0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

O IV Fórum Brasileiro de Bibliotecas Públicas, realizado como evento paralelo ao XXVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação (CBBD), foi iniciado na tarde de ontem (22), às 14h, no Auditório Amarelo do Centro de Convenções Rebouças, localizado na cidade de São Paulo.

O Fórum Brasileiro de Bibliotecas Públicas é uma iniciativa promovida pelo Sistema Nacional de Bibliotecas (SNBP), contando com a parceria e o apoio da Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientista da Informação e Instituições (FEBAB) e do Grupo de Pesquisa Biblioteca Pública no Brasil: reflexão e prática, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

Esta quarta edição do Fórum iniciou com a Mesa de Abertura composta por Elisa Campos Machado (Unirio), José Castilho Marques Neto (Secretário Executivo do Plano Nacional do Livro e da Leitura) e Veridiana Negrini (Coordenadora Substituta do SNBP).

Mesa de abertura com Elisa Machado, Veridiana Negrini e José Castilho. Foto: Hanna Gledyz / Agência Biblioo
Mesa de abertura com Elisa Machado, Veridiana Negrini e José Castilho. Foto: Hanna Gledyz / Agência Biblioo

Elisa Machado iniciou sua apresentação destacando o prazer de estar participando do evento e da abertura dos debates a respeito das bibliotecas públicas. Ressaltou a parceria entre a FEBAB, o Grupo de Pesquisa Biblioteca Pública no Brasil: reflexão e prática da Unirio na construção do IV Fórum.

Mesmo em um cenário de desigualdades sociais no Brasil, Elisa enfatizou a importância das bibliotecas públicas como espaços estratégicos para enfrentar os problemas sociais e contribuir para a defesa e garantia dos direitos humanos.

Em seguida, José Castilho, iniciou sua apresentação saudando a Mesa de Abertura, os participantes e destacando a satisfação do PNLL em participar do Fórum.

Castilhos ressaltou que a crise econômica na qual o país atravessa tende a obscurecer as esperanças, mas não pode ser um motivo para deixar abater a luta cotidiana pela construção de um país de leitores.

José Castilho destacou a reconstrução do PNLL após uma interrupção devastadora, enfatizando que a estagnação ficou para trás. No que diz respeito a leitura no Brasil, o secretário executivo do PNLL, afirmou que continuamos a ser um país carente de leitura, enfatizando que a não leitura impede o desenvolvimento sustentável do nosso país em todas as áreas pessoais e coletivas. “É preciso fomentar a leitura. A mediação das bibliotecas públicas, escolares e comunitárias é fundamental para a formação dos leitores no Brasil”, ressaltou Castilhos.

Finalizando a Mesa de Abertura, Veridiana Negrini, apresentou as iniciativas do SNBP contextualizando a realidade brasileira com um total 6.102 bibliotecas públicas no território brasileiro. Destacou também as vinte metas do Plano Nacional de Cultura (PNC) e a abertura de uma consulta pública para rever as metas do PNC em relação às bibliotecas públicas.

A Coordenadora Substituta do SNBP apresentou em primeira mão a Plataforma de Mapeamento das Bibliotecas Públicas Brasileiras. A Plataforma está disponível para consulta no endereço: bibliotecas.cultura.gov.br

A programação continuou com a segunda mesa do dia intitulada, “Projeto de Acessibilidade em Bibliotecas Públicas”, com a participação de Wagner Santana (Mais Diferenças) e Marina Nogueira Ferraz (Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas Municipais de Minas Gerais).

Segunda mesa do IV Fórum Brasileiro de Bibliotecas Públicas com Wagner Santana, Veridiana Negrini e Marina Nogueira
Segunda mesa do IV Fórum Brasileiro de Bibliotecas Públicas com Wagner Santana, Veridiana Negrini e Marina Nogueira

Wagner Santana apresentou dados do projeto do Mais Diferenças sobre acessibilidade em bibliotecas públicas. Ele destacou que mesmo com a modernização arquitetônica das bibliotecas públicas, existe um longo caminho para que essas bibliotecas sejam acessíveis a todos.

Em seguida, Marina Ferraz, apresentou o processo de instalação do projeto de acessibilidade na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa em Minas Gerais. A biblioteca pública Luiz Bessa é uma referência em acessibilidade e em 2014 ganhou o Prêmio Boas Práticas e Inovação em Bibliotecas Públicas da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca do Ministério da Cultura (DLLLB/Minc).

Marina Ferraz destacou que o projeto de acessibilidade na Biblioteca Pública Estadual Luiz Bessa promoveu mudanças subjetivas e internas; superação de preconceitos, atos falhos, discriminações, teimosias e resistências e a possibilidade de pensar em todos os tipos de deficiência.

Após o término da segunda mesa de debate foi iniciado a participação do público através de ponderações e perguntas relacionadas aos assuntos que foram apresentados.

Com o término da segunda mesa, teve início o momento de apresentação de trabalhos. Acompanhe o que foi apresentado pelos profissionais na TV Biblioo.

Continue acompanhando o IV Fórum Brasileiro de Bibliotecas Públicas e confira as novidades da programação acessando as redes sociais e o site da Revista Biblioo.

Hoje o Fórum vai ser retomado a partir das 14h no Auditório Amarelo do Centro de Convenções Rebouças, com a mesa de debate intitulada “Inovação em Bibliotecas”.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Em defesa da biblioteca pública de Custódia, PE, “Abre Biblioteca”

Próximo post

José Castilho, secretário executivo do PNLL

1 Comentário

  1. […] O IV Fórum Brasileiro de Bibliotecas Públicas, realizado como evento paralelo ao XXVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação (CBBD), foi iniciado na tarde de ontem (22), às 14h, no Auditório Amarelo do Centro…  […]

Deixe uma resposta