2
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Texto escrito com a participação de Rafael Andrade* e Maria Betânia**

Participar da 28ª edição da Feria Internacional del Libro de La Habana (FILH), dedicada ao 60º aniversário do triunfo da Revolução Cubana foi uma experiência marcante para nós. Registramos aqui algumas dessas marcas, que constituem nossa “féria”, ou seja, o que ganhamos com essa experiência como participantes dessa “Feria”:

Espaço para a circulação entre livros e para o acesso ao livro

A FILH é o maior evento cultural de Cuba. Isso é afirmado nos materiais de divulgação do evento e pode ser constatado por outros indícios. No domingo à tarde, num belo dia de sol, chegamos ao Forte que fica situado no Parque Histórico Militar San Carlos de La Cabaña e de longe já era possível ver a multidão de pessoas transitando pelo espaço. Famílias caminhavam animadas pelas ruelas e visitavam as diversas “tiendas” de editoras e livreiros.

Na programação, animadores culturais, espaços para crianças. Muitos circulavam com sacolas plásticas com livros e com brinquedos educativos para as crianças. Ao entrar no forte, a banda de música contemporânea cubana Isla fazia um show com som fusion, com letras críticas à burocracia estatal e misturas de ritmos caribenhos e latinos. Tudo isso com uma bela vista para o Malecón e suas grandes ondas ressacadas batendo firme contra o paredão. Andando pela Feria, muitos estandes com acervo a preços acessíveis (1 CUP = 0,25 Dólares Norte-Americanos). Vimos pouca produção autoral voltada para as crianças pequenas.

O que estava mais visível, à semelhança das Bienais que conhecemos no Brasil, eram livros-álbum com personagens de filmes, minilivros e lousas mágicas. Havia uma maior oferta de livros de literatura para jovens e adultos, tanto de autores cubanos quanto de estrangeiros, que apesar de serem impressos em um material de pouca qualidade, eram riquíssimos em conteúdo, tornando perceptível que o que mais importa é o acesso à informação. Vimos vários livros acadêmicos, também com preços bastante acessíveis. Muita animação de gente.

A FILH é um evento que mobiliza toda a cidade. Em várias oportunidades, conversando com pessoas locais (a proprietária do Hostel, motoristas de táxi, artesãos no passeio do Prado, professores da Universidade de Havana, membros das equipes do Centro de Estudos da Juventude e do Centro de Estudos Martianos), todos sabiam do evento, mencionavam que estavam programados para visitar a Feria (ou já haviam ido esse ano), reconheciam a grandeza do evento, falavam com orgulho da sua magnitude. Assim, nossa impressão geral é que a Feria é uma grande oportunidade para estar entre livros e para ampliar os acervos pessoais.

Circulação de visitantes no Forte de la Cabaña

Espaço para encontro com escritores

Como a Feria é descentralizada, com atividades simultâneas em diferentes locais, não pudemos acompanhar de perto a programação que ocorreu na União Nacional dos Escritores Cubanos(UNEAC), lugar privilegiado para o encontro com escritores de diversos países latino-americanos, em sessões do Ciclo de Leituras. Nosso encontro com escritores ocorreu, no dia que passamos no Centro de Estudos Martianos (CEM), quando tivemos uma amostra de como o escritor e a escritora têm destaque na FILH.

Cada mesa, que era composta por autores de livros a serem lançados com o selo do CEM e mais um comentador da obra, evidenciava que o momento era uma estratégia de convite à leitura. Tendo como foco os estudos martianos, estudiosos das áreas da literatura (prosa e poesia), da ilustração, da educação, da sociologia, se alternaram em mesas breves mas densas, que apresentavam autores e obras, de forma convidativa. Embora contássemos com os limites da compreensão do espanhol, era evidente pelo formato das mesas e pela animação nas compras na tenda de livros, que na Feria, essa é uma estratégia de mediação entre livros, autores e leitores.

Espaço para relato de experiências de bibliotecas

A programação promovida pela Associación Cubana de Bibliotecarios (ASCUBI), que ocorreu na Biblioteca Nacional José Marti, próximo à praça da Revolução e do Monumento à José Marti, teve como tema central “Bibliotecas y Visión Global: por um sector bibliotecário sólido y unido”. Nessa atividade, houve destaque para ações realizadas em bibliotecas públicas de diferentes províncias da ilha. As ações de mediação promovidas pelas bibliotecas, similares àquelas que conhecemos na realidade das bibliotecas comunitárias e em algumas públicas brasileiras destacavam práticas como recital poético, oficinas temáticas, encontros com a história e seus protagonistas, programas de rádio e vídeo debates, web nos bairros… Vimos, dessa forma, que os mediadores também têm espaço privilegiado na Feria.

