0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Em 1962, ano em que a Universidade de Brasília (UnB) foi inaugurada, Darcy Ribeiro convidou Edson Nery da Fonseca para ministrar naquela instituição a disciplina de Metodologia Científica, conforme explica o próprio Edson: “Darcy Ribeiro me convidou para ensinar na universidade Metodologia Científica, dizendo o seguinte: ‘nós montamos três cursos de mestrado: um em Artes, um em Letras, outro em Ciências Humanas, e os alunos não sabem anotar livros, leituras, nem preparar suas dissertações de mestrado. Então eu queria que você viesse ensinar’”. Nery aceitou o desafio.

Pouco tempo depois, Darcy lhe lançaria um novo desafio: montar uma biblioteca na UnB. “Isso foi pra mim uma coisa formidável, porque havia muito dinheiro para comprar livros”, disse Nery certa vez. O trabalho de montagem da nova biblioteca começaria pela compra de grandes acervos particulares.

Mas os desafios não pararam por ai. A missão agora era organizar o Departamento de Biblioteconomia naquela Universidade. Neste momento Nery deixa a coordenação da biblioteca, cargo para o qual indica Abner Vicentini (1929 – 1976), então diretor da Biblioteca do Centro Tecnológico da Aeronáutica de São José dos Campos, São Paulo.

À época um novo regimento interno previu uma nova Faculdade de Estudos Sociais Aplicados com quatro departamentos: Administração, Biblioteconomia, Comunicação e Direito. “Olha, os professores estão querendo saber o porquê da reunião de quatro Departamentos numa só Faculdade de Estudos Sociais Aplicados”, indagou o professor Valnir Chagas, que foi o responsável pela reformulação do regimento. “Diga a seus colegas que nessa Faculdade vão ser formados os defensores das forças sociais, que são: administradores, bibliotecários, comunicadores e juristas”, respondeu-lhe Nery.

Os causos comprovam a vida de desafios intelectuais aos quais Edson Nery esteve submetido ao longo de sua brilhante trajetória acadêmica. Trajetória esta que se encerrou no último dia 22. Vítima de infecções urinária e pulmonar, Nery faleceu em sua casa, na cidade de Olinda, Pernambuco, onde vive desde 1991, conforme noticiado amplamente pela mídia.

Querido e admirado por muitos, o intelectual deixou sua marca na vida de alunos e colegas, como na de Luiz Antonio Gonçalves que o conheceu em 1971 quando este foi estudar Biblioteconomia na UnB. “As suas aulas e palestras formaram a visão crítica que tenho da profissão. De aluno tornei-me seu amigo, algo do que tenho orgulho. Muitas vezes frequentou a minha casa e apreciava uma sobremesa de abacaxi feita por minha mulher a qual chamava ‘delícias de Ubiraci’”, relembra.

“Edson Nery: apenas um bibliotecário” é o título do perfil escrito por Gonçalves sobre os pioneiros da Biblioteconomia na UnB, trabalho que pode ser acessado na página da Faculdade de Ciência da Informação daquela Universidade.

A obra de Edson Nery

Na web, diversos internautas se manifestaram sobre a perda do grande mestre: “Realmente grande perda!”, lamentou a professora Regina Fazioli; “Que pena…. um dos poucos grandes da área se foi”, comentou o bibliotecário William Okubo. Briquet de Lemos, bibliotecário e um de seus editores, assim se manifestou na página da ABRAINFO no facebook: “Um dos marcos mais notáveis da história da biblioteconomia brasileira. Requiescat in pace, querido amigo e mestre de todos nós”.

Mais professor do que bibliotecário, como costumava dizer, Nery também se notabilizou pela escrita. Sua extensa obra literária versa sobre assuntos variados, na qual costumava defender posições polêmicas como a de que o ensino de Biblioteconomia no Brasil deveria ser a nível de pós-graduação, a exemplo do que ocorre em diversos países: “o bibliotecário enciclopédico acabou-se. Então os bibliotecários têm que ser especializados. Então tem que ter graduação numa área do saber que for do seu interesse: Artes, Letras, Ciências, Ciências Humanas e depois uma pós-graduação, mestrado e, se quiser, doutorado em Biblioteconomia”.

O clássico “Ser ou não ser bibliotecários e outros manifestos contra a rotina” (ABDF, 1988), no qual ela faz duras críticas a Adonias Filho, à época diretor da Biblioteca Nacional, lhe rendeu um processo administrativo junto ao Ministério da Cultura e ao SNI (Serviço Nacional de Informações, órgão criado para supervisionar e coordenar as atividades de informações e contra-informações no Brasil e exterior durante o regime civil-militar), no qual teve de dar explicações ao general Golbery do Couto e Silva. Nery viu o processo ser arquivado posteriormente.

