fico sempre na marca dos 80%. Vc teria alguma dica? Vc poderia me sugerir alguma coisa q vc fez e deu certo? Vc acha q a escolha de polo da prova pode influenciar tanto no ponto de corte?

    Muito obrigada!

    • Talita James
      15 de janeiro de 2014 a 15:56 —

      Oi Micheli! Que bom que você gostou do post! Volte sempre!

      O CESPE é bobo, grande, feio mas não morde! Não precisa ter medo. O percentual pra nota de corte varia com relação ao órgão, ao cargo… Não tenho experiência em concursos de Banco, mas acredito que o pessoal que passa e classifica fica com a nota em torno de 80% mesmo. Nesse caso, se você preencher o gabarito todo, você só poderia errar 10% das questões. Bem tenso! Minha dica é… comece pelas matérias que você tem mais facilidade, responda as questões mais fáceis, que você tem certeza ABSOLUTA da resposta. E vá contabilizando o percentual que você já atingiu… Passe para as matérias que você tem mais dificuldade e vá respondendo também as questões mais fáceis. Só depois passe para as questões "intermediárias" e deixe as mais difíceis para o final MESMO. Veja quantas delas você vai ter que "chutar" pra tentar atingir o seu percentual sem correr o risco de perder os pontos "fáceis". Fui criada em Brasília, e lá, basicamente, o ensino médio é voltado para a preparação para provas do CESPE. Essa era a estratégia que os professores passavam pra gente.

      Procure dar mais ênfase nos estudos das matérias que você tem mais dificuldade. Isso vai te dar mais confiança na hora da prova. E faça MUITOS simulados. As questões de concurso tendem a se repetir… então você treina seu cérebro a entender a lógica da banca. =)

      Espero ter ajudado. Boa sorte e bons estudos!

      • Graci
        12 de fevereiro de 2014 a 22:59 —

        Olá querida… Boas dicas!!! Gostaria que disponibilizasse os sites onde possuem simulados. Pode ser?

    • Talita James
      15 de janeiro de 2014 a 15:58 —

      Ah, sobre o polo: pode ser uma opção mudar a escolha do polo sim. Algumas regiões são mais concorridas e por isso a nota de corte é maior. Exatamente como o Jeferson Silva falou aqui nos comentários também!

  5. Jeferson Silva
    12 de janeiro de 2014 a 21:47 —

    Olá Micheli, você que tem tentado concursos para área bancária com o nivel de acertos em 80% te indico mudar o polo de concurso, Banco do Brasil ou CEF, depois voce pede transferecia para cidade desejada, nos grandes centros as notas de corte são muito altas.

  6. JUCINALDO
    14 de janeiro de 2014 a 11:37 —

    Olá Talita,em primeiro lugar quero pabenisá-la pelas aprovações em diversos concursos.gostaria que a senhorita me ajudasse a montar,um plano de estudo,para que eu possa ser aprovado no concurso da CEF,parabéns e continue sempre na fé.DEUS te abençoe.

  7. talitajames
    15 de janeiro de 2014 a 16:13 —

    Oi Jucinaldo, tudo bem? Obrigada pela visita e pelo comentário!

    É muito complicado montar uma agenda de estudos pra pessoas que eu não conheço… Tem alguns textos aqui no blog mesmo que falam sobre organização do tempo e do estudos… Vou deixar o link de 3 aqui que podem te ajudar: http://biblioo.info/blogdosconcursos/dica-de-estu
    http://biblioo.info/blogdosconcursos/dica-de-estu
    http://biblioo.info/blogdosconcursos/dica-de-estu

    Boa sorte e bons estudos!

  8. Marcos Paulo
    23 de janeiro de 2014 a 15:08 —

    Olá Talita Obrigado pelo conteúdo a respeito do CESP/UnB, será útil . Parabéns por todas estas aprovações , afinal
    são todas pelo seu suor (mérito). Meu nome é Marcos Paulo tenho de 17 anos moro em Petrópolis -RJ, estou indo rumo ao meu segundo concurso ( Caixa econômica Federal ) que foi aberto hoje o edital ! , é muito importante pra min ver pessoas como você pois servem de inspiração. Parabéns novamente e agradeço se tiver algo a me informar .

