0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por O Globo

O Colégio Pedro II extinguiu a distinção do uniforme escolar por gênero, conforme antecipou a coluna de Ancelmo Gois na edição desta segunda-feira do GLOBO. Antes, a escola estabelecia as peças do vestuário destinadas aos meninos (uniforme masculino) e aquelas para uso das meninas (uniforme feminino). Agora, a escola traz apenas a nomenclatura “uniforme”, ficando a cargo dos alunos a opção por qualquer um deles. A resolução que altera a norma passou a valer no dia 14 de setembro.

A novidade é que não se determina o que é uniforme masculino e o que é uniforme feminino, apenas são descritas as opções de uniforme do Colégio Pedro II. Propositalmente, deixa-se à critério da identidade de gênero de cada um a escolha do uniforme que lhe couber- afirmou o reitor da instituição, Oscar Halac.

De acordo com o reitor, medida é importante para resguardar os alunos sofrem com a imposição de gênero colocada pela sociedade.

– Procuramos de alguma maneira contribuir para que não haja sofrimento desnecessário entre aqueles que se colocam com uma identidade de gênero diferente daquela que a sociedade determina. Creio que a escola não deve estar desvinculada de seu tempo e momento histórico. A tradição não importa em anacronia, mas pode e deve significar nossa capacidade de evoluir e de inovar- defendeu Halac.

A instituição afirma que a decisão é resultado de um conjunto de mobilizações e discussões promovidas por alunos e professores em vários campi. Segundo o Pedro II, a resolução também estabelece a permissão do uso do uniforme de Educação Física em qualquer aula durante o verão.

PROTESTO PARA APOIAR COLEGA

Em agosto de 2014, um grupo de estudantes do campus São Cristóvão do Colégio Pedro II promoveu um protesto para apoiar um colega transexual. Na época, a estudante que usava o nome de batismo e uniforme masculino decidiu trocar as calças por uma saia durante o intervalo de aula e foi repreendida pela direção da escola. Como resposta, os colegas decidiram vestir saias em apoio à amiga trans.

Na ocasião, o colégio chegou a dizer que o Código de Ética Discente não permitia que alunos do sexo masculino utilizassem o uniforme feminino.

pedro-segundo

Cabeçalho de prova no campus São Cristóvão – Reprodução Facebook

No mesmo Campus, em setembro do ano passado, o “x” foi colocado no lugar das letras “a” e “o” em avisos institucionais e em provas. A medida foi adotada para respeitar a liberdade de gênero, mas a escolha acabou gerando polêmica. Alguns chegaram a argumentar que o uso da letra no lugar dos artigos masculino e feminino desrespeitava a língua portuguesa.

– Usar o “x” para suprimir o gênero de uma palavra foi a maneira que grupos que tratam do tema encontraram para chamar ao foco a questão do gênero- disse Halac quando a polêmica aconteceu. – Tratar o assunto da diversidade, seja ela sexual, racial ou cultural, é fundamental em um colégio, principalmente porque a rejeição e o preconceito trazem muita dor às crianças e adolescentes.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Primavera dos Museus terá programação especial nesta semana

Próximo post

Casa de Cultura Laura Alvim reabre após maior reforma em 30 anos

Sem comentários

Deixe uma resposta