Amigo de longa data de Gilberto Freire (1900 a 1987), Nery acabou por torna-ser uma espécie de curador da obra do autor de “Casa grande e senzala” e “Sobrados e Mucambos”, título que não aceitava. Sobre Freire e sua obra, o bibliotecário escreveu trabalhos que se tornaram referência como “Gilberto Freire de A a Z” (MinC e outros 2002) e “Em torno de Gilberto Freire” (Fundação Joaquim Nabuco, 2007). Antes de ver seus problemas de saúde se agravar, ele percorria o Brasil proferindo palestra sobre a vida e a obra do velho amigo.

Cronologia da vida de Edson Nery da Fonseca

  • 19301941: ensino educacional do curso primário e secundário.
  • 1942: com 21 anos, Fonseca ingressa na Faculdade de Direito do Recife interrompendo o curso em 1943 ao ser convocado para o Exército onde presta serviços até 1945. Neste período também exerce o jornalismo literário no Jornal do Comercio e no Diário de Pernambuco até 1946.
  • 1946: aos 25 anos é nomeado, pela Prefeitura Municipal do Recife, à Diretoria de Documentação e Cultura (DDC) tendo o estímulo necessário para a matrícula no curso Fundamental de Biblioteconomia da Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro, sendo diplomado no ano seguinte.
  • 1948: retorna ao Recife onde, pela DDC, funda o 1° curso de Biblioteconomia do nordeste que dirige até 1951 quando é dispensado pela Universidade por ter escrito o artigo “Verdades incômodas”, publicado no Diário de Pernambuco, bem como dirigiu a reforma das Bibliotecas da Faculdade de Direito e da Escola de Engenharia.
  • 19521953: reside em João Pessoa e sob os auspícios do Instituto Nacional do Livro ministra cursos intensivos de Biblioteconomia para bibliotecários do Estado da Paraíba, Pernambuco e Alagoas.
  • 1954: transfere-se para o Rio de Janeiro onde organiza e dirige o Departamento de Bibliografia do Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação (IBBD); anteriormente a isso chefiou A Biblioteca Demonstrativa Castro Alves, no Rio de Janeiro, e bibliotecário do Departamento administrativo do serviço público – DASP.
  • 1955: já em Brasília, ingressa por concurso público na carreira de bibliotecário da Câmara dos Deputados.
  • 19561960: é eleito Presidente da Associação Brasileira de Bibliotecários, também organizando e dirigindo a Comissão de Documentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
  • 19621965: é convidado a integrar o corpo docente na nova Universidade de Brasília (UnB) como professor associado em regime de tempo parcial, para ministrar metodologia aos mestrandos na área de letras, Artes e Ciências Humanas, quando em 1965 torna-se professor titular, organizando e dirigindo os Cursos de Biblioteconomia.
  • 1966: organiza e dirige na UnB a Faculdade de Biblioteconomia e Informação Científica.
  • 1972: passa a dirigir a Faculdade de Estudos Sociais Aplicados da Universidade de Brasília, até 1978, e sua Biblioteca Central.
  • 1976: contratado pelo Unesco como consultor do projeto para criação de um sistema nacional de bibliotecas na Guiné-Bissau, e também consultor da Biblioteca do Congresso dos EUA.
  • 19801987: requisitado para atuar na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj, Recife). Inicia as funções como 1° Superintendente do Instituto de Documentação. Em 82 é nomeado Coordenador de Assuntos Internacionais da Fundação, onde de 85 a 86 assume o cargo de Assessor da Presidência vindo a ser dispensado em 87. Exatamente em 1987 foi nomeado assessor do Presidente José Sarney.
  • 1988: é designado pelo Presidente da República para compor a Comissão Especial responsável pela preservação dos documentos integrantes do acervo privado da Presidência onde trabalha até 1990.
  • 1991: aos 70 anos, aposenta-se compulsoriamente como professor da UnB.
  • 1995: Foi condecorado com o título de Professor Emérito pela UnB.
  • 2011: Foi condecorado com o Título do Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco.
  • 2014: Falece aos 92 anos, por complicações causadas por infecções urinárias e pulmonares, cerca das 7h 30min de 22 de junho de 2014.

Fonte: Wikipédia

 

Texto publicado originalmente na edição 33 da Revista Biblioo. Adquira em nossa loja virtual.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Edição 33

Próximo post

Memória do futebol

Sem comentários

Deixe uma resposta