6
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Com o objetivo de dar continuidade e promover uma maior abrangência das atividades de mediação de leitura e informação desenvolvidas no âmbito dos Centros Educacionais Unificados (CEUs) da cidade de São Paulo em tempos de confinamento, bibliotecárias criaram um canal no YouTube onde oferecem uma série de serviços.

Inaugurado em 27 de março de 2020, o Canal BiblioCEU era uma ideia antiga que se transformou em realidade após a imposição da quarentena e consequente fechamento das bibliotecas em função da pandemia do coronavírus, que em São Paulo já matou 371, conforme os números do último balanço.

Os conteúdos veiculados buscam reproduzir um pouco do cotidiano interativo das bibliotecas, envolvendo indicações de leituras, resenhas literárias, declamação de poesias, contações de histórias, oficinas de materiais, tutoriais de acesso a catálogos de livros, dentre outras estratégias de aproximação das pessoas ao universo da leitura, da pesquisa e dos acervos.

A iniciativa vem sendo realizada de forma coletiva e colaborativa: são cerca de 25 bibliotecários que se revezam produzindo conteúdo para o canal. Os vídeos são gravados pelos bibliotecários com seus próprios celulares e depois são disponibilizados em uma pasta compartilhada com os colegas, que podem dar sugestões.

Há um bibliotecário responsável por organizar documentalmente o fluxo de trabalho, Isaac Braga Filho (CEU Inácio Monteiro). Após isso, os editores – Hernani Correa (CEU Lajeado) e Aline Franca (CEU Parque Veredas) – trabalham com os vídeos que serão postados pelas administradoras do canal: Cíntia Mendes (CEU Cidade Dutra) e Francine do Prado (CEU Guarapiranga).

Há ainda uma pessoa responsável por repercutir os vídeos nas redes sociais das bibliotecas dos CEUs – Sandra Cardoso (CEU Parque Veredas) – e uma pessoa responsável pela qualidade de conteúdo frente aos direitos autorais – Cássia Ferreira (CEU Vila Atlântica).

Cada um dos profissionais avalia sua disponibilidade de tempo e habilidades pessoais para melhor poder contribuir com os processos de produção, edição, divulgação e suporte de conteúdo. Além do canal, todos desenvolvem outras atividades administrativas e técnicas das bibliotecas.

O primeiro vídeo foi de boas vindas, apresentado por Carlos Otelac, do CEU São Mateus, que incluiu declamação poética e indicação de leitura.  O segundo conta a história “A Festa no céu”, e foi interpretado por Aline Tavella, do CEU Perus. O terceiro foi uma oficina de marcadores de livros, mediada por Marinete Melo, do CEU Quinta do Sol.

Com poucos dias de existência, o canal já conta com mais de 400 inscritos e 1.100 visualizações. Segundo os produtores do canal, a expectativa é a de que esses números aumentem muito mais nos próximos dias tendo em vista a resposta positiva do público e a pertinência de ações de estímulo à leitura em tempos de reclusão social.

Sandra Cardoso acredita que essa pode ser uma tendência nas bibliotecas no que se refere à aproximação com o público mesmo após a pandemia. “Penso mais na aproximação conceitual do que na aproximação propriamente física. Esta necessidade das pessoas compartilharem conhecimento e pesquisarem livremente é algo que vem desde a antiguidade e se mantém até hoje”, diz.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Mudança na “Minha Biblioteca”, uma das maiores bibliotecas digitais do país

Próximo post

Iphan recebe artigos sobre os 20 anos da Política de Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial