66
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Manter as bibliotecas seguras é importante para seus trabalhadores e seus usuários. Porém, durante a atual pandemia do COVID-19, perguntas sobre como fazer isso – principalmente quando se trata de materiais e superfícies – têm respostas complicadas.

É uma situação sem precedentes. Os conservadores, com experiência em diagnosticar e reparar danos às coleções, dizem que faltam informações históricas sobre a higienização dos materiais da biblioteca.

Apesar das evidências anedóticas de um artigo de 2019 na Smithsonian Magazine, Evan Knight, especialista em preservação do Conselho de Comissários de Bibliotecas de Massachusetts, diz que há muito poucos dados históricos disponíveis. “[Não há] nada publicado ou compartilhado de epidemias anteriores”, diz ele.

Também é um desafio analisar a pesquisa em evolução. Um estudo de janeiro do Journal of Hospital Infection relatou que os coronavírus semelhantes ao SARS-CoV-2, responsável pelo COVID-19, podem persistir em algumas superfícies inanimadas (como metal, vidro e plástico) por até nove dias e no papel por quatro ou cinco dias.

Enquanto isso, dados recentes do National Institutes of Health indicam que o SARS-CoV-2 é detectável em aerossóis por até três horas, até quatro horas em cobre, até 24 horas em papelão e talvez apenas dois a três dias em plástico e aço inoxidável.

A pandemia também apresenta desafios de natureza mais filosófica. “[É] difícil conciliar os requisitos de saúde pública desta pandemia com a nossa missão”, diz Jacob Nadal, diretor de preservação da Biblioteca do Congresso (LC), que fechou ao público em 12 de março e cancelou eventos até 11 de maio “É comovente ver como essa doença nos obriga a recuar exatamente no momento em que queremos avançar”.

O tempo é o melhor desinfetante

No entanto, recuar pode ser a melhor defesa contra uma ameaça ainda em desenvolvimento. O desinfetante mais fácil, mais seguro e mais barato é o tempo. “Esta pandemia é uma situação única para a maioria dos conservadores, por isso não sabemos muito sobre desinfecção em geral, e especificamente sobre esse vírus”, diz Knight. “Nossa opinião é que a profilaxia, ou medidas preventivas, são as melhores.”

Fletcher Durant, diretor de conservação e preservação da Universidade George A. Smathers Libraries da Universidade da Flórida, sugere que todas as bibliotecas sigam a recomendação da ALA de 17 de março para fechar ao público. “O isolamento por no mínimo 24 horas e, de preferência, 14 dias, é o melhor desinfetante”, diz ele.

“É simplesmente a melhor e mais segura coisa que nós, bibliotecários, podemos fazer neste momento.” Durant diz que se trata de proteger as bibliotecas e o público. “As bibliotecas podem fornecer um vetor de risco para a propagação da doença, que, além dos impactos diretos à saúde, pode reduzir a confiança do público nas bibliotecas”, diz ele.

Isso também significa que as bibliotecas devem planejar permanecer fechadas até que o risco de infecção pública seja eliminado. “Seríamos os primeiros a dizer que não estamos preparados para fazer recomendações sobre virologia, bacteriologia ou questões médicas”, diz Nadal. “Quarentena após a viabilidade do vírus é o melhor plano.”

Limpeza e higienização

Algumas bibliotecas, no entanto, têm uma missão que impede a quarentena completa. A LC, por exemplo, continua a apoiar o Congresso enquanto está em sessão, o que exige que alguns funcionários estejam no local. Outras bibliotecas estão mantendo serviços com check-outs de materiais na calçada. Isso significa que são necessários métodos adicionais de higienização.

As superfícies duras internas, incluindo mesas, maçanetas, porta-livros e computadores, devem ser limpas profissionalmente. Os especialistas também observam que os fones de ouvido de realidade virtual foram sinalizados como um fator de risco, e as bibliotecas devem adiar seu uso.

“Se possível, contrate um serviço de limpeza profissional que possua treinamento e equipamentos de proteção individual adequados para realizar esse trabalho”, diz Nadal. “Este é um momento de cautela excepcional.”

Qualquer equipe que trabalha no local deve instituir uma lavagem cuidadosa das mãos, principalmente ao manusear livros ou objetos compartilhados na biblioteca. “Não há estudos que respondam especificamente à questão de quão transmissível o coronavírus pode ser dos materiais mais comuns da biblioteca, como papel revestido e não revestido, tecido de livro ou jaquetas de poliéster”, diz Nadal. “Temos que procurar informações de alta qualidade e avaliá-las criticamente para determinar quão bem elas se aplicam às nossas preocupações particulares”.

Evitando danos materiais

Knight diz que os bibliotecários devem ser cautelosos ao usar solventes de limpeza em livros e em outros materiais potencialmente frágeis da biblioteca. “Não conheço um produto de limpeza ou desinfetante ‘menos prejudicial’, especialmente para objetos de óbvio valor duradouro”, diz ele, explicando que os riscos para livros sujeitos a limpeza ou desinfecção aquosa incluem danos à água e dobradiças e articulações enfraquecidas.

“Os livros embrulhados em poliéster ou polietileno podem ser mais razoavelmente limpos e desinfetados, e fortes coberturas de tecido com fivela para encadernação na biblioteca provavelmente também podem suportar a limpeza aprimorada”, acrescenta ele. “Mas, novamente, se alguém estiver planejando limpar e desinfetar coleções, mesmo entre volumes com cobertura polivalente, eles devem entender e aceitar que haverá danos à coleção”.

Há evidências de que certos métodos podem não ser eficazes de qualquer maneira. “As concepções errôneas comuns podem ser que pulverizar ou limpar a parte externa de um volume com Lisol, álcool ou água sanitária é suficiente para desnaturar o vírus em todo o volume”, diz Durant.

A luz ultravioleta (UV) também representa um risco potencial para os materiais de coleta devido à sua alta intensidade. E devido à dificuldade de confirmar que todas as páginas foram expostas à luz, o esforço pode ser infrutífero.

“A irradiação germicida por UV geralmente é considerada eficaz na exposição de 2–5 milijoules por centímetro quadrado [mJ / cm2]”, diz Durant. “No entanto, para que essa exposição seja eficaz, ela deve ser uma exposição completa, o que é quase impossível de alcançar com livros encadernados. Certamente não é tão eficaz quanto simplesmente isolar os livros por pelo menos 14 dias “.

No entanto, mesmo enquanto as bibliotecas continuam aprendendo novos procedimentos de preservação, certas constantes permanecem. “É um bom momento para pensar sobre o papel das bibliotecas como administradores da memória e da cultura”, diz Nadal.

“Vamos ficar fechados por um período de tempo, e nossa ética de serviço constante tornará isso doloroso. Manter os materiais em quarentena e fora de circulação será frustrante. [Mas] somos guardiões de uma longa história, e nossa principal obrigação agora é garantir que haja um futuro longo para o conhecimento e a criatividade registrados, confiados a nossos cuidados.”

*Publicado originalmente na American Libraries sob o título “How to Sanitize Collections in a Pandemic” |Tradução: Chico de Paula

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Editores internacionais liberam acesso gratuito durante pandemia da Covid-19

Próximo post

O Arquivo Nacional e o valor legal do documento digitalizado

1 Comentário

  1. […] Fonte: REVISTA BIBLIOO […]