0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Era Sexta-Feira Santa quando saí de Brasília rumo a Teresina (PI) com o objetivo de chegar ao município de Floresta do Piauí (267 km da capital) e de lá seguir para a Comunidade Patos, onde ocorreria à cerimônia de entrega de uma biblioteca do Programa de Bibliotecas Rurais Arca das Letras, seguida de uma atividade de capacitação.

Casa de Natalyonde foi instalada a biblioteca Arca das Letras – Foto: Soraia Magalhães

A agenda era considerada difícil e cansativa e o empenho em torná-la possível veio da Coordenação de Ação Cultural do Programa que atentou para um pequeno detalhe: o móvel da biblioteca havia sido confeccionado com recursos e empenhos de uma jovem que não esperou pela ação pública local para dar os primeiros passos em prol de uma biblioteca para sua comunidade. Pediu dinheiro de várias pessoas (aproximadamente 400 reais), foi atrás de um carpinteiro e mandou confeccionar o móvel arca.

Nataly em frente à igreja católica da Comunidade Patos – Foto: Soraia Magalhães

Nataly Elene Barbosa é uma liderança da Comunidade Patos.  Ela tem 24 anos e cursa Letras no ensino à distância, pela Universidade Aberta do Brasil. A ideia de implantar uma biblioteca em sua comunidade aconteceu quando ela esteve em Brasília participando de um evento que reuniu jovens de áreas rurais de várias cidades do país. Na ocasião, viu em exposição uma biblioteca Arca e guardou consigo folhetos explicativos. Em sua comunidade, junto com um amigo arregaçou as mangas e buscou meios para consolidar seu objetivo.

Móvel Arca das Letras – Foto: Soraia Magalhães

O Arca das Letras

O Programa de Bibliotecas Rurais Arca das Letras nasceu em 2003, sob a inspiração da bibliotecária Cleide Cristina Soares, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Logo, a iniciativa passou a constituir uma das políticas culturais da Secretaria de Reordenamento Agrário. Atualmente tem sua gestão orientada pela professora Maria Dione Ferreira que, entre outras questões, centrou atenção nos trâmites que institucionalizam o Programa, pois até 2012 não possuía instrumento legal que definisse suas competências e atribuições. Essa providência pode ser vista como mecanismo essencial na condução de parcerias e cooperações técnicas para os próximos anos. O Arca das Letras pode propiciar as condições para a reflexão sobre o fazer cultural, pois ao aproximar o cidadão do acesso ao livro, oferece também propostas de estímulo para o fortalecimento de outras manifestações culturais nas comunidades rurais do país.

Biblioteca Municipal de Floresta do Piauí – Foto: Soraia Magalhães

Dificuldades de acesso ao livro e a leitura nas áreas rurais do Brasil

Se em algumas capitais do país as bibliotecas públicas têm atuação problemática, o que pensar de milhares de comunidades rurais onde as dificuldades envolvendo aspectos geográficos, parcos recursos e desconhecimento dos gestores sobre a importância desses espaços para a formação do cidadão? No caso de Patos, localizada a seis quilômetros da sede do município, a situação é agravada por que a biblioteca pública municipal determina que os livros não sejam disponíveis para empréstimos e somente utilizados em consultas locais.

Cerimônia de entrega da biblioteca Arca das Letras em “Patos”

Cerimônia de entrega da biblioteca – Foto: Soraia Magalhães

As cerimônias de entrega das bibliotecas do projeto Arca das Letras geralmente ocorrem envolvendo várias comunidades. A concentração objetiva tornar conveniente o acesso a todos os participantes. No caso da comunidade Patos, era apenas uma arca, por isso toda a ação ocorreu de forma diferenciada e muito especial.  A cerimônia envolveu ações culturais e contou com a participação de personalidades da educação, da cultura, da igreja e da política local, enquanto o público em geral cantou, tocou e dançou criando um ambiente festivo em torno de uma proposta de estímulo à leitura.

Capacitação dos Agentes de Leitura do Arca das Letras

Atividade de capacitação dos agentes de leitura– Foto: Soraia Magalhães

Os acervos que compõe as bibliotecas do Arca das Letras seguem para as comunidades rurais previamente classificados por cores. São distribuídos em quatro tipologias: literatura nacional e internacional; literatura infantil e infanto-juvenil; livros didáticos e livros técnicos (de diferentes áreas do conhecimento). Segue junto com os acervos, carimbo, etiquetas, pasta para o controle de empréstimo e outros. As capacitações consistem na orientação sobre a metodologia do Programa e atualmente vem sendo intensificadas as atividades voltadas para técnicas de mediação de leitura.

O Arca das Letras e seus desafios

O Arca das Letras depende da ação das parcerias para sua realização, seja com recursos para a construção do móvel arca, com doação de livros para a formação dos acervos e principalmente com pessoas com visão voltada para o exercício voluntário das ações de incentivo à leitura. Com a participação de pessoas engajadas da própria comunidade as atividades tendem a se realizar de forma a alcançar o objetivo esperado. Ao longo dos anos, algumas experiências têm gerado frutos com a ampliação dos pequenos espaços que se consolidam como bibliotecas comunitárias atuantes. Mas é preciso fazer mais e com uma proposta voltada especialmente para a qualidade dos acervos e capacitação efetiva das pessoas que vão atuar nas bibliotecas, ou seja, os agentes de leitura.

Nataly com a biblioteca Arca das Letras– Foto: Soraia Magalhães

Na Sexta-Feira Santa quando deixei Brasília rumo a Comunidade Patos, não imaginava que teria que enfrentar a falta de ônibus para chegar ao município, as quatro horas de carona em um carro da prefeitura e pela manhã (na hora do evento) o cansaço de uma noite mal dormida. Tudo foi aplacado, porém, pela recepção de Nataly e seu entusiasmo por saber que sua comunidade agora possuía uma biblioteca. Quisera que em todas as comunidades rurais do Brasil houvesse uma Nataly.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Bibliotecário e educador

Próximo post

Museu e educação

Sem comentários

Deixe uma resposta