    • talitajames
      24 de janeiro de 2014 a 17:17 —

      Oi Marcos Paulo!

      Que bom que o post e o blog estão ajudando! Bons estudos e volte sempre!

  9. Jéssica
    4 de fevereiro de 2014 a 3:26 —

    Ola Talita.

    Amei seu blog e as dicas sobre o Cespe serão muito válidas para mim que estou começando a estudar para concursos agora.

    Gostaria que você me indicasse algumas bibliografias que servissem para os concursos em geral, principamente para analista do TJ.

    Muito obrigada!

  10. Francis
    10 de fevereiro de 2014 a 3:04 —

    Além do estudo, saber interpretar a afirmativa com coerência e discernimento aumentam as chances de acerto, a atenção tbm é imprescindível.

  11. rafael zorranio
    12 de fevereiro de 2014 a 21:39 —

    Talita
    eu vou fazer a prova do cespe mas tenho uma duvida sobre a redação pois o edital nao coloco a pontuação para a redação.. so a pontuação para as quesntoes objetivas .. queria saber se é nessecario eu fazer a redação ..

  12. mabio
    14 de fevereiro de 2014 a 12:52 —

    Talita,
    é verdade que, mais ou menos, 50% das questões são certas e 50% são erradas?

  13. Renée
    22 de fevereiro de 2014 a 3:00 —

    Se em duas questões eu marquei CERTO e a banca CESPE na preliminar da prova marcou ERRADO, sendo que, essas duas questões que marquei CERTO estão exatamente CERTAS. Não entrei com recurso, mas alguns colegas entraram, quero entender; se o cespe mudar o gabarito para CERTO as minhas duas questões ficarão valendo?

  14. gabi
    27 de fevereiro de 2014 a 16:40 —

    Boa tarde!

    Não consigo encontrar provas antigas de concursos bancários da cesp com questões de certo e errado, onde acho????

    • Daniela
      26 de março de 2014 a 4:45 —

      No site do aprova concursos você encontra várias provas anteriores desta banca. Vale à pena!

  15. Alexandre M.
    11 de março de 2014 a 12:36 —

    Olá! Adorei as dicas, muito boas. Mas para quem quer ter uma chance a mais, no CESPE, procurem conhecer a Técnica do chute, do Professor SAPOIA, consiste numa técnica para melhor avaliar a questão duvidosa. Mas obrigatoriamente o candidato tem que estudar. Mas ajuda muito. Um abraço.

  16. Herlan
    11 de março de 2014 a 19:03 —

    Talita,existe um limite de questões em branco pra CESPE?
    vou fazer prova pra CEF,tenho mas dificuldade em matemática, e o resto me garanto.Por exemplo,das 10 questões de matemática eu posso deixar 6 em branco e responder 4?
    Tem que ter 80 pontos"valor fictício" ou preciso de 80 pontos mais 20 pontos em tal matéria?
    matemática,etc…
    não sei se você entendeu mas quero saber se uma matéria específica pode me eliminar nessa banca mesmo eu indo bem nas outras.

  17. Gledson Yan
    27 de março de 2014 a 18:36 —

    você saberia me responder se as questões especificas do concurso da cef 2014 no estilo cespe será: Uma errada anula duas certas?

  18. pablo
    28 de março de 2014 a 0:57 —

    máfia? quadrilha? blá blá blá… . estuda filho!

  19. Rafael
    3 de abril de 2014 a 20:39 —

    Com todo o respeito, mas o título "quebrando a banca" foi bastante pretensioso, Talita. Ao encontrar a indicação desta página no google com este título, eu esperava algo muito mais profundo, realmente útil. Nada contra sua opinião. Apenas achei o conteúdo excessivamente superficial para o título.

  20. FERNANDA MARTINS
    15 de abril de 2014 a 17:04 —

    Tenho 34 anos e sou formada em Letras. O meu objetivo é a área policial, principalmente, AGENTE FEDERAL.

    Já fiz inúmeros concursos e sempre bato na “trave”.