Sede da Biblioteca Nacional José Marti, na praça da Revolução

A partilha da experiência das bibliotecas comunitárias no Brasil e em Pernambuco

Na programação organizada pelo CEI, que é um dos proponentes da FILH, tivemos a mesa temática “Biblioteca comunitárias: nuevos desafios”, composta por Ester Rosa (CEEL – UFPE), Maria Betânia Andrade (representando a Releitura e a RNBC) e Rafael Andrade (da Biblioteca Popular do Coque), autores desse relato. O público dessa mesa foi composto prioritariamente por bibliotecários e se mostrou bastante receptivo e atento às nossas exposições, todas realizadas em português.

No debate, pessoas da plateia ressaltaram a semelhança entre as ações de mediação realizadas pelas bibliotecas comunitárias brasileiras e as atividades promovidas por bibliotecas e livrarias em Cuba. Encontros com escritores, rodas de leitura e vivências com outras linguagens integram as atividades culturais desses espaços. Vilma Mederos, mediadora da mesa e responsável pelas relações internacionais do CEM, ressaltou a importância da atuação política das bibliotecas comunitárias e de suas ações de resistência diante do contexto de desmonte das políticas públicas voltadas ao livro e à leitura no Brasil, com a atual administração do governo federal.

Ficou a vontade de voltarmos para outros eventos que ocorrem regularmente em Cuba nos campos da biblioteca, leitura, juventude. Foi lançado um convite para que a equipe de bibliotecários do CEM venham ao Brasil, conhecer também nossas ações de mobilização e formação de leitores, especialmente a Festa Literária do Coque e a Feira de Leitura do Centro de Educação da UFPE. A barreira da língua foi totalmente superada pela sensação de que temos muitas afinidades quando falamos dos princípios que fundamentam nossas intervenções no campo das mediações de leitura.

Biblioteca do Centro de Estudos Martianos.

A Feria de Leitura integra uma política pública de promoção da cultura acessível à população

Embora a FILH seja um grande evento, com ampla cobertura da mídia local (soubemos por outra colega presente no evento, que diariamente a Feria era tema de programas televisivos e de matérias jornalísticas), a sensação predominante entre nós foi de que a feira é uma expressão de ações que têm continuidade ao longo do ano. Crianças e jovens circulando em espaços culturais – como o CEM, a Biblioteca Nacional, o Memorial José Marti -, centros públicos destinados às diversas manifestações artísticas – música, dança, literatura, cinema – programações culturais gratuitas ou com preços diferenciados para a população cubana – como música de câmara em igrejas, show ao ar livre da banda Toques del Rio, programação do teatro nacional, inclusive com a cantora Omara Portuondo – são algumas expressões de que a cultura e o patrimônio vivo são prioridade das políticas públicas na ilha socialista de Cuba.

Em meio ao debate em torno da Assembleia Constituinte (com referendo previsto para 24/02, próximo do período de realização da FILH), o capítulo da cultura nos pareceu mais do que uma mera carta de intenções. De fato, nas ruas esbarramos com muitos espaços destinados aos livros – feiras ao ar livre, sebo na Praça de Armas, livrarias, bibliotecas de centros culturais – e muitos leitores em espaços públicos como praças, transporte coletivo, parques. Mais do que um evento, a Feria traduz um movimento cultural vivo e democrático.

Sebo em rua de Havana velha.

A política editorial tem um claro direcionamento voltado à documentação e afirmação de valores revolucionários

Num primeiro momento, no nosso olhar estrangeiro, nos causou estranheza o “excesso” de valorização do ícone da nação que é José Marti. Publicações, monumentos, imagem na moeda, nome de prédios públicos, de escolas, tudo homenageia os feitos heroicos de Marti. Nas imagens e dizeres em outdoors, grafitagens em muros e em cartazes são reproduzidas muitas frases de Marti e de outros líderes como Fidel, Chê, Cienfuegos. Embora não sejam tão cultuadas quanto os homens, descobrimos homenagens também a mulheres marcantes no processo revolucionário: Vilma Espín, Célia Sanchès, Asela de Los Santos… Presentes em fotografias em museus, na Federação das Mulheres Cubanas. O registro das histórias de vida e das ações revolucionárias em prol do bem coletivo parecem ser a marca da política editorial de caráter estatal.

A Feria del Libro de la Habana 2019 deixou, portanto, diversas marcas que constituem uma féria que seguirá conosco, inspirando nossas ações no campo da mediação de leitura e mobilização em torno da conquista do direito humano à literatura.

 

*Rafael Andrade é licenciado em Letras. Articulador e mediador de leitura pela Releitura – bibliotecas comunitárias em rede e integra a Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias. Atua na área de formação de leitores e mediadores de leitura, e é militante pela literatura como um direito humano. 

**Maria Betânia, pedadoga, pós-graduada em Ludicidade em espaços escolares e não-escolares. É articuladora e mediadora de leitura pela Releitura – bibliotecas comunitárias em rede e integra o grupo do Conselho Gestor da Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias, atuando na área de formação de leitores e mediadores de leitura, bem como por políticas públicas voltadas aos eixos do livro, leitura, literatura e bibliotecas.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Bibliotecários: celebrar e lutar pela profissão!

Próximo post

Flipoços troca livros por ingressos para principais palestras de 2019