0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por Museu da Maré.

O Museu da Maré, inaugurado em 8 de maio de 2006, está sob ameaça de despejo. O imóvel onde está instalado foi cedido por 10 anos em comodato para o CEASM (Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré), ONG gestora do Museu. O período de validade do documento expirou no final do ano passado e, em junho de 2014, um dos diretores do Grupo Libra de Comércio Marítimo – empresa dona do imóvel – entrou em contato para informar que não havia mais interesse por parte de seus acionistas em renovar o comodato. Em 10 de setembro, o Museu recebeu a notificação da empresa dando 90 dias para desocupação do imóvel.

Diante de tal situação, várias pessoas amigas do Museu iniciaram um movimento de apoio chamado  “Museu da Maré Resiste!”. Da mesma forma, gestores públicos das três esferas do governo estão prestando solidariedade ao Museu, tendo promovido uma reunião no local com divulgação na imprensa. Estiveram presentes a esta reunião o Sr. Angelo Oswaldo, presidente do IBRAM; a Sra. Vera Mangas, representante do IBRAM no estado do Rio de Janeiro; a Sra. Lucienne Figueiredo, coordenadora do Sistema Estadual de Museus, que também representou a Superintendente de Museus, Sra. Mariana Várzea; as Sras. Joana Nunes e Rosana Oliveira, representantes do Instituto Pereira Passos.

O presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, Sr. Washington Fajardo, e toda sua equipe, juntamente com a equipe do Instituto Pereira Passos, empenharam-se diretamente no processo de tombamento do acervo do Museu, que ocorreu no último dia 18. Em reunião, o Conselho Municipal do Patrimônio aprovou o tombamento do acervo e encaminhou a decisão para o prefeito Eduardo Paes, que precisa confirmá-la e encaminhar o decreto para publicação no Diário Oficial. A aprovação do tombamento do acervo do Museu pelo Conselho não resolve a situação do comodato do imóvel, mas permite pensar em outras estratégias agora que o valor patrimonial do acervo para a cidade do Rio de Janeiro foi reconhecido.

O movimento “Museu da Maré Resiste!” está com 4 petições públicas online, sendo assinadas por várias pessoas (seguem abaixo os links), e organizou atividades culturais marcadas para a semana da 8ª Primavera dos Museus, de 22 a 27 de setembro. Durante o evento, chamado de

“Primavera  da  Resistência”, foram realizadas: VISIT(AÇÃO), visitas guiadas à exposição de longa duração por escolas públicas, grupos da Maré e de outras partes da cidade; TECENDO A RESISTÊNCIA, colcha de memórias confeccionada pelos participantes das atividades ao longo da semana; RODA DE LEITURA, com atividades  lúdicas para crianças e jovens;

TWITTAÇO DA RESISTÊNCIA, o primeiro em defesa do Museu; DOCE DA RESISTÊNCIA,  distribuição  de  doces  no  dia  27;  e  APRESENTAÇÕES  das  Oficinas Culturais (Zumba), do Grupo Gestos do Museu da Maré (grupo de jovens artistas), fazendo sua apresentação de estreia, e da Capoeira do Grupo Martins.

Ao todo, passaram pelo Museu mais de 500 pessoas que, além de participarem das atividades propostas, também assinaram o abaixo-assinado pela desapropriação do imóvel. O documento será encaminhado para as autoridades governamentais competentes.

Entre 7 e 10 de outubro, Luiz Antonio de Oliveira, um dos fundadores do Museu da Maré, a convite da Secretaria de Cultura do Estado de Morelos, proferirá a conferência de abertura do “9º Encuentro –  Programa Nacional de Interpretación em Museos –  Museo y  Comunidad: Trabajo colaborativo y Estrategias de Mediación”, na Cidade de  Cuernavaca,  Estado de Morelos, no México. Além da conferência, Luiz realizará oficina  sobre trabalhos para o desenvolvimento cultural de uma comunidade a partir da memória individual e coletiva.

Entre 9 e 10 de outubro, Antônio Carlos Pinto Vieira, um dos fundadores do Museu da Maré, a convite do British Council, proferirá a conferência de abertura do Museums Association, no Wales Millennium Centre, no País de Gales. Este é o principal evento da Museums Association, reunindo em suas conferências anuais cerca de 600 profissionais de museus. Durante o evento, Antônio Carlos também relatará a experiência do Museu da Maré e a situação atual pela qual está passando.

O próximo evento em defesa do Museu da Maré é a “Caminhada da Resistência”, sendo realizada uma passeata pela Avenida Brasil (Passarela 7 à Passarela 10) em 18 de outubro, sábado, a partir das 16:00, com concentração às 15:00 no Museu. A caminhada será precedida por   um   TWITTAÇO   DA   RESISTÊNCIA   a   cada   semana   (utilizando   a   hashtag #SOSMUSEUDAMARE), marcado para os dias  01 (quarta), 09 (quinta) e 17 (sexta) sempre entre 19:00 e 20:00. Participe e compartilhe também esta causa!

PETIÇÕES:

Petição Pública:  https://zip.net/bcpLgR

Avaaz:  https://zip.net/bqpDms

Panela de Pressão:  https://zip.net/bkpLnM

Compartilhaço:  https://zip.net/bmpLc2

Ato de defesa do Museu da Maré

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Quando a ciência era pecado

Próximo post

Colunista da Biblioo publica contos

Sem comentários

Deixe uma resposta