3
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Na área de Ciência da Informação, tem-se três conceitos chave devido a sua importância. São eles: dados, informação e conhecimento. A literatura profissional e acadêmica apresenta significados diversificados para cada conceito. Evidentemente, os três principais conceitos estão interligados, mas a natureza das relações entre elas é discutível, bem como os seus significados. A partir desse quadro, em 2007 foi publicado um artigo científico chamado “Conceptual Approaches for defining Data, Information and Knowledge” numa importante revista da área chamada  Journal of The American Society for Information Science and Technology (JASIST).  Esse artigo trata de uma pesquisa desenvolvida pelo professor Chaim Zins que tem como objetivo explorar os significados dos três conceitos fundamentais (dados, informação e conhecimento), suas relações e como esses conceitos são percebidos pelos principais estudiosos da Ciência da Informação na comunidade acadêmica.

Chaim Zins é um cientista da informação israelense, especializado em mapeamento do conhecimento. Dentre seus principais projetos de pesquisa estão: metodologia de pesquisa, 10 pilares do conhecimento, mapa da Ciência da Informação, e o Delphi crítico. Professor na Universidade de Haifa (Israel), do Gordon College of Education (Israel), e também professor visitante no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP (Marília, SP), ele possui um site onde é possível acompanhar seus estudos e pesquisas, principalmente na área de mapeamento do conhecimento: https://www.success.co.il/

O presente artigo, Conceptual Approaches for defining Data, Information and Knowledge, é um dos quatro resultantes de um painel de pesquisa, realizado entre 2003-2005, com objetivo de trazer diretrizes para os cursos de Ciência da Informação (CI) dos Estados Unidos. A pesquisa, “Mapa do conhecimento da Ciência da Informação”, foi destinada a explorar os fundamentos da área. Os quatro artigos resultantes dessa pesquisa tratam respectivamente:

1. Definições de conceitos fundamentais de dados, informação, conhecimento;

2. Concepções alternativas em relação ao domínio da Ciência da Informação;

3. Diferentes mapeamentos classificatórios da área de Ciência da Informação; e

4. Mapeamento compreensivo da Ciência da Informação.

Em entrevista com o professor Zins, ele nos disse que seu principal interesse atualmente é o mapeamento do campo da Ciência da Informação, pois, segundo o próprio, seu campo de atuação é o mapeamento do conhecimento. “Esclarecer as concepções de dados, informação e conhecimento [artigo 1] foi necessário para a definição da concepção de Ciência da Informação [artigo 2], e para esclarecer o conceito de CI era necessário o mapeamento do campo [artigo 4].”

Para desenvolver este primeiro estudo sobre os três conceitos chave, o professor Zins utilizou a metodologia Delphi, que permite a identificação de tendências e eventos futuros, por meio da consulta a um grupo de especialistas sobre o tema. Consiste em rodadas de feedbacks com aplicação de questionários. Nesta pesquisa ocorreram três rodadas de questionários estruturados com questões abertas. O painel internacional e intercultural, segundo Zins, foi composto por 57 principais acadêmicos de 16 países, que representam (quase) todos os principais subcampos e aspectos importantes da área. Dentre os acadêmicos convidados, estão três professores brasileiros: Lena Vânia Pinheiro (IBICT); Aldo de Albuquerque Barreto (IBICT) e Anna da Soledade Vieira (UFMG).

A fim de melhor avaliar e analizar o contexto, o autor preferiu organizar as definições em grupos, de acordo com suas abordagens conceituais, pois, segundo o próprio, essa organização facilita uma melhor compreensão da lógica e das inter-relações entre os três conceitos, como eles são compreendidos e definidos por cada acadêmico. Chaim Zins apontou para a existência de cinco diferentes linhas de pensamento sobre os conceitos de dado (D), informação (I) e conhecimento (C). Ele organizou essas diferentes linhas em modelos de acordo com o tipo de domínio, definido por ele como objetivo e universal. O domínio objetivo (DO) é entendido como o que é externo ao indivíduo e o domínio universal (DU) considera o que é interno ao indivíduo.

Esses são os cinco modelos propostos por Chaim Zins:

Vanessa Souza - Dado, informação e conhecimento - imagem1

De acordo com o autor, a maioria dos acadêmicos participantes da pesquisa defininem dado, informação e conhecimento através do modelo 1, pois entendem que o conhecimento existe apenas na mente humana, como resultado da nossa capacidade de pensar. Por sua vez, dado e informação são expressos fora da mente humana, como em banco de dados, livros, revistas, fotografias, etc. Segundo o autor, essa visão mais frequente faz sentido, uma vez que o nome da área é “Ciência da Informação”, e não “Ciência do Conhecimento” ou “Ciência dos Dados”.  Já para o próprio autor, que também participou da pesquisa, a melhor definição dos três conceitos se encaixa no modelo cinco, onde dado, informação e conhecimento ocupam tanto o domínio objetivo quanto o domínio universal.

Para o autor, este artigo deve ser considerado um documento antropológico, pois é uma coleção inestimável que documenta as concepções de dados, informação e conhecimento e como eles são compreendidos pelos principais estudiosos da ciência e da comunidade acadêmica. Zins conclui que esse estudo pode ajudar o leitor a uma melhor compreensão das questões e as considerações relativas à criação dos fundamentos da Ciência da Informação, no entanto, não significa que isso substitua a busca pessoal de fundamentos teóricos sólidos.

Para saber mais sobre o tema, leia:

Vanessa Souza - Dado, informação e conhecimento - imagem2Desafios do Impresso Digital: questões contemporâneas da Informação e do conhecimento
Organização: Gilda Maria Braga e Lena Vânia Ribeiro Pinheiro
ISBN: 978857013066-2
Editora: Ibict/Unesco
Ano: 2009
Disponível aqui.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Estimular a leitura no Amazonas

Próximo post

Bibliotecários e ebooks

Sem comentários

Deixe uma resposta