23
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

O futuro das bibliotecas está ao virar da esquina. Não espere que ele chegue, comece a trabalhar a partir de agora. Tudo o que avança hoje fará parte do caminho percorrido para chegar a esse futuro que nunca chega, exceto se você olhar para o passado.

Porque bibliotecas de agora são muito diferentes daquelas de uma década atrás? Para que você saiba que as bibliotecas de agora também serão diferentes das daqui a dez anos.

As bibliotecas devem conhecer os diferentes caminhos que podem ser trilhados e começar a assimilá-los. Para isso não há nada melhor do que olhar para as bibliotecas (eu não falo o interior como um espaço físico, mas algo que vai além do que carrega em seu DNA), para identificar os pontos fortes e oportunidades de melhoria. Neste sentido, a IFLA tem trabalhado há algum tempo por meio do seu programa Visão Global da IFLA.

“Os desafios que o campo da biblioteca enfrenta em face da globalização são cada vez maiores e só podem ser superados através de uma resposta global inclusiva a partir de um campo de bibliotecas unificado. É por isso que a IFLA envolveu milhares de bibliotecários e amigos da biblioteca na discussão da IFLA Global Vision, uma iniciativa que irá gerar um roteiro do campo da biblioteca unificada para o futuro.”

Em julho passado, realizou-se o segundo workshop espanhol “Visión Global de la IFLA” (“Como um setor de bibliotecas unidas pode enfrentar os desafios do futuro – ideias para ações”).

Neste workshop, uma série de desafios/oportunidades de biblioteca foram identificados e uma série de ações foi proposta para alcançá-las . Em seguida, compartilho os 10 desafios identificados (do mais importante ao menos importante para o setor profissional) juntamente com suas ações:

1) Os papéis tradicionais da biblioteca na era digital devem ser atualizados

O bibliotecário de hoje tem pouco a ver com o bibliotecário do passado. Certamente, nem mesmo o bibliotecário de agora tem a ver com o bibliotecário do futuro. A tecnologia e a digitalização estão abrindo novas oportunidades de aproveitamento para alcançar os usuários e fornecer novas formas de acesso à informação por meio da criação de recursos e utilidades para influenciar seu desenvolvimento pessoal e profissional.

As ações propostas para alcançar este desafio estão focadas em treinar os usuários no uso da informação, fornecendo a eles novas fontes de informação curateladas pela biblioteca e proporcionando maior acesso a grupos específicos:

  1. Educação para os usuários antes de um novo tipo de informação. Mediadores/Formadores = Educadores para disseminadores.
  2. Criação de novas fontes de informação a partir de repositórios e bases de dados digitais. Curadoria de conteúdo. Colaboração institucional = Criadores de informação.
  3. Maior acesso a grupos específicos.

2) As necessidades da comunidade bibliotecária devem ser melhor compreendidas e os serviços devem ser projetados para causar impacto

Não basta saber o número de usuários, visitas ou empréstimos em bibliotecas, é preciso ir mais além e avaliar a qualidade dos números para melhor entender a comunidade de usuários da biblioteca.

Além disso, é necessário equipar os diferentes profissionais com as bibliotecas mais importantes para projetar e desenvolver novos serviços e prestar atenção às novas tendências tecnológicas e sociais.

As ações propostas para alcançar este desafio estão voltadas para a realização de estudos qualitativos na biblioteca, dando maior importância à colaboração e desenvolvimento profissional, e a inclusão de novas tecnologias.

  1. Além da coleta sistemática de resultados (estudo quantitativo), é necessário realizar estudos qualitativos da atividade das bibliotecas para analisar o retorno do investimento.
  2. Incluir a versatilidade e transversalidade dos diferentes profissionais da informação e estabelecer a colaboração entre eles na concepção de serviços.
  3. Incluir tecnologias e tendências disruptivas (gamification, inteligência artificial, etc.).

3) As bibliotecas devem adaptar-se a mudanças tecnológicas permanentes

Vivemos em uma mudança tecnológica contínua. O que há alguns anos foi a mais recente tecnologia já é assimilado pela sociedade ou passou com mais tristeza do que glória para as vidas das pessoas e organizações. As bibliotecas devem estar cientes dessas mudanças para aproveitar o potencial da tecnologia nos serviços e recursos a serem oferecidos às comunidades de usuários.

