1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

RIO – Para quem gosta de cinema e acha que os preços de uma sessão estão caros, o projeto Domingo é dia de Cinema é uma ótima opção para assistir filmes com uma abordagem crítica a respeito de temáticas que cercam a sociedade brasileira e gastando pouco. Idealizado pelo professor Leon Diniz, o projeto que está completando onze anos de existência, atende em sua grande maioria alunos de pré-vestibulares comunitários do Rio de Janeiro e adjacências que muitas vezes não podem pagar uma sessão que custa em torno de quatorze reais num domingo nas salas dos shoppings centers. As sessões acontecem no primeiro domingo de cada mês, às 9h no Odeon, localizado na Cinelândia, região central da cidade do Rio de Janeiro. As sessões são populares, com ingressos custando R$ 2,00. Após o término da sessão é realizado um debate a respeito da temática escolhida.

Incentivando a criação de cinéfilos

Segundo Leon, um dos objetivos do projeto é criar público para o cinema, o que acaba por ser uma tarefa árdua, uma vez que faltam políticas públicas que incentivem esse tipo de ação. “Temos dificuldade em criar um público maior, porque na verdade não há uma política governamental de criação de público”, destaca Leon. Os preços dos ingressos e a falta de cinemas nas regiões periféricas da cidade dificultam ainda mais o incentivo e a criação de público. Mesmo com essas dificuldades, Leon Diniz se mantém a frente do projeto nesses onze anos e com muito orgulho afirma que só faltou uma única sessão devido a problemas de saúde.

Para o professor André Tinoco, que acompanha o projeto desde a época de aluno, o Domingo é dia de Cinema é fundamental pelo fato de debater temas que são pouco frequentes na mídia. Essas discussões propiciam para os alunos uma visão mais crítica e longe do senso comum, ou seja, o aluno pensa e não reproduz. Para Tinoco, o pré-vestibulando consegue aplicar nos alunos esse conhecimento adquirido nos filmes e nos debates quando estes ingressam na universidade.

Temas polêmicos em debate

A revista biblioo esteve presente na última sessão, realizada no dia 10 de julho, com a exibição do filme Cortina de Fumaça, cujo foco é um tema bastante polêmico: a legalização das drogas. Para isso foram convidados para o debate, o compositor Marcelo Yuka, o sociólogo Renato Cinco e o diretor do filme Rodrigo Mac Nivem. Renato Cinco, ativista em prol da legalização da maconha, ressaltou que debater sobre a legalização das drogas não é simples. As resistências da sociedade dificultam a realização do debate sendo preciso coragem para pautar esse tema.

Mesmo com a apresentação de um tema polêmico, o debate se deu em alto nível, com contribuições do Yuka, Cinco e principalmente de Rodrigo que comentou a respeito dos bastidores e da ideia de criar o documentário que fora exibido na ocasião. O público participou de forma ativa no decorrer do debate, trazendo questionamentos para os debatedores, e até mesmo, sugestões para o diretor do filme.

Tanto Leon Diniz como André Tinoco, concordam que discutir esse tema dentro de sala de aula ainda é um tabu. Para ambos, existe uma dificuldade em debater e sempre aparecem polêmicas agregado ao discurso da televisão e da religião. A aluna Diana Pazzini do pré-vestibular Oficina do Saber da Universidade Federal Fluminense (UFF), afirma que o projeto amplia a sua perspectiva. Em relação à temática da legalização das drogas, ela comenta que é apresentada somente a proibição e muitas informações colocadas no debate não eram do seu conhecimento.

O idealizador – Leon Diniz

Nesses onze anos de atuação o Domingo é dia de Cinema tem se expandido. A ideia também foi implantada no campus de São Gonçalo da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) com o Sábado é dia de Cinema. Lá a exibição do filme tem inicio às 14h em um sábado de cada mês. De acordo com Leon, é importante estar com o público de São Gonçalo que também sofre com a falta de acesso ao cinema.

A próxima sessão do Domingo é dia de Cinema será realizada no mês de agosto, um ótimo programa para uma manhã de domingo. Vale a pena conhecer o projeto e ter a oportunidade de assistir filmes e documentários que nem sempre estão em cartaz nos grandes circuitos.

