0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por G1 Educação

Obras como “O Pequeno Príncipe”, “Madame Bovary”, “Drácula”, “Dom Quixote” e outras que são de domínio público podem agora ser lidas em smartphones e tablets nos ônibus de Lima, por meio de códigos QR, graças a um projeto de incentivo à leitura.

Ciente de que a capital do Peru tem poucas bibliotecas, o coletivo peruano “Chup de Mango” tomou esta iniciativa usando livros que são de domínio público e colocando em adesivos, além dos códigos, alguns trechos das obras.

“Não há muito apreço pelos livros e não há muitos lugares onde se promover a leitura. Daí nosso interesse para que as pessoas leiam mais”, explicou à Agência Efe uma das organizadoras da iniciativa, a publicitária Melissa Mandujano, que contou com o apoio da amiga e comunicadora Fabiola Carranza.

O projeto é pioneiro na capital peruana, mas se baseia na experiência do metrô de Medellín, na Colômbia, que já conta, inclusive, com uma biblioteca.

“O sistema de transporte público em Lima é caótico, e às vezes viajar é entediante e chato porque você passa muito tempo esperando chegar ao destino”, disse Fabiola Carranza.

O grupo selecionou “leituras essenciais”, e as jovens escolheram “trechos atraentes” para os leitores se interessarem em baixar o livro depois por meio de códigos QR no adesivo colocado na parte de trás dos assentos ou anotar o site e fazer isso em casa.

No trânsito, moradores de Lima podem perder até três horas diariamente. Com a ideia de que a leitura é uma viagem, elas pensaram: “Por que não viajar de casa para o trabalho também com um livro?”.

Por esse motivo, colocaram o início de “Dom Quixote” e trechos que descrevem a essência de “Madame Bovary”. A história de Drácula e a delicadeza de “O Pequeno Príncipe” também fazem parte da coleção que pode ser lida nos ônibus.

“Nosso objetivo é que as pessoas leiam sempre mais”, ressaltou Melissa Mandujano.

O projeto das amigas ainda não consegue contabilizar quantos downloads são feitos. Segundo elas, isso acontece porque as ‘URLs’ (endereços disponíveis na rede) encaminham a diversas páginas da internet com as quais elas não têm qualquer relação.

Recentemente, elas ganharam o apoio da ONG “Ayuda en Acción/Voluntariado en acción” que se juntou a elas para espalhar os adesivos.

O coletivo “Chup de Mango” surgiu há um ano e meio com a intenção de “trabalhar junto com as pessoas que querem melhorar seu entorno e mudar sua maneira de viver”.

“Apesar de os protagonistas serem os passageiros, o objetivo é mudar o transporte em si e conseguir o apoio das prefeituras para que se unam a essa ideia simples e aumentem o alcance da leitura no Peru”, defendeu Fabiola Carranza.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Pelos caminhos da Biblioteca Nacional de Portugal

Próximo post

Projetos ensinam mulheres a programar e combatem o machismo na T.I

Sem comentários

Deixe uma resposta