2
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Após inovar com a primeira livraria especializada em literatura feita por mulheres negras no país, a bibliotecária e empresária Ketty Valencio lança, neste mês de outubro, o Clube de Assinatura Africanidades, também o primeiro do país especializado também em literatura negra, sendo majoritariamente com livros escritos por mulheres negras.

O clube Africanidades será trimestral e os assinantes receberão o primeiro kit a partir de novembro. A temática escolhida é “Resistência Negra” e a curadora desta primeira edição é a escritora Jarid Arraes. O livro escolhido será sempre uma surpresa para os assinantes.

“Nosso clube tem a intenção de ser uma ferramenta de estímulo a leitura por meio do protagonismo de pessoas negras e principalmente da valorização das narrativas realizadas pelas mulheres negras. Somos uma vanguarda cultural e queremos presentear nossos leitores com o que há de melhor e mais exclusivo na literatura, bem como no setor de afro-empreendedorismo. Trazemos a literatura protagonizada somente por mulheres, desde sua concepção até mesmo o design, a programação, a curadoria, a autoria e a gestão”, contou Ketty Valencio, que desde que surgiu a ideia, passou um ano trabalhando para tirar a ideia do papel e colocá-la em prática.

Vale destacar que os assinantes recebem, trimestralmente, um equivalente a oito produtos, contendo um kit temário surpresa, com o livro escolhido pela curadora especial, marcador de páginas e outros produtos de marcas e grifes de afro-empreendedores, principalmente de empresas compostas por mulheres negras.

Curadoras escolhidas

Conforme explica Ketty Valencio, a escolha das curadoras se deu a partir da vivência de cada uma delas – todas mulheres negras nesta primeira etapa – e da ligação que elas possuem com os temas propostos.

O primeiro livro será escolhido por Jarid Arraes. Jarid é nascida em Juazieor do Norte, na região do Cariri (CE) em 12 de fevereiro de 1991. Escritora, cordelista, poeta e autora dos livros “Redemoinho em dia quente”, “Um buraco com meu nome”, “As lendas de Dandara” e “Heroínas Negras Brasileiras em 15 cordéis”, além de mais de 70 títulos publicados em literatura de cordel. É curadora do selo literário Ferina. Atualmente vive em São Paulo, onde criou o Clube da Escrita para Mulheres.

As outras curadoras são a poeta Ryane Leão, a jornalista Bianca Santana e a escritora e jornalista Esmeralda Ribeiro.

Sobre a Livraria Africanidades

Criada em 2015, a Livraria Africanidades ganhou uma sede física em 2017, quando a empreendedora Ketty Valencio sentiu a necessidade de organizar o acervo e de promover encontros.

Formada em biblioteconomia, Ketty é também pesquisadora, pós-graduada em gênero e diversidade sexual na Unifesp e MBA-Bens Culturais: Cultura, Gestão e Economia na FGV faz curso de especialistas de Cultura, educação e relações étnico-raciais na USP e após sete anos trabalhando em bibliotecas, investiu no próprio negócio e conta com um viés inédito: o protagonismo das mulheres negras na literatura mundial.  Um breve passeio pelo site e é possível encontrar livros de autoras como Alice Walker, Angela Davis, Jarid Arraes, Maria Firmino, Noémia de Sousa, entre outras.

Além da livraria física, Ketty possui também um site, com o acervo da livraria, que permite a compra virtual e também o pagamento parcelado e traz títulos que dificilmente são encontrados nos grandes magazines ou livrarias online, fazendo, mais uma vez um recorte que preza pela inclusão de autores independentes, pouco conhecidos e/ou acessados.

A livraria possui estantes como feminismo, ficção, não ficção, poesia, religião, nacionais, ciências sociais, entre outras, mas tudo voltado à cultura negra. Além do site, Ketty também percorre eventos e festivais literários, evidenciando o formato que se propõe a ser acessível e viável.

Serviço – Para conhecer o Clube de Assinatura Africanidades, acesse: https://clube.livrariafricanidades.com.br/

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Por que os bibliotecários escolares estão em declínio nos Estados Unidos?

Próximo post

Mas, enfim, o que nos leva a ler? E gostar de ler?