Clique aqui e leia integralmente a entrevista de  Leon Diniz que compôs essa reportagem.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Gestão Eletrônica de Documentos

Próximo post

Leon Diniz

9 Comentários

  1. cristiano Lima
    5 de agosto de 2011 a 14:51 — Responder

    Grande iniciativa, cultura e reflexões sobre temas atuais e a oportunidade de assistir filmes de fora do circuitão, tomara que exibam o novo filme de Cláudio Assis !!!

  2. Marcelo
    5 de agosto de 2011 a 15:53 — Responder

    Bela matéria. Conheço o projeto Domingo é dia de Cinema e ali tive a chance de ver muitos bons filmes que jamais teria a chance de ver em circuito comercial e muitas vezes não são encontrados nem em locadoras. Filmes que põem seus expectadores para pensar.Um projeto importante que deve seguir sempre formando novas platéias apresentando-as a um universo cinematográfico diferente da diversão ligeira a qual temos fácil acesso em qualquer shopping ou locadora da esquina

  3. Waldinan
    9 de agosto de 2011 a 20:43 — Responder

    Projeto como este deveriam ter espaço em nossa impressa imparcial!
    Como ex-aluno do Pré-Vestibular Oficina do Saber, um projeto rico em conhecimento e dedicação total de ótimos colaboradores, professores renomados comprometidos com um só objetivo: EDUCAR e ajudar jovens oriundos de um ensino médio fraco vindo da rede publica.
    Tive o privilegio em participar vários debates em: “Domingo é dia de Cinema” que se não me falhe a memória vi o documentário a COPA muito interessante.
    Acompanhado deste mesmo Editor; Rodolfo Targino. Como meu colega de turma.
    E de um excepcional Professor. Jorge Mitrano. Em um debate maravilhoso
    Suspeito em falar deste projeto que e sensacional.
    Ta de Parabéns “TCHE” pela matéria. Assim chamávamos, acho que muitos ainda o chamam deste apelido! RODOLFO TARGINO.

  4. Felintro
    10 de agosto de 2011 a 0:27 — Responder

    É gratificante saber que esse projeto criado inicialmente como um complemento cultural para alunos de cursos pré-vestibulares do Rio, permanece vivo e com sua função plenamente ativa.

  5. Ana Márcia
    10 de agosto de 2011 a 3:15 — Responder

    Rodolfo Targino, tô feliz com sua participação na Revista Biblioo, gostei da dica de cinema! Há aproximadamente 15 dias um filme sérvio chamado A Serbian Filme: terror sem limites foi censurado. O filme ilustra, através vários tipos de violência, o sofrimento/abuso que o povo sérvio sofre. Talvez este fosse um assunto interessante para debate e estou sugerindo ele, a censura no cinema. Bjo grande!!!

  6. Tatiana Andrade
    11 de agosto de 2011 a 3:14 — Responder

    Parabéns Rodolfo Targino (Che)! Fico muito feliz com a sua participação na Revistaaaa…curti muito e espero que essa matéria seja uma dAs milhares matérias cativantes e interessantes que você faça! Um grande Beijo e Sucesso sempre!!!! 😉

  7. Taiza Paulino
    12 de agosto de 2011 a 15:52 — Responder

    Gostei muti da matéria, vou divulgar pra todos meus amigos!!! Parabens pela iniciativa

  8. 12 de agosto de 2011 a 15:56 — Responder

    Fico muito feliz em saber que se faz por realizado algo importante, como sua participação na resista ‘TCHE’!! Muitos como eu, sabem do seu esforço e dedicação, e sabemos que ama o que faz!!!
    Essa iniciativa é realmente muito especial, não só pela importância cultural; mas também por saber que fez parte não só da sua, como da minha vida acadêmica também…afinal só mesmo nós, acordar bem cadinho pra ir lá assistir à mais um filme e um documentário!! rs.. Realmente fico feliz, Parabéns!!!

  9. Karen Ianino
    17 de agosto de 2011 a 1:12 — Responder

    Muito boa a matéria! Sempre gratificante ver projetos como esses, onde a cultura é divulgada. Parabéns, Rodolfo Che.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *