0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Todos os dias recebemos uma avalanche de informações sobre saúde, principalmente a saúde do corpo: alimente-se bem!, exercite-se com frequência!, beba água!, entre outras. Todos almejam sentir-se bem e ter bons hábitos faz parte disso. É exatamente esse o assunto que abordaremos aqui, dessa vez sob um enfoque não muito habitual, a respeito de uma prática que, apesar de todos os benefícios, poucas vezes é associada à saúde: a leitura. Se você chegou até aqui: parabéns! Você já está praticando!

A escrita possibilitou o registro do pensamento humano e o acesso às ideias de outrem. Marcou o fim da pré-história e, desde então, alicerça a evolução do homem, permitindo que o conhecimento acumulado seja passado de geração em geração. Os registros, inicialmente gravados nas paredes das cavernas, evoluíram do papiro ao papel, até chegar ao meio digital. Hoje, os meios de acesso à informação são os mais diversos, entre eles: livros, filmes, computadores, internet. Os três últimos, por oferecerem uma interação mais dinâmica e que não exige grandes esforços, representam forte concorrência à prática da leitura.

Um exemplo disso é o fato de muitas pessoas optarem por ver o filme ao invés de ler o livro. Ao tomar essa decisão, têm acesso à imagem projetada na tela, imaginada por outra pessoa e disponibilizada dentro dos limites permitidos pelos recursos utilizados. Por outro lado, aquelas que optam por ler o livro, constroem as imagens de acordo com o seu próprio universo e vivência, de forma única, ilimitada.

Dificilmente a película supera as imagens criadas pela mente. Estudos mostram que o tipo de imaginação gerada quando se lê um livro é muito diferente da imaginação gerada ao assistir um filme. A leitura estimula a imaginação, a criatividade, a compreensão do mundo e a autocompreensão. Por isso, quem lê o livro e depois assiste o filme, geralmente se frustra.

Tem mais: a leitura enriquece o vocabulário, leva a uma melhor escrita, aumenta a capacidade de organizar as ideias e, consequentemente, de expressá-las, estimula a memória, estimula a criatividade, eleva a autoestima. Tantos benefícios exercem impacto direto na saúde e no dia a dia de quem lê, influenciando desde a capacidade de raciocínio e comunicação até a qualidade do sono. A leitura abre portas para novos mundos, dá acesso a outras formas de pensar, permite uma viagem sem sair do lugar.

Aquele que não possui o hábito de ler pode começar por publicações periódicas, tais como jornais e revistas. Textos na internet também são uma boa opção. Para dar início, escolha aquela que se encaixe com o seu perfil, que vá de acordo com os seus gostos e interesses pessoais e, sobretudo, que proporcione algum grau de satisfação. Para a prática da leitura, não há tempo nem idade certos e não há contraindicação. O importante é dar o primeiro passo.

Portanto: alimente-se bem, exercite-se regularmente, beba água…e leia!

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

O problema das bibliotecas públicas

Próximo post

William Okubo: uma entrevista com o diretor de comunicação da ABRINFO

8 Comentários

  1. Thiago
    22 de outubro de 2013 a 17:07 —

    Parabéns pela abordagem, Luciana. A leitura deve ser vista, cada vez mais, à luz dos hábitos saudáveis. Abraços.

  2. 23 de outubro de 2013 a 10:03 —

    Texto sobre o hábito de leitura e a saúde humana, de minha autoria. Vem ver!

    Quando pensamos em saúde, assuntos como atividade física e alimentação vêm à tona, é natural. Mas há outros fatores, não menos determinantes, para a saúde humana…

  3. JOÃO JERÕNIMO
    23 de outubro de 2013 a 10:16 —

    Parabens a autora, não só pelo texto, mas principalmente pelo enfoque. Acredito que qualquer um independente de classe social ou intelectual bem poucos olharam a leitura como um possivel digamos remedio para ser mais exato e claro. Sendo assim vejo varias oportunidades de melhoria de vida na alienação que toma conta do planeta. Embora jovem vejo ai nascer um bela e promissora escritora. como dizem o futuro pertencem ao jovens
    jERONIMO

  4. sonia maria
    23 de outubro de 2013 a 10:57 —

    concordo plenamente…fiquei um bom tempo sem ler,retornei e é a melhor opção que fiz ao voltar a ler.

  5. zenilia
    23 de outubro de 2013 a 12:28 —

    Sou uma mãe babando de tanto orgulho. Depois que li esse artigo maravilhosoooooo, irei rever minha preferência de assistir um filme a ler um livro. Te amo minha filha.

  6. Ingrid
    24 de outubro de 2013 a 9:27 —

    Excelente Lu! Parabéns

  7. 25 de outubro de 2013 a 4:30 —

    Concordo com você. Sem dúvida o visionamento de um filme não exclui a necessidade da leitura do livro de cuja história foi fonte de inspiração. Abraços inspirados.

  8. simone
    6 de novembro de 2013 a 10:12 —

    Sou apaixonada por livros sou assumidamente uma bibliofilia muito feliz, e é sempre bom ver que tem pessoas que pensam assim.
    Parabéns pela materia

Deixe uma resposta