0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por  Nani Rubin de O Globo

Primeira instituição pública do gênero no país, a Biblioteca do Estado da Bahia, criada em 1811, sofreu todo tipo de revés: instalada num andar sobre a sacristia de uma igreja (a atual catedral Basílica São Salvador), ela contava, para a compra de livros, com uma subscrição anual de dez mil réis paga por notáveis. Com a míngua das contribuições, D. João VI autorizou a extração de uma loteria, por três anos, que garantisse a continuidade das atividades e ainda determinou que fossem enviados para lá todos os volumes em duplicata da Biblioteca Real, no Rio (à época, ainda de sua propriedade). O desabamento do telhado levou à transferência dos livros para um imóvel alugado; depois, para a Casa do Senado, e, mais tarde, para o prédio do Supremo Tribunal de Justiça. Deste, foi para o térreo do Palácio do Governo, num local, conta-se, exíguo. Uma crise política acabou atingindo literalmente o prédio. Bombardeado, teve parte do acervo de livros raros destruído; outra parte foi furtada.

Vista do interior da Biblioteca Nacional em seu antigo endereço, na Rua do Passeio, na Lapa / Foto: Divulgação
Vista do interior da Biblioteca Nacional em seu antigo endereço, na Rua do Passeio, na Lapa / Foto: Divulgação

A saga não para aí, mas só esse trecho já é suficiente para exemplificar um traço que parece permear o percurso das bibliotecas públicas do país: quase todas, criadas no século XIX, têm uma “história dramática”. O fator comum foi identificado por George Ermakoff, que pesquisou a história de 11 instituições públicas para escrever “Bibliotecas brasileiras”, volume de 300 páginas que acaba de ser publicado pela editora que leva o seu nome.

— Era drama atrás de drama — diz ele. — A Biblioteca Pública do Paraná, por exemplo, teve mais de dez domicílios. A cada mudança, perdia-se acervo, ou por roubo, ou pelo transporte malfeito. Pior: em cada administração, o governo autorizava pessoas a pegarem livros raros, que não eram devolvidos.

OBRA É UMA DEFESA DO PATRIMÔNIO NACIONAL

Os percursos das bibliotecas de Salvador e de Curitiba estão contados no livro, que também sofreu uma espécie de revés em sua realização.

— A ideia era fazer um livro de arte, mas tornou-se tão necessário falar de várias coisas, que o texto acabou ficando com 300 mil caracteres — conta Ermakoff.

O objetivo inicial, no entanto, não foi de todo ignorado. “Bibliotecas brasileiras” oferece ao leitor uma extensa pesquisa, mas é também um livro de arte, com fotos de profissionais como Cristiano Mascaro, Jaime Acioli e Fernando Bueno, e ainda registro de época que ajuda a ilustrar a história de cada instituição. No capítulo sobre a Biblioteca Nacional, por exemplo, há imagens da fachada e do interior do prédio na Rua do Passeio, na Lapa, em 1890, e da mudança dos livros (foram 1.132 viagens de caminhões de mudança) para a nova sede na Cinelândia, em 1910. Numa panorâmica de autoria de A. Ribeiro pode-se ver o prédio imponente ainda com o Morro do Castelo e seu casario colado atrás. Várias fotos, de autor desconhecido, mostram a construção do prédio; e outra, de Marc Ferrez, operários dando os últimos retoques no calçamento da rua.

A Biblioteca Nacional, fundada por D. João VI, foi selecionada para o livro por ser a maior do país e por sua história, que remonta ao terremoto de Lisboa. Ermakoff esclarece que “não existe uma lógica na escolha”.

— Cada uma delas comparece por uma razão específica — diz.

Do Rio, há ainda a Biblioteca de Obras Raras e Antigas do Mosteiro de São Bento, eleita, entre as quatro bibliotecas da casa, por um interesse particular no seu acervo, desde 1590 ocupando o mesmo local; a Acadêmica Lúcio de Mendonça (da ABL, de 1905), por ter recebido os acervos de Machado de Assis e Olavo Bilac, entre outros; o Real Gabinete Português de Leitura (1837), considerada a mais bonita de todas (e dificilmente haverá controvérsia nesse quesito); e ainda a moderna Biblioteca Parque Estadual (originada da Biblioteca Municipal criada no local em 1873). De São Paulo, estão lá a Mário de Andrade (1925), segunda em tamanho no país, com quatro milhões de livros armazenados numa torre de 22 andares, e a Brasiliana Guita e José Mindlin (2013), incluída pelo fato de estar repleta d e preciosidades, amealhadas por um colecionador particular e doada à Universidade de São Paulo. Por fim, além da maltratada, em outros tempos, Biblioteca Pública da Bahia, ele inclui no livro as bibliotecas públicas do Paraná (1859), cuja visitação diária é a maior do país; a do Amazonas (1870), representante da riqueza do ciclo da borracha, quando tudo era importado, inclusive a bela escadaria de ferro que leva ao segundo andar do prédio; e a do Rio Grande do Sul (1871), com colunas neoclássicas e ricos detalhes decorativos.

— O livro é fruto de um desejo de que as pessoas se conscientizem do patrimônio que temos no Brasil — diz Ermakoff, que reuniu, nos dois capítulos iniciais da cuidadosa edição bilíngue, um retrospecto resumido da história das bibliotecas no mundo e do Brasil.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Sistema de bibliotecas sofre desfalque de quase sete milhões de dólares em Nova Iorque

Próximo post

Vinte cinco anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *