1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

A nova biblioteca pública de Long Island City em Nova York, Estados Unidos, foi anunciada como um triunfo arquitetônico. Ela custou US$ 41,5 milhões e se estende por vários patamares e terraços, oferecendo vistas deslumbrantes de Manhattan para os usuários enquanto estes procuram livros e exploram o espaço.

Mas vários dos terraços da Hunters Point Library são inacessíveis para pessoas que não conseguem subir até eles. Uma escada e uma arquibancada na seção infantil, consideradas muito arriscadas para crianças pequenas, foram fechadas. E o prédio de cinco andares com design vertical tem apenas um elevador, o que tem criado gargalos.

Os problemas de acessibilidade, alguns dos quais têm sido citados de forma desabonadora por usuários nas redes sociais desde o mês de setembro, quando a Biblioteca foi aberta, deixaram os funcionários do lugar correndo para encontrar soluções, enquanto os arquitetos estudam maneiras de modernizar o prédio.

Escadas são o principal problema da Queens Library. Hiroko Masuike / The New York Times

Também levantou discussão o fato de que o caro prédio público, que estava há quase duas décadas em obras, passou pelo longo processo de planejamento sem mais considerações no que se refere à acessibilidade. Alguns dos problemas apareceram como resultado da popularidade do espaço, que tem sido muito frequentado.

Os nova-iorquinos, assim como os turistas, estão visitando a biblioteca, a filial mais cara da rede já construída. Muitos entusiastas da arquitetura, ansiosos para ver a estrutura que uma crítica do New York Times elogiou como “um dos melhores e mais edificantes edifícios públicos que Nova York produziu até agora neste século”.

Mas alguns dos problemas de acessibilidade estão enraizados no próprio design. A colocação da seção de ficção adulta em três níveis semelhantes entre o primeiro e o segundo andar da Biblioteca foi a primeira questão que os usuários notaram, porque esses níveis só eram acessíveis por escadas, o que dificulta o acesso à algumas pessoas.

Como justificativa, funcionários da Queens Library responderam que os bibliotecários poderiam simplesmente recuperar esses livros para usuários com deficiência, uma solução que estaria em conformidade com a Lei dos Americanos com Deficiência, e observaram que o primeiro dos quatro terraços tinha acesso por elevador.

Um dos pavimentos da Queens Library acessível por escadas e por um elevador. Hiroko Masuike / The New York Times

Mas nas redes sociais esse raciocínio foi ignorado entre os defensores dos deficientes. “Para mim, essa é a resposta de alguém que nunca teve a experiência de ir a algum lugar e não ser capaz de participar plenamente”, disse Christine Yearwood, fundadora do grupo de direitos das pessoas com deficiência, Up-Stand.

“Parte do que é o design universal é permitir que todos desfrutem de espaços independentemente. Ter que pedir ajuda a alguém é, na pior das hipóteses, humilhante e, na melhor das hipóteses, uma experiência limitadora”, disse Christine.

As prateleiras disputadas estão agora vazias. A Biblioteca, respondendo às críticas, transferiu os 2.900 livros de ficção para adultos para uma área acessível no segundo andar e agora está tentando descobrir como usar o espaço vazio.

Chris McVoy, sócio sênior da Steven Holl Architects, empresa que projetou o edifício, disse que muita ênfase estava sendo colocada na inacessibilidade dos terraços, chamado por ele de “pequenas rugas em um projeto incrivelmente bem-sucedido”. Conceitos de acessibilidade, acrescentou, mudaram nos anos desde que o edifício foi projetado em 2010.

“Para ser sincero, não tínhamos pensado, ‘OK. precisamos fornecer uma experiência de navegação exatamente equivalente’”, disse ele. “Este será um novo padrão para bibliotecas, e isso é ótimo. Mas isso não significa que seja uma falha no design. É uma evolução.”

Mas a decisão de construir apenas um único elevador também está causando reclamações. O congestionamento é agravado pela colocação da principal área de estacionamento de carrinhos em um patamar no segundo andar, o que é insuficiente para as dezenas de carrinhos que às vezes procuram o local.

“É uma loucura agora”, disse Nikki Rheaume, uma das três bibliotecárias infantis, enquanto tentava passar por uma multidão de carrinhos de bebê pelo elevador do segundo, enquanto dezenas de carrinhos de bebê desceram no prédio. “É um caos”, disse a bibliotecária.

Fila de carrinhos de bebês no único elevador da Queens Library. Foto: Hiroko Masuike / The New York Times

Era 10h30 da manhã, hora da contação de histórias para as criança, e uma multidão de cuidadores, tendo acabado de subir as escadas para estacionar, estava tentando voltar para ver o programa.