    Confesso que não sou assídua em estudar e me dedicar exclusivamente para a prova a qual irei realizar, pois sempre confio em meus conhecimentos internalizados, este é o meu grande defeito.

    Já li vários artigos referentes à banca CESPE e a conheço bem, embora eu não tenha o hábito de responder às provas anteriores.

    Tenho a facilidade em aprender rapidamente os conteúdos na área de humanas e grande dificuldade de entender as matérias de lógica.

    Preciso que me dê um direcionamento para que eu possa obter êxito, mesmo sabendo que a sua resposta será “FOCO”.

    Admiro às suas conquistas e tenho a convicção de que todas foram “frutos” da sua força de vontade e dedicação.

    Farei um cursinho preparatória em minha cidade (CATALÃO) para AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL que será no final do ano.

    Obrigada desde já.

    • maria dos Santos
      5 de fevereiro de 2016 a 16:37 —

      Concordo plenamente! acho inclusive uma grande falta de respeito, pois se eu acertei tenho o direito em ter aquele ponto .

  21. 29 de abril de 2014 a 8:53 —

    Talita, admiro muito sua capacidade de conseguir decifrar os enigmas do CESPE, pois ainda não tive…Suas dicas nos ajudaram bastante a continuar tentando. Realmente seu exemplo (já aprovada em vários concursos) nos motiva a buscar nosso objetivo. Obrigadão pelo depoimento e Deus nos guie no próximo ! Um grande abraço.

  22. Uillame
    12 de maio de 2014 a 9:49 —

    Talita, vou fazer uma prova de concurso daqui 2 semanas, a qual tem como caracteristica de Uma errada, anula 75% de uma certa. Sera que compensa eu marcar a prova toda? ou melhor deixar em branco no momento de duvida. Quantos porcentos da prova devo fazer no minimo?
    Obrigado.
    Se tiver um material especifico para Policia Civil, cargo de Perito criminalista e de Fiscal de Tributos para Prefeitura, gostaria que me enviasse ou me indicasse.
    Obrigado!

  23. Bruna
    21 de agosto de 2014 a 14:56 —

    oi, estou precisando muito de um livro que fale sobre avaliação de software para bibliotecas que seja comum em provas cespe. Alguma dica?

  24. Roger
    13 de janeiro de 2015 a 10:48 —

    Esse comentário abaixo é sobre concurso para professor universitário federal/estadual:
    Concordo plenamente com você. Já vi exemplos de aulas não muito boas e o candidato passar sem problemas. Outros, apresentam uma aula muito boa e são reprovados. É um sistema de ensino que mostra até o ultimo momento que serve mais para excluir do que para selecionar. A prova didática é muito subjetiva. No momento não são avaliados apenas conhecimentos e clareza de ensino com recursos metodológicos. Mas existem itens ocultos na avaliação: roupa, cheiro do candidato, carisma, as vezes cor de pele, orientação sexual (é visível se o candidato é gay ou hetero). Isso tudo e muitos outras variantes (não ir com a cara do candidato) conta na hora de aprovar. Além de tudo isso, ainda existam candidatos com formação melhor do que a banca: Com doutorado e com possibilidades de ser um forte concorrente depois de aprovado, dentro da própria universidade. Então o/a presidente da banca (que é professor(a) efetivo(a) da universidade que você está concorrendo, não vai querer um candidato muito forte que vai sobressair). Logo, REPROVAÇÃO é o jeito mais fácil de se livrar de um futuro colega-estrela. Enfim, avalia-se tudo em uma banca. O governo deveria acabar com essa “farra do boi” em que alguns professores se arvoram na função de juízes com total desrespeito e cinismo para com os candidatos, mas tudo isso envolto em uma falsa aparência de seriedade, de isenção, de perfeição. Para no final, com o candidato REPROVADO esse mesmo candidato até achar que não é bom mesmo para o cargo. Existe casos e casos a analisar. Mas com CERTEZA absoluta a banca de concurso para professor, tal como conhecemos NÃO É A MELHOR OPÇÃO para avaliação. O governo federal deveria promover exames como o ENEM para professores. Assim, os professores fariam apenas uma prova e ficariam no cadastro geral de aprovados. Assim, as universidades poderiam abrir vagas em função desse cadastro de professores aprovados. É lamentável em que coisa a Educação tenha se tornado: um terreno mais para REPROVAR do que para APROVAR o ser humano. Um professor ainda tem a capacidade de detonar com a auto-estima do aluno/candidato cortar a criatividade e fazê-lo arrepender amargamente de ter escolhido essa área que eu considero uma da mais perigosas para a saúde mental. A classe de professores é muito desunidade e não perde a chance de detonar com um colega. Diferente da classe médica ou jurídica ou engenharia, ou psicólogos, nutricionistas e demais áreas: todos tem um código de ética JÁ INCORPORADO naturalmente entre seus membros que é o de não apontar os defeitos dos outros, os erros de um colega de área. Você já viu um medico falar mal de outro colega? Professor não só fala mal como não perde a chance de detonar um colega numa banca examinadora. Aconselho a quem tem chance, de ABANDONAR essa profissão, ou ser proprietário dela com alguma escola, faculdade, etc porque como empregado nessa profissão não vai te levar muito longe ou até onde for sua ambição (não só financeira, mas profissional).

