1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Seções temáticas, decoradas em consonância com os assuntos dos livros dispostos em cada estante. Ar condicionado central e acervo atualizado, permeado por poltronas confortáveis. Tudo isso, sob um cheiro de café passado, vindo de uma cafeteria instalada em um dos cantos.

A descrição acima poderia ser de uma bookstore. Mas poderia ser também de uma biblioteca. A ampliação do acervo e melhorias na infraestrutura, tornando o espaço cultural mais atraente aos potenciais visitantes – especialmente para os jovens e crianças, públicos estratégicos das políticas de formação de leitores – são elementos decisivos para o reposicionamento das bibliotecas. Contudo, tais sugestões custam caro, especialmente se levarmos em conta o exíguo orçamento das bibliotecas públicas – mormente mantidas pelos municípios.

Não é de hoje que os espaços culturais estão sujeito às intempéries políticas – sobretudo no tocante a cortes no orçamento, prática tão exaltada pela corrente neoliberal – e à flutuação dos níveis de arrecadação de tributos pela administração pública. Por outro lado, a manutenção do acesso à biblioteca de forma gratuita e livre a todos os públicos, mesmo com a eventual sofisticação da sua estrutura e a ampliação do acervo, é imperativa.

A gratuidade do serviço aos usuários está diretamente relacionada à democratização do acesso à cultura, por meio da atração de visitantes de diferentes classes sociais, incluindo grupos familiares. Como, então, uma biblioteca de acesso gratuito poderia obter recursos para viabilizar iniciativas as quais potencializassem o incentivo à leitura ao passo que as tornassem menos dependentes de dinheiro público e de benemerências?

Neste contexto, trabalhamos o conceito de biblioteca enquanto mídia não convencional, apta a veicular anúncio publicitário como forma de ampliar o espectro de fontes de recursos, tornando-a, portanto, capaz de contribuir de forma relativamente independente com os esforços sócio-políticos pela ampliação do acesso aos livros e à cultura em geral. E, o mais importante, sem onerar o usuário.

Leia o texto completo na edição 50 da Revista Biblioo. Clique aqui e adquira em nossa loja virtual.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Luto por Mariana!

Próximo post

A luta pelas bibliotecas públicas

Sem comentários

Deixe uma resposta