0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

CAMPO GRANDE, MS – O Mato Grosso do Sul é o primeiro estado brasileiro a implantar seu Plano Estadual do Livro e Leitura (PELL), cuja realização se deu em regime de mútua cooperação entre a Secretaria do Estado de Educação e a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul. O Plano foi apresentado no dia 22 de setembro de 2011 no segundo Encontro Estadual do Livro e da Leitura (MS em Letras) realizado na cidade de Bonito, interior do estado. Para a sua consolidação, foram convidados os segmentos empresariais, educadores, universidades e organizações da sociedade civil, configurando, dessa forma, uma construção participativa.

O governo do estado, por meio do PELL, procura assegurar a democratização do acesso ao livro, a valorização da leitura e o fortalecimento das cadeias produtiva, criativa e mediadora da leitura como fatores relevantes para o desenvolvimento da produção intelectual. Objetivam-se, ainda, o acesso aos bens culturais e a conscientização da cidadania, levando em consideração a necessidade de incentivar e orientar os gestores para a implantação de Planos Municipais do Livro e Leitura em todo Mato Grosso do Sul.

De acordo com Juciene da Rocha Arruda, bibliotecária da Biblioteca Pública de Campo Grande “o segundo MS Letras em Bonito foi com certeza um encontro que marcou o lançamento do Plano Estadual do Livro e Leitura de Mato Grosso do Sul, sendo o primeiro estado a desenvolver o plano, além de estimular os municípios na criação de seus planos”. Sendo assim “espera-se que no terceiro MS Letras alguns municípios já possam estar apresentando notícias dos avanços das metas atingidas pelos quatros eixos do Plano Estadual, só assim estaremos de fato democratizando o acesso ao livro e a leitura”, ressalta a bibliotecária com entusiasmo.

Organização em eixos temáticos

A secretária estadual de educação, Maria Nilene Badeca da Costa, destacou que o PELL/MS é composto de quatro eixos, com várias metas e orientações a serem seguidas para atingi-las até o ano de 2020. Esses eixos, por sua vez, são subdivididas em estratégias, tais como: democratização do acesso, que faz parte do eixo um, onde será contemplada a implantação de novas bibliotecas; o fortalecimento das já existentes; a conquista de novos espaços de leitura; a distribuição de livros gratuitos e de baixo custo, além da viabilização de outras formas de expressão da leitura e a incorporação e uso de tecnologias de informação e comunicação. Esses eixos, por sua se dividem em metas, como: fomento a implantação e implementação de bibliotecas públicas e bibliotecas escolares em todos os municípios (meta um); estimulo à criação de espaços de leitura que contemplem as diversidades de expressões (meta dois); investimento na publicação, promoção e distribuição de livros (meta três) e aprimoramento do uso de tecnologias de informação e comunicação (meta quatro).

O eixo dois, por sua vez, destinado ao fomento à leitura e à formação de mediadores, se volta aos projetos de capacitação de educadores, bibliotecários e outros na formação de leitura; aos projetos sociais; aos estudos e incentivo à pesquisa nas áreas do livro e da leitura; aos sistemas de informação nas áreas de bibliotecas, da bibliografia e do mercado editorial; à criação de concursos que venham premiar experiências inovadoras no estímulo à leitura e suas práticas variadas. No eixo dois, a meta um se destina a incrementar a formação de mediadores de leitura.

A valorização da leitura e da comunicação, correspondente ao eixo três, terá respaldo em ações para criar consciência sobre esse bem social; iniciativas para converter o incentivo às práticas sociais da leitura e da comunicação em políticas de estado e publicações impressas com outras mídias dedicadas ao fortalecimento do livro e da leitura. As metas desse eixo são: 1) Instigar a reflexão das comunidades sobre o valor social do livro e da leitura e 2) Fomentar as práticas sociais da leitura como política de estado.

No eixo quatro se encontra o apoio à criação e ao consumo de bens de leitura, cujo objetivo se destina a fomentar a distribuição, circulação e consumo de economia do livro; apoio à cadeia criativa do livro e participação da produção estadual literária, científica e cultural com edição em feiras nacionais e internacionais. Assim, os eixos temáticos, além de sistematizar programas e ações, a partir de áreas estratégicas de atuação, ainda que transversalmente, propiciarão um viver democrático em uma sociedade plural, portanto, com respeito aos diferentes grupos e culturas que a constituem. Isso exige adequação de políticas públicas específicas, impedindo o isolamento dos atores e a sobreposição das iniciativas para elevar o compromisso com a Educação e a Cultura no país. As metas aqui são: 1) Ampliar a cadeia produtiva do livro no Estado; 2) Apoiar a cadeia criativa do livro como instrumento de democratização da leitura e 3) Divulgar a produção literária, científica e cultural do Mato Grosso do Sul no país e no exterior.

O objetivo, com periodicidade trienal, é acompanhar o desenvolvimento e verificar se os objetivos, inicialmente estabelecidos, foram alcançados como meta de leitura, fundamentada em ações culturais. “Nós vamos orientar os diretores sobre como trabalhar, vamos demonstrar a importância da motivação das crianças, e de trabalhar a leitura desde a educação infantil”, destaca a secretária. Segundo ela “embora muitas escolas já desenvolvam programas voltados para o tema, o PELL chega com metas e orientações mais concretas para o desenvolvimento das atividades em prol do livro e da leitura”.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Valorização da biblioteca escolar

Próximo post

Dossiê biblioteca escolar

1 Comentário

  1. […] vez que em setembro tivemos a aderência do Mato Grosso ao Plano Nacional do Livro e da Leitura  (Mato Grosso do Sul adere ao PNLL, nov/2011), o que possibilitou novos argumentos e olhares não só sobre a situação do Mato […]

Deixe uma resposta