0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

O mercado digital dos livros ganhará um capítulo especial nos debates da 17ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) deste ano. A Casa Libre e Santa Rita da Cassia programou a “Tarde digital” para o dia 12 de julho, sexta-feira, quando reunirá autores, editores e leitores para falar das oportunidades que os produtos digitais oferecem. O encontro será de portas abertas aos interessados no tema.

Árvore de Livros, Bibliomundi, Bookwire e Storytel são as parceiras da “Tarde digital”, que terá Cassia Carrenho (LabPub) e Raquel Menezes (Liga Brasileira de Editoras) como anfitriãs.

Das 13h30 às 14h30, a conversa vai girar em torno dos “Formatos que ultrapassam fronteiras: como usar o conteúdo digital para transformar pessoas em leitores”. A mesa reunirá Andréia Martinz (Bibliomundi), Isadora Cal (Bookwire) e o autor Felipe Sali, com mediação do jornalista Cassius Medauar.

Na sequência, “Inovando para ensinar: tecnologia na educação” será o tema do debate entre Gabriel Lima (Árvore de Livros) e Letícia Reina (Guten News), Jayse Ferreira (Escola de Referência em Ensino Médio Frei Orlando, de Itambé, PE). A mediação ficará a cargo de Camila Cabete (Kobo).

Às 15h30, a pauta ficará com a “Tecnologia da leitura: o livro e o leitor neste cyber espaço”, reunindo na mesma mesa Mansur Bassit, Padimini, Volnei Canonica e Veronica Lessa, na mediação.  Para fechar a “Tarde digital”, às 16h30, o debate será sobre “Tendências no Brasil e no mundo: audiolivros, podcast e canais de conteúdo”. André Bacil (Bibliomundi), Marcelo Gioia (Bookwire), André Palme (Storytel) e Camila Cabete conversarão, ao lado de Taty Leite, do canal Vá Ler Um Livro.

Educação

Antes, no dia 10, a Casa abrirá os trabalhos com uma programação voltada exclusivamente para os professores, durante todo o dia, sublinhando a importância da formação de leitores e da inclusão pelo livro. Serão abordados temas como “Literatura e muitas diversidades”, “Metodologia no plural: acolhendo e potencializando outros repertórios”, “Como nascem as histórias” e “Bibliotecas transformadoras”.

No dia 11, a agenda será sobre “Quando o racismo de ontem sobrevive nas edições infantis de hoje: como lidar?”, “Autopublicação premium: a experiência dos autores”, “Sucesso é uma questão de marketing?”, “Como equilibrar o ecossistema do livro”, “Paisagens urbanas: interseções entre o conto e a crônica” e “O corpo da palavra em Raduan Nassar”. Um coquetel da Árvore de Livros fechará a noite.

Já no fim de semana a Casa terá programação variada. O sábado começa com a apresentação do Prêmio Kindle de Literatura e autores participantes, segue com as mesas “Narrativas de ficção e não ficção: similaridades e especificidades na construção de histórias”, “O trabalho além da escrita: leitura crítica, edição, revisão e outros importantes processos na construção do livro” e “A carreira do autor independente: dicas e lições para se autopublicar com sucesso”; o momento “Vendendo sua ideia – Pitching de autores independentes para banca de especialistas”; e o debate “Mulheres de verdade têm corpos: o desconforto da experiência feminina em o corpo dela e outras  farras”. No domingo, às 10h, a performance “Cadê as bruxas?” reunirá escritoras contra a censura na literatura infantil.

A Libre também é parceira da programação da Biblioteca MAR, do Colégio Estadual Engenheiro Mario Moura Brasil do Amaral (Cembra). A programação reunirá autores locais e convidados. No dia 11, às 11h, o Cembra, receberá a escritora Conceição Evaristo para um bate-papo especial.

A Casa Libre e Santa Rita da Cassia funcionará na Rua da Lapa, 200, no Centro Histórico de Paraty, das 10h às 22h, sempre de portas abertas. Já o Cembra fica na Rua Marechal Deodoro 479, com espaço para ouvir poesia, mesas de debates e uma feira de livros com descontos, promovida pela Libre e mais de 20 editoras independentes.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Bibliotecária lança livraria voltada a diversidade negra feminina

Próximo post

Paraty e Ilha Grande, no Rio, agora são patrimônios mundiais da humanidade