O fechamento das escadas laterais do espaço infantil está aumentando o congestionamento do elevador. Os usuários que desejam viajar entre os níveis dos espaços das crianças agora precisam usar o elevador ou fazer um circuito pela biblioteca, subindo e descendo lances de escadas.

Na apresentação do projeto da ala infantil em 2010, Steven Holl, o principal arquiteto do projeto, esboçou imagens de crianças lendo em assentos semelhantes a arquibancadas que se estendiam do nível inferior da asa até a parte superior, ao lado de uma escada interior.

Mas os funcionários da Biblioteca, em um passeio antes da abertura do prédio, viram um risco potencial para crianças pequenas que podiam pular e cair nelas. Eles fecharam as escadas e as cinco principais arquibancadas até que consertos possam ser feitos, disse Elisabeth de Bourbon, porta-voz da Queens Library.

Os painéis de madeira agora bloqueiam as entradas da escada e barreiras de proteção de vidro foram adicionadas às arquibancadas mais altas. As três arquibancadas inferiores permanecem abertas. E mesmo assim um guarda de segurança geralmente fica ali para olhar os pequenos.

Vedesh Persaud, 32 anos, que estava visitando a ala das crianças com sua esposa e a filha Arya, elogiou, assim como fez a maioria dos usuários, a nova biblioteca. “As curvas do espaço são incríveis”, disse ele. “Isso lhe dá uma sensação de abertura.”

Mas sua esposa, Ravina, disse estar surpresa pelo fato dos arquitetos terem negligenciado o risco potencial das escadas do espaço infantil. “Tenho certeza de que eles não tiveram filhos”, disse ela, “porque como mãe, você sabe dessas coisas”.

McVoy disse que o edifício se adaptaria e as escadas reabririam, talvez depois de adicionar portões. “O que os advogados acreditam que é seguro ou não é algo em constante evolução nesta sociedade”, disse ele. “Cinco anos atrás, eles nem pensariam em bloquear essa área, ou mesmo dois anos atrás.”

Crianças usam espaço que gerou polêmica. Foto: Hiroko Masuike / The New York Times

Como o processo de planejamento do edifício não incluiu mais uma consideração pela acessibilidade deixou os críticos perplexos e frustrados.

O planejamento de uma biblioteca em Long Island City está em andamento desde 2001, quando o antigo bairro industrial estava renascendo. Oficiais de bibliotecas, cidades e comunidades lutaram por anos para garantir financiamento e superar obstáculos burocráticos para concluí-lo.

Com o tempo, a liderança do projeto da Queens Library mudou várias vezes, o que fez com que todos os envolvidos no planejamento original desapareceram. McVoy e a porta-voz da Queens Library não conseguiram se lembrar de uma audiência pública que discutiu o design da biblioteca, embora a comunidade tenha se envolvido em aspectos da criação da Biblioteca.

Faixada da Queens Library que fica na Long Island City em Nova York. Foto: Hiroko Masuike / The New York Times

Quando Dennis M. Walcott, ex-chanceler das escolas de Nova York, assumiu o comando do sistema Queens Library em 2016, a filial era apenas um espaço vazia na orla marítima de Long Island City. Nesse ponto, Walcott disse em uma entrevista que o foco estava em terminar o prédio, e não em repensar seus detalhes.

Agora a Biblioteca está navegando no que Bourbon chamou de “dores de crescimento significativas”, enquanto os funcionários aprendem a se adaptar às realidades de administrar uma biblioteca de filial em uma obra de arte vertical. Houve vários outros pequenos problemas também.

Já existem mais rachaduras do que é típico nos pisos de concreto de terraço porque o empreiteiro não forneceu “juntas de dilatação” suficientes, mas isso é apenas uma questão visual, não estrutural, disse McVoy. Vários pequenos vazamentos, relatados pela primeira vez pelo New York Post, foram reparados.

A partir deste mês, disseram os bibliotecários, haverá duas contações de histórias consecutivas pela manhã para ajudar a aliviar o gargalo dos carrinhos e as listas de espera de crianças. Um pequeno elevador pode ser adicionado aos terraços escalonados para que os livros possam ser devolvidos a eles.

“É um edifício deslumbrante, e as pessoas estão se divertindo tanto com a natureza estética quanto com o uso funcional do edifício”, disse Walcott. “Nosso objetivo agora é garantir que esteja respondendo às necessidades do público.”

*Publicada originalmente no New York Times sob o título “New Library Is a $41.5 Million Masterpiece. But About Those Stairs”. Tradução e adaptação: Chico de Paula

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Servidores da Biblioteca Nacional querem poder eleger presidente da instituição

Próximo post

Yukio e Wabi Sabi: o sábio e o venerável lobo-de-honshu