0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Com o intuito de fortalecer e fomentar as discussões acerca da Diversidade de e Enfoque de Gênero, a Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições (FEBAB) lançou o Grupo de Trabalho intitulado “Bibliotecas pela Diversidade e Enfoque de Gênero (GT-BDEG).

O Grupo de Trabalho é fruto de duas iniciativas importantes realizadas nos anos de 2017 e 2019 no Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação (CBBD): o “Conversando Sobre Gênero, Diversidade e Sexualidade em Unidades de Informação” e a mesa redonda “Gênero e Diversidade no Desenvolvimento de Coleções em Bibliotecas Escolares”.

Através dessas atividades percebeu-se um crescente interesse por parte dos bibliotecários em conhecer mais sobre o assunto, assim a FEBAB buscou ações para proporcionar novos debates. O novo grupo de trabalho da FEBAB visa promover as seguintes discussões:

1. Como a biblioteca pode auxiliar pessoas LGBTQIA+, em principal as que estão em situação de vulnerabilidade social?

2. Como o bibliotecário pode atuar para conscientizar tanto a equipe, quanto a comunidade em que está inserida em relação aos LGBTQIA+ e o impacto negativo dos estereótipos de gênero?

3. Como o acervo pode ajudar na desmistificação dos estereótipos de gênero?

4. Quais as melhores ações a serem implementadas, visando cumprir as questões anteriores?

 

Partindo dessas discussões o GT objetiva:

1.    Criar um documento norteador de ações e orientações de atendimento baseadas nas leis vigentes nos níveis municipal, estadual e federal;

2.    Compilar todas as ações e experiências promovidas pelas bibliotecas em todo o Brasil;

3.    Criar bibliografia básica de literatura LGBTQIA+ e Vocabulário Controlado especializado;

4.    Realizar relatórios anuais para consulta pública para entender a relação da comunidade com a biblioteca, especialmente a biblioteca pública;

5.    Promover palestras, cursos e ações voluntárias em conjunto as associações estaduais filiadas à FEBAB, escolas de Biblioteconomia e ONGs.

Em entrevista à Revista Biblioo, Carlos Wellington Martins, bibliotecário e um dos integrantes do Grupo de Trabalho destacou que temos alguns avanços no que tange o interesse crescente na realização de pesquisas a respeito da temática. Apesar de ainda haver um silenciamento e uma posição periférica da discussão das demandas sociais LGBTQIA+ na biblioteconomia, vemos o avanço em alguns aspectos como o crescente interesse de discentes, docentes, técnicos em realizar pesquisas acerca da temática com a socialização destes estudos em eventos na área”, ressaltou.

O GT BGED criou  uma  lista de discussão para interagir com os profissionais interessados na temática, para participar  é preciso cadastrar-se pelo : Inscrição na Lista de Discussão do  Grupo. Maiores  informações podem ser obtidas pelo email: gtbdeg.febab@gmail.com

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

De que livro seu coração está precisando hoje?

Próximo post

Prazo da lei das bibliotecas escolares chega ao final com poucos avanços