0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Depois de sua palestra “A necessidade de Cartografias, Bibliografias e Certificação da Informação no Universo Tecnológico” no XIII EREBD SE/CO, o professor Laffayete Alvares Jr. da Escola de Biblioteconomia da UNIRIO, deu uma pequena entrevista para a biblioo mostrando sua visão sobre os eventos acadêmicos de estudantes. Confira!

Rodolfo Targino: Professor Laffayete, como você avalia a importância dos eventos acadêmicos estudantis para a Biblioteconomia?
Laffayete Alvares Jr: Olha, foi que falei na minha palestra aqui hoje. Todo o momento que podemos nos encontrar para discutir e aprofundar conhecimentos é fundamental. O momento do aluno poder estar em um evento é importante, até porque muitos eventos da nossa área são vedados a alunos. Então, acredito que tem mesmo que se organizar e fazer. Eu gosto muito de participar, adoro quando há possibilidade de estar junto, de trabalhar, questionar e trazer coisas novas, modos de pensar diferentes. Eu vejo muito interesse e acho positivo.

R. T.: E quando você era estudante teve a oportunidade de participar desses encontros?

L. A.: Infelizmente não. Eu fiz uma graduação tardia, era um jovem senhor, e tinha a conciliação com trabalho, então ficava meio complicado de participar, mas sempre percebi os benefícios que traziam para os meus colegas que podiam ir, então gosto muito.

R. T. : Na sua palestra hoje, você ressaltou a importância dos projetos sociais, citou as redes colaborativa que surgiram em um projeto na Etiópia e também o Moleques de ideias aqui de Niterói/RJ. Na sua concepção, como a Biblioteconomia e a Universidade estão olhando para esses projetos? Eles estão sendo contemplados pelos projetos de extensão? E a Biblioteconomia está tendo uma maior sensibilidade para esses projetos?

L. A.: Eu não posso te afirmar com certeza, porque ainda não fiz essa pesquisa e não tive esse contato todo. Posso dizer para você que conheço um monte de bibliotecários, inclusive dentro da universidade, colegas, professores e uma quantidade enorme de alunos e recém-formados que estão desenvolvendo coisas nesse caminho que eu acho bárbaro. Você tem projetos maravilhosos como, por exemplo, o projeto de extensão que acontecem na Biblioteca Parque de Manguinhos/RJ e aqui em Niterói/RJ com a Biblioteca Pública. Agora com a eleição do novo prefeito de Niterói/RJ, eu vou procurar o Waldeck Carneiro, que é um dos vereadores daqui e, inclusive, é bibliotecário, quero conversar com ele sobre esse caminho. Tem iniciativas muito boas não só pela biblioteconomia, mas também por pessoas que gostam de livros, de cultura e de leitura, mesmo sem ser bibliotecários percebem a importância dos livros. Existe um projeto, que eu acabei esquecendo de falar [na palestra] porque não estava anotado, que é o Corujão da Poesia, desenvolvido pelo João do Corujão, como a gente o chama, que é professor da  Faculdade Universo da área de Letras. Ele se baseia em uma lógica um pouco diferente das da Biblioteconomia: ele não empresta livros, ele liberta livros, ele doa livros. Então, é uma outra lógica, mas acho que tem uma integração conosco, precisamos pensar nessas outras possibilidades, acho isso muito importante.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

O que rolou no primeiro dia do EREBD SE/CO

Próximo post

Imagens Edição 14

Sem comentários

Deixe uma resposta