1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Não pude resistir ao desejo de tratar sobre Cuba. A ideia tomou forma desde a leitura do artigo “Vamos importar bibliotecários cubanos: o que os médicos cubanos têm a ver com os licenciados em Biblioteconomia?” publicado aqui mesmo na Biblioo, pelo colega Moreno Barros. Um artigo que suscita relevantes indagações sobre a demanda por bibliotecários no mercado de trabalho no Brasil.

Depois foi o texto Sobre médicos, bibliotecários, Cuba e Cubanos, de Marielle de Moraes, publicado em seu blog Babel Informacional que ao apontar uma série de informações, destaca que:

Em Cuba, a partir da Revolução Cubana, foi criada em todas as escolas uma rede de bibliotecas, tentando atender aos objetivos da educação e insistindo na formação e desenvolvimento de uma cultura geral e integral do povo cubano. O desenvolvimento da prática da leitura nas crianças é um componente essencial da educação cubana e necessária para concretizar o que Fidel Castro afirmou na revolução: “Vamos fazer de Cuba o país mais culto do mundo”.

 Enquanto Moreno bota lenha na fogueira apontando a escassez de bibliotecários para atender o que propõe a Lei nº 12.244 de 24 de maio de 2010 – que dispõe sobre a universalização das bibliotecas nas instituições de ensino do país – seu pensando recai sobre as pequenas cidades, onde os bibliotecários formados nas capitais provavelmente não se interessarão por ocupar as possíveis vagas. Nesta hora me pego pensando fortemente nas cidades do interior do meu estado, o Amazonas, e não creio que muitos bibliotecários queiram deixar Manaus ou outras capitais do país para se aventurar a viver em cidades que impõe um ritmo de vida bem diferente, com distâncias consideráveis…

Ambos os textos abordam questões que tendem a instigar, provocar ou esclarecer e o elemento comum tem haver com este país que é alvo de críticas, preconceitos e desinformação, mas apesar de todas as dificuldades, tem favorecido seu povo com um sistema de saúde pública dos melhores do mundo e uma educação das mais bem sucedidas.

Então, objetivando contribuir com o que já foi dito, apresento de forma sucinta impressões do que vi em Havana quando participei em abril de 2012 do XII Congresso Internacional de Informação, organizado pelo Instituto de Informação Científica e Tecnológica (IDICTI) e Ministério da Ciência e Tecnologia e Meio Ambiente da República de Cuba.

O evento reuniu bibliotecários de diferentes países que apresentaram trabalhos discutindo inclusive acesso aberto, redes e serviços de informação no século XXI, gerenciamento estratégico de Informação etc. Apresentei trabalho e assisti algumas das palestras, mas confesso que o meu objetivo principal era conhecer bibliotecas e conversar com bibliotecários e neste sentido, o saldo foi muito positivo já que visitei seis bibliotecas, inclusive fora da área central de Havana, pois queria me certificar de que estes espaços estavam também presentes em áreas afastadas e com menor visibilidade. A constatação foi que sim, as bibliotecas estão presentes e em Havana elas estão por todos os lados.

Sobre bibliotecas em Cuba

Em meio à questão sobre médicos e bibliotecários cubanos, houve nos últimos dias quem questionasse a existência de cursos para formação de bibliotecários em Cuba.  O texto de Marielle abarca muito bem a questão e por isso reproduzo aqui seu comentário:

Cuba tem escolas de Biblioteconomia, o dia do bibliotecário se comemora em 7 de junho e tem também associações profissionais. Cuba também tem a Biblioteca Nacional José Martí, o Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (com 415 bibliotecas presentes em todos os municípios), o Sistema Nacional de Bibliotecas Escolares, o Sistema Nacional de Bibliotecas Universitárias, o Sistema Nacional de Informação Científica e Tecnológica, os Sistemas Especiais de Bibliotecas e vários Centros de Documentação e Informação pelo país.

Para cotejar essas informações, recorri ao colega bibliotecário cubano Guillermo Ramon G. Junco que durante o Congresso Internacional (IDICTI) destacou em sua apresentação dados sobre o volume de bibliotecas existentes em seu país. Como fizemos amizade e periodicamente contatamos por e-mail solicitei a Guillermo um comentário sobre a questão ao qual ele destacou:

La Biblioteca nacional de Cuba Jose Marti atiende aun sistema de 412 Bibliotecas publicas incluyes las 16 bibliotecas de las provincias. Las de los municipios y la de sucursales. Pero en total son 412 Bibliotecas y La biblioteca nacional. Esto no quiere decir que las Bibliotecas Universitarias tiene una red en todas las universidades pero aquí no se cuantas hay y asi por instituciones. Mi red de bibliotecas son 16 y una que esta en el Polo cientyifico. Pero también el Ministerio de educación tiene una red en los pedagógicos, elos pre universitarios, en la secundarias básicas y en la primarias. Conocias como red de bibliotecas escolares y las de la universidad pertenenecen al red del Ministerio de educación Superior. Pero la cifra de la red de bibliotecas publicas son 412 que tengo en mi trabajo.

