5
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

O ministro da Educação da Argentina, Nicolás Trotta, que lança hoje (30) o Plano Nacional de Leitura, disse que “70% das crianças em setores vulneráveis nunca leram uma história”. A iniciativa, que será apresentada no Museu Bicentenário, que fica na capital Buenos Aires, visa implementar o Plano com a formação de um conselho consultivo para selecionar as 180 histórias que, a partir do governo federal, serão distribuídas para diferentes regiões do país.

Para especialistas, a reativação do Plano Nacional de Leitura significa um novo sopro de esperança para a indústria editorial argentina, que espera que a compra de livros de ficção para bibliotecas escolares seja reiniciada. O Plano havia sido descontinuado pelo governo liberal de Mauricio Macri em 2016, mas com a sua sucessão por Alberto Fernández, de perfil mais progressista, as atividades estão sendo retomadas.

“A ideia é que esses espaços de leitura façam parte do currículo, não apenas do idioma, mas também como um espaço transversal, para o qual haverá forte treinamento para os professores”, disse o ministro acrescentando: “Sabemos que a leitura é um pilar fundamental e queremos retomar esta tarefa para a qual colocamos Natalia López Portas à frente “. López Portas, que desde 1999 era diretora geral da Fundacão Mempo Giardinelli, já havia sido anunciada no mês passado como a nova coordenadora do Plano.

O ministro também afirmou que López Portas e Mempo Giardinelli fizeram um ótimo trabalho com o Congresso Internacional de Leitura no Chaco, uma das vinte e três províncias (equivalente aos estados do Brasil) argentinas. “Introduzindo a prática da leitura em crianças e adolescentes dos três níveis de educação que queremos melhorar também sua capacidade de entender textos “, disse.

“Queremos alcançar as famílias, para que as leituras se tornem parte das experiências diárias nos lares”, disse o ministro, para o qual “pretendemos atingir dez milhões de crianças, professores e bibliotecários”. Para o ministro, as possibilidades desiguais de acesso à cultura escrita falam sobre uma dimensão da pobreza: “70% das crianças em situações de vulnerabilidade econômica nunca ouviram uma história. Elas não tiveram a possibilidade de alguém as ler.”

Com relação à divulgação do Plano, “implementaremos o que o Presidente Alberto Fernández disse, ou seja, usar as diretrizes de publicidade na divulgação desses tipos de programas, uma vez que a comunicação é muito importante para o sucesso do Plano”. “Esta é uma maneira de fazer o menino e a menina se apropriarem do aprendizado. Queremos alcançar dez milhões de crianças por meio dessa iniciativa que propõe recuperar os espaços de leitura na escola”, falou Trotta.

Um Conselho Consultivo de Leitura dialogará com especialistas e contribuirá para a definição das coleções a serem distribuídas, enquanto reitores, referências literárias, representantes da comunidade educacional e das 24 jurisdições formarão uma tabela plural que será responsável pela construção de acordos representativos nas coleções. Também haverá uma Rede Federal de Mediadores e Comunidades de Leitura nas escolas, bibliotecas e outros espaços, que compartilhará cursos de treinamento, reuniões com autores e especialistas e novas coleções de livros que o Estado voltará a distribuir.

O Ministério enfatizou que todas as propostas de treinamento e apoio a projetos terão como responsáveis ​​especialistas, escritores, pesquisadores que trarão novas formas de contato com as leituras. Também será implementada uma Pesquisa Nacional de Leitura, uma vez que os dados mais recentes sobre o tema são de 2015.

Outras ações a serem realizadas serão a articulação de políticas e programas com os Ministérios da Cultura, Saúde e Desenvolvimento Social, incluindo o Ministério do Trabalho e o Ministério da Economia, e o concurso “eu sonho, escrevo”, que será implementado para que alunos de todos os níveis apresentem histórias e poemas que serão publicados em uma seleção.

*Com informações do jornal Tiempo da Argentina

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Uma carta para 2020

Próximo post

Por que não conseguimos dar boas notícias sobre livro, leitura e bibliotecas em 2019?