1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

O administrador Guilherme Relvas D’ Oliveira foi exonerado do cargo de Diretor do Departamento de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB) da Secretaria de Economia Criativa da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania. A exoneração foi publicada no Diário Oficial da União, no último dia 20 de maio através da Portaria nº 1773.

Relvas havia assumido a pasta no segundo semestre de 2017, ainda no governo Michel Temer, por indicação de Mansur Bassit, então secretário da Economia do extinto Ministério da Cultura. Além de diretor do DLLLB, o paraense Guilherme Relvas também ocupou o cargo de secretário-executivo do Sistema Estadual de Bibliotecas do Pará e participou da organização da terceira edição do Encontro Nacional de Bibliotecas Comunitárias, realizado em Belém de 30 de maio a 02 de junho de 2017.

Um dos últimos compromissos do qual participou como diretor do Departamento foi no evento “Diálogos para mudança”, realizado no Senado Federal em Brasília em comemoração ao dia do bibliotecário deste ano. Em sua apresentação destacou a importância do bibliotecário pensar novos serviços em um mercado cada vez mais tecnológico.

“O bibliotecário, como profissional da informação, tem hoje como desafio atender as novas demandas informacionais surgidas com o crescimento do uso da Internet, e pensar novos serviços diante de um mercado cada vez mais tecnológico. Esses desafios poderão ser superados pelo bibliotecário e suas instituições, buscando novas capacitações, conhecimentos em tecnologias e inovando seus serviços”, comentou Relvas na ocasião.

Departamento do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas

Criado em 2008, o DLLLB nasceu como uma Diretoria (só depois virou Departamento) subordinada ao Ministério da Cultura tendo como função a fomentação e a avaliação das políticas públicas relacionadas às áreas do livro, leitura, literatura e bibliotecas. Em 2014, ganhou mais importância e passou a incorporar em sua estrutura o Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP); o Programa Nacional de Incentivo à Leitura (Proler); a Biblioteca Demonstrativa de Brasília e as Coordenações-Gerais de Leitura e Literatura e Economia do Livro.

Em 2016, durante o governo Michel Temer, foi iniciado o processo de desmantelamento da DLLLB que ocasionou a saída de Volnei Canônica, então titular do cargo. Em 2017, Cristian Brayner foi o primeiro bibliotecário a assumir a pasta que deixou de ser uma Diretoria e passou a ser um Departamento. Em agosto de 2017 Brayner deixou o cargo devido aos cortes orçamentários e a anomalia institucional, uma vez que em menos de nove meses esteve subordinado a quatro ministros.

Com a extinção do Ministério da Cultura no governo Bolsonaro, a pasta foi ainda mais desarticulada e atualmente o Departamento de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas passou a integrar a Secretaria de Economia Criativa da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania.

Em tempo: comenta-se nos bastidores em Brasília a possibilidade das políticas públicas envolvendo livro, leitura, literatura e bibliotecas “retornem” para à Fundação Biblioteca Nacional (FBN), o que representaria a volda do DLLLB ao Rio de Janeiro. “A ideia cai como uma luva em Brasília, diante da lógica de ‘contigenciamento’”, disse à Biblioo um interlocutor.

Procurado pela nossa equipe, o Ministério da Cidadania informou que Relvas pediu exoneração para retornar ao seu estado de origem por questões pessoais. “A Secretaria Especial da Cultura lamenta sua saída. A equipe será mantida e, em breve, o nome do substituto de Relvas será anunciado”, informou a entidade. Até o fechamento dessa reportagem não havíamos conseguido contato com Relvas para comentar o assunto.

*A reportagem foi atualizada às 17h15 para incluir a posição do Ministério da Cidadania.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

“A ciência da informação é uma metodologia pelo direito de saber”

Próximo post

Porque a obrigatoriedade da bíblia em biblioteca pública é inconstitucional