0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Do G1 de GO

Dois suspeitos armados invadiram a Biblioteca Municipal de Luziânia, no Entorno do Distrito Federal, renderam funcionários e fizeram um arrastão, na tarde de quarta-feira (2). Segundo as vítimas, os criminosos roubaram dinheiro, celulares e computadores de pelo menos 15 pessoas, entre funcionários e frequentadores.

A biblioteca fica em frente à sede da Prefeitura de Luziânia, no centro da cidade. As vítimas contaram que os dois assaltantes estavam armados e renderam todas as pessoas que estavam no interior da biblioteca.

A professora Fátima Fonseca, que estava na sala de estudos na hora do crime, afirma que os assaltantes agiram de forma violenta. “Eles entraram apontando arma, xingando, colocando a gente no canto e levaram tudo que a gente tinha”, contou.

Um dos estudantes que estava no local diz que os assaltantes não tiveram a preocupação de esconder o rosto durante a ação. “Eu os vi, não estavam encapuzados”, disse o jovem que não quis ser identificado.

Por conta do assalto, a biblioteca ficou fechada no restante da quarta-feira. Os frequentadores se assustaram ao deparar com as portas do local fechadas. “A gente vem para estudar, achando que é um lugar bom, com silêncio, que tem proteção, segurança e acaba não tendo”, disse uma estudante que não quis se identificar. A biblioteca foi reaberta nesta quinta-feira (3).

O comando da PM de Luziânia informou que já tem pistas sobre os criminosos e tentam encontrá-los. Sobre a insegurança dos moradores, a corporação informou que vai aumentar o patrulhamento no Centro cidade a partir desta quinta-feira. O reforço, segundo a PM, acontece por conta do número de assaltos que estão acontecendo na região.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Geração Editorial é proibida de vender edição de ‘Minha luta’ de Adolf Hitler

Próximo post

Morre uma das maiores pintoras e poetizas da Maré, RJ

1 Comentário

  1. Plínio M. Camargo
    3 de março de 2016 a 16:06 —

    Não havia um(a) agente de segurança no equipamento, o que não surpreende. Parece que os gestores públicos, em geral, acham que ladrões não gostam de livros. Ironia à parte, o descaso das ‘autoridades’ com a Cultura vem tomando proporções catastróficas (vide Museu da Língua Portuguesa, etc.).

Deixe uma resposta