Há uma diferença insignificante quanto ao número de bibliotecas públicas apontadas, (415, 412 e até no site oficial da Biblioteca Nacional apresenta 411), contudo, as informações reforçam o compromisso do governo deste país com a educação que privilegia a cultura leitora por meio de bibliotecas extensiva a todos os seus municípios.

Algumas bibliotecas visitadas

Em vista da necessidade de participar das palestras do Congresso, o tempo foi curto durante a semana que passei em Havana e por isso pude conhecer apenas seis bibliotecas, infelizmente nenhuma biblioteca escolar ou universitária. Destas, tive o privilégio de visitar a Biblioteca Nacional de Cuba José Martí que é a depositária da produção intelectual do país, com atenção para os acervos documentais, bibliográficos, artísticos e sonoros.

A Biblioteca Nacional de Cuba é responsável também pela coordenação do sistema de bibliotecas públicas. Naquele período estava fechada para reforma, mas graças a Guillermo Ramon, pude conhecer suas dependências.

Soraira Magalhães - Há bibliotecas e bibliotecários em Cuba - imagem 1 - Biblioteca Nacional de Cuba José Martí
Biblioteca Nacional de Cuba

A maioria das bibliotecas em Havana ocupam edifícios históricos e a cidade possui também inúmeros museus, bem como praças muito bem arborizadas, onde é possível identificar estátuas que fazem alusão à leitura.

As imagens produzidas sobre Havana nos meios de comunicação apresentam geralmente o ideário de uma cidade parada no tempo com inúmeros casarões coloniais em estado de ruinas. Em Havana Vieja isso é bem verdade, contudo, todas as bibliotecas que visitei ocupavam bons espaços físicos, apesar da simplicidade dos equipamentos, mobiliários e acervos. Todas são geridas por bibliotecários e existe a figura do técnico em Biblioteconomia, que corresponde ao que seria para nós os cursos profissionalizantes, em nível médio.

Nas primeiras horas na cidade, passeando por Havana Vieja, rapidamente identifiquei a Biblioteca Cuba/México, que é uma espécie de sala de leitura, onde estão livros que podem ser lidos no local ou levados para empréstimo domiciliar. O interessante é que o espaço é compartilhado com uma livraria. O usuário escolhe a forma que mais lhe convém.

Soraira Magalhães - Há bibliotecas e bibliotecários em Cuba - imagem 8 - interior de uma pequena biblioteca em Havana Vieja
Interior de uma pequena biblioteca em Havana Vieja

O preço do livro em Cuba é muito acessível. Comprei vários exemplares de O pequeno príncipe, de Saint-Exupéry, por um preço irrisório (infelizmente não recordo quanto). O papel e a encadernação não são de boa qualidade, mas o que se busca é favorecer acessibilidade por meio de baixos custos. Os livros comprados nas ruas chegam a ser mais caros que os das livrarias, pois na moeda cubana livros devem ser vendidos tanto para o nativo quanto para o turista pelo mesmo valor. Nas livrarias os valores são tabelados.

Soraira Magalhães - Há bibliotecas e bibliotecários em Cuba - imagem 9 - Livros vendidos em frente a Biblioteca Rubén Martínez Villena
Livros vendidos em frente a Biblioteca Rubén Martínez Villena

Estive na Biblioteca Pública Municipal Máximo Gómes e a Biblioteca Pedagógica “Félix Varela” que possui acervo especializado e de caráter museológico, mas de todas, a que me encantou foi a Biblioteca Rubén Martínez Villena, pois é bonita, bem equipada e estava cheia de usuários. Possui excelente localização, em frente à Praça de Armas, onde há também uma grande feira de livros usados.

Soraira Magalhães - Há bibliotecas e bibliotecários em Cuba - imagem 3 - Biblioteca Rubén Martínez Villena 1
Biblioteca Rubén Martínez Villena

Além de conhecer as bibliotecas da capital, pensei que seria interessante ver pelo menos uma biblioteca municipal de uma área afastada. Para isso, precisei atravessar em desconfortável e quente embarcação rumo a Regla, pequeno município da Província de Havana. E valeu a pena, pois pude constatar que havia biblioteca e bibliotecária, havia também museu… e a biblioteca estava aberta e em funcionamento.

