0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Protetores, guardiães, seres de luz, entidades amigas, guias… Os nomes podem variar de acordo com a crença ou convicção filosófica, mas a ideia de que existem espíritos que guardam e protegem a humanidade é milenar. Em “Os Anjos: Guardiães da Esperança” (original Guardians of Hope: The angel’s guide to personal growth, tradução de Júlio Fischer, editora Pensamento, págs. 208), a autora esotérica Terry Lynn Taylor aborda a temática angélica por meio de uma ótica mais transcendental e menos religiosa.

Foto: Mara Torres / Agência Biblioo

O livro é dividido em partes temáticas que comentam desde a origem dos anjos até o ensino de práticas para estar mais perto de nossos amigos espirituais. Em uma linguagem acessível, nada enfadonha e tampouco catequista, Lynn Taylor usa exemplos para aproximar o leitor de sua fala, abordando a existência angélica de forma familiar, quase palpável. A autora dedica um capítulo inteiro para falar sobre os anjos como guardiães dos doze passos, práticas que retomam àquelas apresentas em grupos de apoio (o AA é um exemplo).

Apesar da leitura estar conectada a um rastro mínimo de crença – se você for cético ou niilista, esse livro não deve estar entre suas leituras urgentes -, “Os Anjos: Guardiães da Esperança” segue fluido, cumprindo sua proposta de fazer autoajuda sem apelações insistentes ou dedos em riste para ditar regras. Se você não se importar em ler passagens que vão exigir um pouco de desprendimento terreno, vá em frente. Ótima leitura para descanso mental e busca de novas perspectivas espirituais.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

As controvérsias em torno das aulas a distância em tempos pandêmicos

Próximo post

Precisamos enviadescer a biblioteconomia

2 Comentários

  1. […] Os Anjos: Guardiães da Esperança […]

  2. […] está no ar a minha resenha para o leve “Os Anjos: Guardiães da Esperança” e o conto “A despedida da mulher serpente“, escrito por minha irmã e por mim. […]