    ps: fui aprovado em 2 concurso federais e reprovado em 2. O estranho é que fui aprovado com a mesma aula em que fui reprovado anteriormente.

  25. Ivaneide
    12 de maio de 2015 a 10:01 —

    A banca CESPE já faz algum tempo vem aplicando a multidisciplinaridade nas suas questões.
    Sou da área de TI e não raras vezes nos deparamos com questões que estão erradas não pelo conteúdo mas por questões gramaticais como aplicação das conjunções, por exemplo, uma vez tinha uma questão com duas orações ligadas por "uma vez que", tudo parecia certo, contudo a questão estava errada, por quê? a conjunção "uma vez que" é uma conjunção causal que indica que a segunda oração é o motivo da primeira afirmação o que não era verdade no texto.
    Outra ocasião foi o uso do pronome indefinido "qualquer" que antes do sujeito indica "para todos" e após é um pejorativo semelhante a vulgar.
    As de raciocínio lógicos estão repletas também.
    Saber apenas para a prova não vai bastar, este é um exemplo de aplicação prática da língua nos provas.

  26. segredosdacespe
    13 de agosto de 2015 a 22:19 —

    Muito bom o conteúdo! O site http://www.segredosdacespe.com.br tem várias dicas da banca Cespe vale a pena conferir antes da realizar a prova!

  27. Lucas
    1 de setembro de 2015 a 13:04 —

    Boa tarde a todos!

    Primeiramente e com todo respeito, se vocês que estão julgando a banca pela regra dela julgar as respostas erradas, e não concordam com a filosofia da banca, vocês tem apenas duas alternativas!

    1- Estude, estude e estude! antes mesmo do edital, tem dificuldades com matemática? Foque na matéria estude e fique afiado, português? Idem! Pois a banca não tem culpa do despreparo dos participantes!

    OU

    2- Não se inscrevam!!! Se vocês não concordam com a filosofia da Banca organizadora, e tem preguiça de conhece-la melhor, e seguir a dica 1… Então não se inscrevam, não rasgue o dinheiro de vocês pra depois vir chorar as magoas!

    Espero que as dicas ajudem!

    Abraço!

  28. Geanne
    30 de setembro de 2015 a 13:25 —

    Olá, Talita! Fiz a prova para Analista do STJ na minha área Pedagogia em 2015. Acertei 90% de conhecimentos específicos mas em conhecimentos gerais errei 20 de 50 questões e a nota de corte é 11. Vou ficar fora porcausa de 1 questão. A CESPE costuma anular questões?

  29. 17 de outubro de 2016 a 15:52 —

    Sou um pouco leiga no assunto banca de concursos, andei dando uma lida nos comentários e no artigo e me surgiu uma duvida! como funciona essa questão de um errada anula uma certa? quer dizer se eu acerta uma questão e respectivamente errar anula a que eu acertei? E se você deixar a questão em branco ? conta como Errada? e acaba não anulando a questão certa ? É meio que absurdo isso eu achei 🙁
    Alguém poderia me explicar isso direitinho?

Deixe uma resposta