As ações propostas para atender este desafio incidirá sobre a troca de experiências profissionais, para envolver a sociedade na vida da biblioteca, desenvolver e fortalecer parcerias com organizações e associações, e aproveitar ao máximo os recursos econômicos da biblioteca.

  1. Crie redes profissionais de intercâmbio.
  2. Envolva cidadãos e estudantes de outros setores como uma oportunidade de aprendizado para bibliotecários e para atividades de biblioteca.
  3. Reforçe alianças entre associações, administrações e empresas para que o conhecimento e a aquisição de novas competências sejam mais rápidos.
  4. Focar os recursos econômicos na contratação de mais serviços e diminuir a compra de equipamentos que, por vezes, não são rentáveis.

4) Mais e melhores promotores e defensores da profissão são necessários em todos os níveis

A biblioteca é para todos e, entre todos, devemos cuidar e defendê-la. As pessoas precisam saber o que podem fazer por elas e, para isso, é importante pensar e executar ações de visibilidade e impacto. E é porque a sociedade precisa de bibliotecas fortes, as bibliotecas precisam de uma sociedade forte que as promova e as defenda.

As ações propostas para atender este desafio vão se concentrar no fortalecimento da imagem da biblioteca e do bibliotecário, fincar presença na mídia e visibilidade para a biblioteca, e proporcionar mais dinheiro e recursos para as associações profissionais para a defesa de bibliotecas.

  1. Trabalhe a imagem da biblioteca para a sociedade e para os políticos para torná-la atraente. Crie campanhas de marketing que mostram o que uma biblioteca realmente é.
  2. Crie o dia do ‘orgulho do bibliotecário’. Aumentar a auto-estima do bibliotecário.
  3. Alcançar maior presença nas mídias e redes sociais de bibliotecas e profissionais. Seja influenciadores.
  4. Projetar, promover, divulgar e explorar os prêmios que tornam as bibliotecas visíveis em outros coletivos.
  5. Fortalecer os recursos econômicos e humanos das associações para que possam continuar e aumentar as ações de lobby.

5) Um espírito de colaboração bibliotecária deve ser desenvolvido

A colaboração entre bibliotecas e profissionais é de extrema importância. Trabalhar como uma marca única dará mais força ao setor. Para isso, é mais do que necessário que bibliotecas, bibliotecários e associações concentrem seus esforços e pensem como um grupo para alcançar os grandes objetivos propostos.

As ações propostas para alcançar este desafio estão focadas em integrar ainda mais as bibliotecas na sociedade, e unir o setor de bibliotecas (e associações) para trabalhar na mesma linha.

  1. Mude a mentalidade e o modo de se relacionar com o meio ambiente, com os usuários; implementar dinâmicas de busca ativa de aliados, demonstrar maior sensibilidade ao que acontece no ambiente (sociedade civil, fóruns políticos, culturais, etc.).
  2. Incluir na gestão e no trabalho das bibliotecas ações que o tornem um nó relacional entre os profissionais e a comunidade (indivíduos e grupos), não apenas nos centros de atenção às necessidades informativas dos usuários. Mediação social e cultural.
  3. Criar redes e estruturas colaborativas entre bibliotecários de todos os setores e tipos de bibliotecas.
  4. Fortalecer a colaboração de todas as associações de bibliotecas o país. Organizações com os mesmos objetivos não podem trabalhar separadamente.
  5. Alinhar as estratégias de todas as instituições da biblioteca. Fortalecer o conselho de cooperação entre bibliotecas como o fórum que alinha as estratégias de políticas da biblioteca entre bibliotecas e entre outros agentes em setores próximos, nos níveis nacional e regional.

6) Você deve lutar pela liberdade intelectual da biblioteca

A pluralidade social é uma realidade e deve ser respeitada, entendida e tratada a partir do mundo das bibliotecas. Bibliotecas mediam o acesso à informação e é por isso que todos os tipos de conteúdo devem ser oferecidos para atender às diferentes demandas de informação que as pessoas possam ter.

A colaboração entre bibliotecas e o acesso aberto é apresentada como parte da solução para fornecer às pessoas, mais os recursos de informações.

As ações propostas para alcançar este desafio estão voltadas para a colaboração com bibliotecas especializadas e agentes sociais, promovendo o acesso aberto, internalizando o código ético profissional, defendendo a liberdade de acesso à informação, fomentando o pensamento crítico e compreendendo a pluralidade social da época para criar coleções, recursos e serviços.

