0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Circula na internet uma petição pública pela liberdade de expressão e em solidariedade ao cartunista Aroeira. Aroeira publicou essa semana uma charge (veja acima) no blog do o jornalista Ricardo Noblat, colunista da revista Veja, em que mostra uma cruz vermelha, que remete aos hospitais, cujas extremidades foram pintadas de preto, formando uma suástica. Bolsonaro aparece ao lado do símbolo nazista, segurando uma lata de tinta preta. Na imagem pode-se ler ainda “crime continuado” e “bora invadir outro?”, referindo-se às invasões às unidades de saúde nos últimos dias, o que foi incentivado pelo presidente da República.

Em seguida o ministro da Justiça e da Segurança Pública, André Mendonça, disse no Twitter, que solicitou à Polícia Federal e à PGR (Procuradoria-Geral da República) abertura de inquérito para investigar publicação reproduzida no Twitter Blog do Noblat, com alusão da suástica nazista ao presidente Jair Bolsonaro. “O pedido de investigação leva em conta a lei que trata dos crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, em especial seu art. 26″, escreveu o ministro em uma sequência de tuítes nesta segunda-feira (15).

A Secretaria de Comunicação da Presidência da República também se manifestou sobre o assunto, acusando Noblat e Aroeira de falsa imputação de crime. “Falsa imputação de crime é crime. O senhor Ricardo Noblat e o chargista estão imputando ao presidente da República o gravíssimo crime de nazismo; a não ser que provem sua acusação, o que é impossível, incorrem em falsa imputação de crime e responderão por esse crime”, diz mensagem publicada na conta da Secom numa rede social.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, Noblat que a Lei de Segurança Nacional não se presta a tolher a liberdade de pensamento. “Não creio que a Lei de Segurança Nacional exista para impedir a livre manifestação de pensamento. Por sinal, ela é uma excrecência que não foi removida mesmo com a redemocratização”, afirmou o jornalista. “Não é a primeira vez que Bolsonaro me processa. Já me processou duas vezes, como candidato e como presidente. Perdeu as duas. Acho que perderá esta, se insistir nisso”, acrescentou.

A ameaça ao cartunista e ao jornalista mobilizou vários segmentos que veem nas palavras do ministro uma tentativa de limitação à liberdade de expressão. “Nós, artistas, escritores,  jornalistas, cientistas e professores, que não podemos viver e trabalhar sem democracia e liberdade, repudiamos frontalmente a declaração do Sr. Ministro da Justiça, André Luiz Mendonça, que ameaçou instaurar inquérito contra o grande artista gráfico Renato Aroeira”, diz a petição que circula na internet.

Segundo o documento, que até o fechamento dessa matéria havia sido assinado por quase 64 mil pessoas, “o ministro viu ameaças à ‘segurança nacional’ (sic) numa charge em que Aroeira ironiza as falas do Presidente da República incitando seus seguidores a invadirem e filmarem hospitais. Ao dizer que um desenho de humor leva perigo à integridade do Estado, o ministro expressa um delírio fanático e alimenta as fantasias totalitárias dos criminosos que promovem ataques crescentes contra a democracia no Brasil.”

Assinada também por Renato Aroeira, agora com a coautoria de Bira Dantas, uma nova charge (veja abaixo) publicada ontem mostra a mesma imagem de Bolsonaro pintando uma suástica nazista, mas desta vez dizendo “Mexeu com a minha hemorroida? Tome broxa!”. A nova charge é um protesto contra a ameaça sofrida em relação à primeira publicação.

Renato Aroeira e Bira Dantas
Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Precarização do mercado de trabalho para os profissionais do livro em tempos de pandemia

Próximo post

Os limites no regime democrático e o perigo da desinformação