0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

No dia 7 de setembro de 2013 fiz o que acredito ser o meu dever. Sai às ruas com alguns outros, poucos, pelo que se afirmava nas redes sócias, mas como acredito na máxima “quantidade não é qualidade” não posso e não tenho do que me queixar. Concentramo-nos de maneira ordeira na Avenida Passos, no Centro do Rio, e tudo parecia correr bem. Os rostos conhecidos, muitos amigos feitos dentro da movimentação nos últimos meses.  A cada momento abraços e beijus dos que chegavam ajudavam acalmar e afastar o medo do que estaria por vir.

Víamos a policia se aproximar e arrancar de nos mais um. Gritávamos, corríamos atrás, mas éramos atendidos com empurrões, xingamentos, cassetetes e com balas de borracha ou na falta delas as de paintball, estas usadas a curta distancia com mira principalmente na face dos manifestantes. Vendo que não seria possível nos deslocar da Av. Passos para a Avenida Presidente Vargas, fizemoso que a parece que a repressão tinha previsto, demos a volta, entramos, passamos pela Praça Tiradentes onde a batalhão de policia nos lembrou que não éramos desejados nas ruas naquele dia. Gratuitamente nos lançaram bombas de gás lacrimogêneo, que foram devolvidas. Como o estado não fornece material decente para seus “servidores” acredito que estes devam ter sentido o gosto que sentimos há meses quando somos alvo de suas bombas, muitas ate fora da validade.

Seguimos em frente, viramos no Campo de Santana (ou Praça da República) e como a luz no fim do túnel, aparecia a Presidente Vargas. O isolamento feito por uns 10 policias com escudo. Parecia mesmo que o Estado desejava que nossa entrada fosse ali na frente do palanque e das mídias. Deram-nos o prazer da vitoria, tão doce que ajudou a nos livrar do sabor do gás que dominava ainda o paladar. Neste momento a alegria tomava conta de muitos, acreditávamos que tínhamos alcançado uma vitória.

Juliene Coelho - Fruto de uma mídia manipuladora - imagem2

Atrapalhar um desfile militar, somos um país que viveu por 21 anos uma ditadura militar, temos mortos e desaparecidos. Desfile que parece uma “piada” ou um afronte, um resquício dos anos que este pais viveu. No palanque, diversos responsáveis por gritos de dor e medo nos porões de tortura passavam em revista as tropas. Os gritos de torturadores, assassinos, fascistas, em meio aos gritos voltados ao governador, ecoavame praticamente abafavam o som da banda dos fuzileiros navais que se apresentava no momento.  Fotos eram tiradas de todos inclusive por militares fardados que sem cerimônia focavam e tiravam fotos dos rostos de cada um.

Como já de costume, a repressão descontroladada policia, mas no momento muito bem pensada, recomeça. Mesmo com as famílias nas arquibancadas, muitas famílias essas de militares, a policia não hesitou em disparar bombas de gás lacrimogêneo nos manifestantes, atingindo com o feito as crianças que ocupavam as arquibancadas com seus pais.

As cenas que se vêm depois são os manifestantes com seus lenços úmidos em vinagre correndo em direção as famílias para ajudar as crianças, esquecendo ate mesmo de se autodefender do gás e sendo agredidos pelos pais que manipulados pela mídia vem os que protestam como vândalos. Não se sabe o que aqueles homens e mulheres pensavam ao verem jovens abdicando de sua segurança para ajudar com um simples lenço a seus filhos.

Não se escutou um obrigado, não se viu um aperto de mão. Viu-se foi a realidade cruel de uma lavagem cerebral, manifestantes sendo culpados pelo gás, xingados e agredidos, mas que mesmo assim tentavam ajudar a quem podiam. Mesmo estando ali presentes e podendo ter visto que os manifestantes estavam apenas gritando palavras de ordem, foram agredidos pela policia a grande maioria da “população” presente que se fazia de cego. Entre hematomas, dor, cansaço e ingratidão, incidi a vontade de lutar por nossos direitos.

O estado do Rio de janeiro se mostrou capaz de por em risco a segurança das famílias de seus servidores para atingir o objetivo de jogar mais uma vez a população contra aqueles que estão nas ruas lutando por melhorias que atingirão a todos. Inclusive lutando para que as crianças que láestavam presentes, futuramente não tenham de estar nas ruas gritando e sendo tratados com truculência pela policia.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Carlos Luiz Leite

Próximo post

Trópico dos pecados: moral, sexualidade e inquisição no Brasil

Sem comentários

Deixe uma resposta