1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Como não poderia deixar de ser, a crise provocada pelo Coronavírus chegou ao mercado editorial. Uma das consequências foi a suspensão por tempo indeterminado ou o alongamento de prazos, decretada por alguns livreiros e distribuidores, para o pagamento dos seus fornecedores, especialmente aos editores.

A medida provocou um conflito entre os dois segmentos. Por isso o movimento “Juntos Pelo Livro”, que reúne mais de cem editoras, publicou na última segunda-feira (23) uma carta na qual critica a decisão dos livreiros e distribuidores, que teria sido tomada de forma unilateral, prejudicando os editores.

“Ressaltamos que, embora saibamos do momento de extrema dificuldade que afeta a todos, também temos contas a pagar, tais como salários, tributos, encargos, aluguéis, fornecedores e bancos, além de todos os outros custos referentes aos livros comercializados”, diz a carta.

Os editores dizem que “todos que os valores das vendas a consumidores realizadas até a semana passada já estão disponíveis nos caixas, independentemente de forma de pagamento, se à vista, em dinheiro, boleto, depósito em conta ou cartão de débito, ou mesmo cartão de crédito, mediante antecipação de recebíveis.”

Alegam, ainda, que “atender a tais demandas nos impossibilitaria de manter nossos negócios, uma vez que haveria um primeiro trimestre com recebíveis pendentes de pagamento, ou com prazos incompatíveis com um fluxo de caixa minimamente saudável ou, pior ainda, sem emissão das faturas de março, eliminando qualquer possibilidade de solicitarmos novas linhas de crédito ou de ampliá-las devido à quebra de faturamento e piora da qualidade da carteira de cobrança.”

Para dar continuidade às parcerias comerciais estabelecidas, os editores exigem pagamentos das faturas dos acertos de consignação de janeiro e fevereiro deste ano nas condições comerciais vigentes, bem como o envio dos acertos de consignação de março de 2020 até 31 de março de 2020, às 18h.

“Caso os acertos não sejam enviados conforme propomos, consideraremos a postura uma quebra de confiança em nossas relações comerciais, acarretando eventuais consequências administrativas e jurídicas. Estamos dispostos a discutir alternativas e estratégias que façam a cadeia do livro superar essa nova tormenta, a exemplo do que fizemos com frequência nos últimos anos”, alertam os editores.

Em reposta à carta dos editores, a qual a Biblioo teve acesso, a Saraiva informou que desde o fechamento do acordo de Recuperação Judicial, que acorreu em agosto do ano passado, a empresa tem cumprido todos os compromissos financeiros com o grupo de credores e as exigências feitas pelos editores, as quais foram homologadas no plano de Recuperação. Mas apesar disso, as dificuldades cresceram com o “fechamento de lojas físicas que culminaram com o cenário atual que é o fechamento das operações de 100% das nossas lojas físicas por período indeterminado.”

“Entendemos as dificuldades que colocamos vocês, mas não tivemos escolha, pois vivemos um momento onde nossas vendas foram interrompidas por um período indeterminado. Isso nos obrigou a tomarmos medidas austeras e imediatas de suspensão de todos os pagamentos. Esperamos que este momento passe rapidamente e que em breve possamos passar a todos vocês um planejamento mais concreto de normalização dos pagamentos”, diz a Saraiva.

A Livraria da Vila, por sua vez, respondeu que não fez imposição de condições, mas que solicitou prorrogações, parcelamentos, prazos e descontos. “Entendemos que o momento é delicado para todos, mas acreditamos que é possível chegar num consenso através de negociações individuais, lidando caso a caso, como fizemos com algumas editoras do grupo, e muitas outras que não fazem parte”, diz a Livraria.

“Estamos atacando em todas as frentes possíveis, renegociando contratos, aluguéis e taxas de shoppings, mas não podemos deixar de negociar com nossos fornecedores, que são os nossos verdadeiros parceiros ao longo do ano, e nosso maior volume de pagamentos. Iremos continuar fazendo contato com cada uma das editoras, para negociações individuais”, ressalta o comunicado.

As outras livrarias e distribuidoras ainda não haviam dado repostas oficiais aos editores até o fechamento dessa reportagem.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Precisamos enviadescer a biblioteconomia

Próximo post

O coronavírus matará o mundo dos dinossauros das publicações acadêmicas?