0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

 

Bartolomeu Campos de Queiroz e Rubem Alves discutem a poesia

No penúltimo dia da Bienal do Livro, o Café Literário contou com a presença dos escritores Bartolomeu Campos de Queiroz e Rubem Alves, cuja relação com a poesia é muito parecida.

A mediadora Guiomar de Grammont citou o livro Vermelho Amargo, de Bartolomeu, que é um daqueles livros em que a prosa e a poesia se misturam de maneira tão íntima que é impossível separá-las. Por um lado presenciamos um texto escrito em prosa, de caráter biográfico sobre a infância do escritor. Do outro encontramos um texto magnífico, com um jogo de palavras muito bem traçado e um passeio entre o real e a fantasia que dão o tom poético à obra. “Sou leitor de filosofia da linguagem. Quem escreve livro didático realmente sabe escrever, quem não sabe, faz literatura. Eu escrevo o que não sabia que sabia escrever”, esclarece o autor.

O outro livro comentado foi o de Rubem Alves, Ostra que não faz pérola, onde o leitor é levado a refletir e não se entregar ao pessimismo para serem capazes de transformar a tragédia em beleza. A beleza não acaba de uma vez com a tragédia, mas torna-a mais fácil de suportá-la. A felicidade é um dom que deve ser simplesmente gozado, ela se basta, mas ela não cria, não produz pérolas. Rubem acrescenta que “são os que sofrem que produzem a beleza, para parar de sofrer. Esses são os artistas”.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Livro digital, muito prazer

Próximo post

"Livro em Cena", com Camila Morgado

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *