12
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

A entrada de Luis Fernando Camacho, uma liderança política conservadora, na Casa do Governo da Bolívia deixou uma imagem icônica do golpe consumado contra o presidente Evo Morales: junto com outros dois homens, ele é visto ajoelhado diante de uma Bíblia e da bandeira nacional, em sinal de reverência.

Essa reminiscência da conquista espanhola que atingiu o continente e seus povos originais com a cruz e a espada por mais de três séculos, não seria a única. À profanação das bandeiras de origem andina Whipala, tentativas de linchamento de funcionários e jornalistas se somam a uma nova cultura que se instala naquele país.

Desde a sua fundação em 1478, a Inquisição Espanhola mostrou grande interesse em livros considerados hereges. Em alguns casos confiscados, na maioria das vezes os textos foram destruídos, como aconteceu por volta de 1490 com a queima de volumes compilados pela Universidade de Salamanca, na Espanha.

Infelizmente, a queima de livros como prática de censura e perseguição não se limita àquela Espanha retrógrada e perseguidora. Na noite de 10 de maio de 1933, milhares de estudantes membros da juventude de Hitler, professores e homens da SS e da SA queimaram cerca de 25 mil livros em uma fogueira pública em Berlim, estendendo a ação para mais 20 cidades.

Algo muito semelhante aconteceu com várias bibliotecas iraquianas durante a invasão dos Estados Unidos em 2003. Ou na Argentina, 40 anos atrás, quando militares e funcionários públicos se livraram desses títulos ou autores culpados de integrar suas “listas negras”.

Após dias de retórica anti-indigenista e racista dos seguidores de Camacho, agora surge a ameaça de uma possível queima de livros pelos comandantes do golpe boliviano. De fato, intelectuais de todo o continente expressaram preocupação por uma das bibliotecas mais importantes do país, a coleção de mais de 30 mil exemplares que fica na casa do ex-vice-presidente boliviano Álvaro García Linera.

Luis Fernando Camacho se ajoelha perante à bíblia na Casa do Governo da Bolívia após o golpe contra Evo Morales. Foto: Canal Abierto

Questionado pelo Canal Aberto sobre a queima de livros como prática histórica, o sociólogo e ex-diretor da Biblioteca Nacional Horacio González analisou: “Pode ser associado ao fato de que um exército invasor – ou interno – considere atacar, de forma mais profunda, este símbolo da cultura. Não acontece apenas com a destruição de livros, mas também com o estupro de mulheres.”

“Ao atacar a cultura, não me refiro apenas à queima de livros – a propósito, neste caso, não está confirmado -, mas a uma variedade de aspectos que a compõem. Acabei de ler o editorial de Carlos Pagni no Jornal La Nación, onde ele diz que não há expressões como “presidente indígena” e que, quando ele diz presidente, tudo já foi dito, e ele se pergunta, o que teria que fazer para ser indígena? Existe uma regra especial? É baseado na regra, mas obviamente existe outra questão na Bolívia, onde não apenas a regulamentação em termos constitucionais é importante. Há uma questão étnica antiga.”

A esse respeito, o intelectual acrescenta: “Se lemos Pagni, é convincente na medida em que todo o fator étnico baseado em regras constitucionais é omitido. Lá, isso mostraria que não é tanto um golpe, como não é tanto uma fraude. Ele passa pela borda. É impossível escrever história sem uma regra. Você sempre tem que ter um e condenar como a Justiça, com os olhos vendados. Mas então você tem que tomar partido. Isso diferencia um cara como Pagni, que é um argumentador da lógica política formal. ”

Na figura do vice-presidente Álvaro García Linera, Gonzalez analisa: “Ele é um grande orador acadêmico e ao mesmo tempo como político tem um forte rigor para analisar a história, a estrutura social de uma sociedade. Como matemático, os livros de García Linera têm a forte impressão de um intelectual com um raciocínio lógico muito estrito e, ao mesmo tempo, ele aborda todos os assuntos relacionados à história. Ele não é um historicista, mas é um historiador e político de forte influência espinozeana e adota um conceito como o da comunidade, o que é lógico que na Bolívia tem mais influência do que em qualquer outro lugar, o que ele leva com muita inteligência ”.

“Na renúncia dos dois, o mais emocionante foi Evo, com a palavra tomada para o momento de forte tensão. Então, diante das câmeras, García Linera declarou que tinha o profundo orgulho de ser o vice-presidente de um índio. Digo isso para refutar Pagni um pouco, porque é verdade que se você é Montesquieu no jornal La Nación e se baseia apenas em regras, pode-se dizer indiano, socialista ou cocalero e outro que se orgulhava de ser o vice-presidente de um índio. São aulas de geografia para um normativista. No entanto, o que eu vi me excitou muito. Havia uma história viva”, diz o sociólogo.

Ele ainda acrescentando: “É raro ele não aparecer como um possível sucessor porque, na minha opinião, ele teria sido o primeiro presidente verdadeiramente intelectual da América Latina”.

O vice-presidente também deixou o país para o México com o ex-presidente Evo Morales. Nas terras astecas, ele publicou uma foto da bandeira boliviana com um pedaço de terra no topo e uma mensagem: “Pego este pedaço da minha terra boliviana. Vou tê-lo ao lado do meu coração e, mais cedo ou mais tarde, vou colocá-lo de volta em seu lugar”.

*Publicada originalmente no site Canal Abierto sob o título “Un golpe a la cultura”. Tradução e adaptação: Chico de Paula

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

As bibliotecárias que entregavam livros a cavalo no interior dos Estados Unidos

Próximo post

Mistério e suspense inspirados nos clássicos