Nem tudo são flores em Cuba e o país enfrenta inúmeros problemas. Um dos principais diz respeito à falta do direito de ir e vir. As pessoas são ávidas para saber como é do lado de “lá” e lá pode bem ser o Rio de Janeiro que povoa o imaginário, já que assistem as novelas da Globo, pode ser os Estados Unidos ou qualquer outro país que lhes permita viver nova experiências.

Moreno Barros encerra seu artigo que trata a possibilidade da importação de bibliotecários cubanos, fazendo a seguinte indagação: “O Brasil precisa de mais bibliotecas e bibliotecários?”

Eu acredito que o Brasil antes de qualquer coisa precisa investir em educação e criar oportunidades de acesso ao livro, à cultura e ao lazer. As bibliotecas (escolares e públicas) podem ser as portas de acesso nesse sentido, principalmente nas áreas mais afastadas do país. Mas é preciso planejar o que fazer para atender a demanda por profissionais com formação adequada para atuar em bibliotecas. E como fazer para que estes venham para fazer a diferença.


Sobre médicos, bibliotecários, Cuba e Cubanos.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Mais uma lei?

Próximo post

Sobre o que escrever?

3 Comentários

  1. 23 de setembro de 2013 a 11:43 —

    La Biblioteca Nacional es la encargada de la adquisición, conservación y divulgación de las obras del patrimonio bibliográfico nacional. Para lograr este objetivo la biblioteca cuenta con la Ley del Depósito Legal (Decreto Ley 265, del 14 de mayo de 1999), en la cual se señala como la única institución adecuada para llevar a la práctica la tarea de compilación y archivo sistemático de todo cuanto se publica en el país. La biblioteca compila las obras escritas, publicadas o no, y todo tipo de documentos resultantes tanto de la creación artística como de la investigación histórica, científica, la recreación, el deporte, la información general y específica sobre los aspectos de la vida del país, los personajes y hechos que de una forma u otra han contribuido a formar rasgos esenciales de la nacionalidad. La Biblioteca Nacional de Cuba José Martí es depositaria del tesoro patrimonial –documental, bibliográfico, artístico y sonoro– del país, así como de lo más representativo de la cultura universal. Es rectora del Sistema Nacional de de Bibliotecas Públicas Cubanas que con más de 411 bibliotecas cubre todo el territorio nacional. En nuestro sitio encontrará usted el cuerpo vivo de un sistema creado, no sólo para preservar el patrimonio bibliográfico e histórico. A través de este sitio, la Biblioteca Nacional ¨José Martí¨, institución más que centenaria, le brinda la posibilidad de interactuar con la cultura, la ciencia, la historia y el arte que con celo y amor resguarda. Nuestro gran templo de puertas y ventanas permanentemente abiertas, invita a que investigadores, estudiantes, profesores y lectores en general, se relacionen con la creación cultural, científica y artística cubana, que día a día incrementa nuestro aporte a la cultura nacional y universal. Sean bienvenidos a participar y conocer de nuestros proyectos, colecciones, publicaciones y actividades.

  2. 3 de outubro de 2013 a 21:03 —

    Fico triste com a mentalidade obtusa que questiona a existência de cursos de formação de bibliotecários em Cuba. Meu Deus! Basta entrar no site da Universidade de Havana! E o desdém pela qualificação dos profissionais cubanos chega às raias da loucura! Acho que os brasileiros deveriam olhar primeiros para as suas misérias (materiais e espirituais) para depois criticarem profissionais cubanos.

  3. 8 de outubro de 2013 a 17:20 —

    Soraya, muito bom mesmo seu texto. Sou suspeita em falar porque sou apaixonada por Cuba, pela sua cultura, pelo seu povo, pela sua educação. Sabemos que existem problemas sim, mas onde não há? Nós que nascemos no norte/nordeste do País (sou de Fortaleza), sabemos muito bem que existem regiões onde professor é figura quase inexistente, imagina bibliotecário… é artigo de luxo!! Que bom que você também viu de perto essa realidade, um país lindo, com esse investimento todo em cultura e educação. Percebeu que a maioria deles fala bem o inglês? E nós aqui? Desde a 1° série do Ensino Fundamental estudamos inglês e não saímos do verbo to be? Pelo menos no Nordeste é assim… salvo aqueles cujos pais têm um maior poder aquisitivo e podem pagar um curso extra-escola. Temos muito o que aprender com os cubanos, que têm tão pouco, mas fazem um verdadeiro milagre da multiplicação….

Deixe uma resposta