  1. Maior colaboração com bibliotecas especializadas .
  2. O código profissional de ética deve ser conhecido e vinculativo.
  3. Realizar ações para modificar a legislação do bibliotecário, de modo que nosso espírito plural seja explicitamente incluído.
  4. Acesso Aberto .
  5. Seja beligerante com a neutralidade da rede.
  6. Expandir os interlocutores (todos os agentes sociais nas localidades).
  7. Garantir a pluralidade (recursos, cobranças, etc.).
  8. Incentive o pensamento crítico.

7) Assegure-se de que as partes interessadas compreendam o valor e o impacto da biblioteca

Nem todo mundo entende igualmente o valor das bibliotecas na sociedade. Sem dúvida, chegou a hora de mostrar o potencial e o valor das bibliotecas, oferecendo dados quantitativos e qualitativos de bibliotecas externas ao setor profissional e a entidades políticas e governamentais.

As ações propostas para alcançar este desafio estão focadas na comparação de resultados, oferecendo dados de retorno sobre o investimento, promovendo e disseminando bibliotecas em outros setores.

  1. Sempre inclua nos relatórios de atividades das bibliotecas a comparação dos resultados, a fim de avaliá-los melhor.
  2. Melhorar os métodos de avaliação da biblioteca, incluindo a perspectiva social e o retorno sobre o investimento.
  3. Aumentar a promoção e divulgação do nosso trabalho para a comunidade.
  4. Aumentar a presença de profissionais e associações em fóruns de outros setores.

8) As estruturas e comportamentos existentes devem ser desafiados

Bibliotecas evoluem, e seus profissionais e funções também as seguem. Eles devem estar preparados para enfrentar novos desafios (mobilidade profissional, novos perfis profissionais…), e isso requer motivação e treinamento.

As ações propostas para alcançar este desafio concentram-se na mobilidade profissional, motivação, formação e novos perfis profissionais em bibliotecas.

  1. Incluir mobilidade profissional.
  2. Identificar mecanismos de motivação profissional.
  3. Treinamento e oportunidades de interação com outros setores.
  4. Incluir novos perfis profissionais em bibliotecas.

9) O acesso ao patrimônio documental mundial deve ser maximizado

Quando o acesso à informação é um direito dos cidadãos, as bibliotecas devem promover este acesso para o mundo do patrimônio documental. A ciência aberta e as bibliotecas virtuais são apresentadas como duas boas maneiras de fornecer à sociedade acesso à informação e ao conhecimento.

As ações propostas para alcançar este desafio estão focadas em fornecer às bibliotecas voz no campo da propriedade intelectual, trabalhando em ambientes abertos, bibliotecas virtuais e ciência aberta, gerando conhecimento e tornando as bibliotecas uma referência no mundo digital.

10) Os jovens profissionais devem receber oportunidades efetivas de aprendizado, desenvolvimento e liderança

As novas gerações estão carregadas de ideias e novas formas de ver a função da biblioteca. É por isso que estes profissionais devem ter a oportunidade de desenvolver e liderar iniciativas de valor.

As ações propostas para alcançar este desafio estão focadas em realizar estágios em posições de liderança, fazendo mudanças no acesso a cargos de gestão, aproximando associações profissionais de estudantes e jovens profissionais, promovendo intercâmbios profissionais…

  1. Incluir nas práticas profissionais o acesso a todas as posições e níveis de trabalho, inclusive gerenciais.Incluir cotas para que os jovens sejam representados em instituições e órgãos profissionais e bibliotecários.
  2. Fazer alterações no acesso aos cargos gerenciais; avaliar outros aspectos além dos anos de experiência em bibliotecas.
  3. Aproximar as associações de estudantes e recém-formados.
  4. Projetar programas de intercâmbio profissional para motivá-los.
  5. Elevar, em nível nacional, um programa de líderes enquadrados nas linhas gerais recomendadas pela IFLA.

*Publicado originalmente no site de Julián Marquina sob o título “10 retos que las bibliotecas deben asumir para enfrentarse a los desafíos del futuro”. Traduzido por Cláudia Anjos, bibliotecária da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Chico Alencar: uma história parlamentar de sucesso

Próximo post

Crônicas de uma andarilha pós-Idade Média – Parte 10