0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Observado por um Maracanã absolutamente lotado, o goleiro Barbosa permanece por alguns segundos com os joelhos cravados no gramado enquanto Gigghia comemora aquele que seria o gol mais importante da história da seleção celeste. Um silêncio se estabelece nas arquibancadas parecendo prever a frustração que viria daqui a alguns minutos quando o juiz da partida, o inglês George Reader, apitaria o final do jogo decretando o fim do sonho brasileiro de ser campeão do mundo de futebol.

O ano era 1950 e a cena ficaria imortalizada em imagens que hoje estão amplamente disponíveis na internet. Incorporado à cultura nacional ao longo de mais de cem anos, os primórdios do futebol podem ser conhecidos hoje pelas gerações atuais graças aos esforços de quem se dedica a preservar e disponibilizar este tipo de material. É o caso, por exemplo, do Museu do Futebol do Pacaembu em São Paulo.

Leia o texto completo na edição 33 da Revista Biblioo. Adquira em nossa loja virtual.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Edson Nery da Fonseca: uma vida de desafios intelectuais que se encerra

Próximo post

Plano Nacional da Educação

1 Comentário

  1. Ricardo
    10 de julho de 2014 a 17:27 —

    Gostaria que a Biblioo, com o seu excelente jornalismo, nos falasse o que é a CBF, pois não sabemos nada desta instituição. Agora mesmo com o péssimo resultado da seleção, que não é de hoje. A CBF não deu nenhuma palavra ou esclarecimento do que ou quem levou a maior seleção de futebol do mundo, da história a sua perda de raízes.

Deixe uma resposta