13
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Alguns se lembrarão do livro mortal de Aristóteles que desempenha um papel vital na trama do romance de Umberto Eco “O nome da rosa” que, envenenado por um monge beneditino louco de um mosteiro italiano do século XIV, mata todos os leitores que lambem os dedos ao virar as páginas. Poderia algo assim acontecer na realidade? Envenenamento por livros?

Foi recentemente descoberto que três livros da seção “rara” dos séculos XVI e XVII, sobre vários assuntos históricos da coleção da biblioteca da Universidade do Sul da Dinamarca, continham grandes concentrações de arsênico [cujo um dos compostos é venenoso] em suas capas.

As qualidades venenosas desses livros foram detectadas pela realização de uma série de análises de fluorescência de raios X (micro-XRF). Esta tecnologia mostra o espectro químico de um material analisando a radiação “secundária” característica emitida pelo material durante uma análise de raios X de alta energia e utilizada no campo da arqueologia e arte, por exemplo, nos elementos químicos das cerâmicas e pinturas investigadas.

Imagem de um dos livros envenenados. Foto: The Conversation

A razão pela qual estes três livros raros foram levados para o raio-X laboratório foi porque a biblioteca tinha descoberto anteriormente que alguns fragmentos de manuscritos medievais, tais como cópias de direito romano e direito canônico, foram usados ​​para fazer capas de outros livros. Está bem documentado que os encadernadores europeus dos séculos XVI e XVII reciclaram pergaminhos antigos.

Foi feita uma tentativa de identificar os textos latinos usados, ou pelo menos ler alguns de seus conteúdos. Mas descobriu-se que os textos latinos nas primeiras páginas dos três volumes eram difíceis de ler devido a uma extensa camada de tinta verde, que obscureceu as velhas cartas manuscritas. Então eles levaram ao laboratório.

A ideia era infiltrar-se através da camada de tinta usando micro-XRF e focar os elementos químicos da tinta abaixo, por exemplo, ferro e cálcio, esperando fazer das letras mais legível para pesquisadores da Universidade. Mas a análise de XRF revelou que a camada de pigmento verde era arsênico. Este elemento químico é uma das substâncias mais tóxicas do mundo e a exposição pode causar vários sintomas de envenenamento, o desenvolvimento de câncer e até a morte.

Acidentes causados ​​pelo uso de arsênico verde, 1859. © Wellcome Collection, CC BY-SA

O arsênico (As) é um metalóide onipresente e natural. Na natureza, o arsênico é geralmente combinado com outros elementos, como carbono e hidrogênio. Isso é conhecido como arsênico orgânico. O arsênico inorgânico, que pode aparecer tanto em forma metálica pura como em compostos é a variante mais prejudicial. A toxicidade do arsênio não diminui com o tempo. Dependendo do tipo e duração da exposição, pode produzir vários sintomas de envenenamento que incluem a irritação do estômago e intestino, náuseas, diarreia, alterações da pele e irritação dos pulmões.

Acredita-se que o pigmento contendo arsênio verde encontrada no livro cobre é “Paris Verde”, triarsenita acetato de cobre (II) ou acetoarsenita de cobre (II), Cu (C₂H₃O₂) ₂-3Cu (AsO₂) ₂. Isto também é conhecido como “verde esmeralda”, devido aos seus notáveis ​​tons verdes, semelhantes aos da preciosa pedra popular.

O pigmento de arsênio – um pó cristalino – é fácil de fabricar e tem sido comumente usado para várias finalidades, especialmente no século XIX. O tamanho dos grãos de poeira influencia a tonalidade das cores, como observado nas tintas a óleo e verniz. Os grãos maiores produzem um verde mais escuro e os menores, um verde mais claro. O pigmento é especialmente conhecido por sua intensidade de cor e sua resistência à descoloração.

A produção industrial da cor verde em Paris começou na Europa no início do século XIX. Pintores impressionistas e pós-impressionistas usaram diferentes versões do pigmento para criar suas obras-primas vívidas. Isso significa que muitas peças de museu contêm veneno hoje. Em seu auge, todos os tipos de materiais, incluindo capas de livros e roupas, podiam ser cobertos de verde parisiense por razões estéticas. É claro que o contato contínuo da pele com a substância causaria sintomas em função da exposição.

Durante a segunda metade do século XIX, os efeitos tóxicos da substância eram conhecidos, e essa variante do arsênico não era mais usada como pigmento e era usada com mais frequência como pesticida em terras agrícolas. Outros pigmentos substituíram o “Paris Verde” em tintas e na indústria têxtil. Em meados do século XX, seu uso foi eliminado nas terras agrícolas.

A valsa do arsênico. © Coleção Wellcome, CC BY-SA

No caso dos livros, o pigmento não foi utilizado para fins estéticos, formando um nível inferior da capa. Uma explicação plausível para a aplicação, possivelmente, de “Paris Verde” no século XIX nos livros antigos poderia ser para protegê-los de insetos e vermes.

Sob certas circunstâncias, os compostos de arsénio, tais como arseniatos e arsenitos, podem ser transformado por microorganismos arsina (AsH₃) – um gás altamente venenoso com um cheiro característico de alho. É um fato que papéis de paredes verdes feitas com essas substâncias em tempos vitorianos levou à morte de muitas crianças que usaram para decorar seus quartos

Atualmente, por questões de segurança, a biblioteca armazena os três volumes venenosos em caixas de papelão separadas com etiquetas de segurança em um gabinete ventilado. Sua digitalização também foi proposta para minimizar a manipulação física. Ninguém esperaria que um livro contivesse uma substância venenosa. Mas isso pode acontecer.

*Publicado originalmente sob o título “Hallados tres libros envenenados en una biblioteca universitaria de Dinamarca” no site Universo Abierto. Tradução: Chico de Paula.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Associação Americana de Bibliotecas remove o nome de Dewey de seu prêmio

Próximo post

Museu Nacional realiza campanha para reconstruir sua biblioteca