0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Como muitos lugares no Reino Unido, Hay-on-Wye, uma vila de quase 2 mil aninhados no interior do país de Gales, oferece muitas das comodidades que se espera. Há o pub local que serve cerveja na torneira e travessas de peixe com batatas fritas, além de um castelo medieval em pé sobre a comunidade.

Mas o que diferencia Hay-on-Wye das cidades vizinhas é a enorme abundância de livrarias pontuando suas ruas sinuosas. Na última contagem, abrigava cerca de 20 livrarias – um número que eclipsa muitas cidades 50 vezes maiores – e foi o que ajudou a solidificar sua classificação oficial como Cidade do Livro.

Livraria de Richard Booth na Lion Street em Hay-On-Wye, País de Gales. Foto: CMH.Images / Alamy

A designação se deve a Richard Booth, um antiquário e acadêmico que, em 1961, decidiu transformar algumas das lojas vazias de sua cidade natal em livrarias. À medida que a notícia se espalhava, outros livreiros de toda a Europa começaram a se estabelecer em Hay-on-Wye e logo os bibliófilos se seguiram, assim nasceu a primeira Cidade do Livro.

“Sua ideia era criar um lugar onde as pessoas pudessem vir e ler livros antigos”, diz Gunnel Ottersten, atual presidente da Organização Internacional das Cidades do Livro. “Depois disso, a ideia bem-sucedida se espalhou pelo mundo e mais e mais cidades do livro surgiram.”

Hay Castle possui uma livraria ao ar livre. Foto: Neil McAllister / Alamy

Hoje existem mais de uma dúzia de cidades em todo o mundo com a designação, incluindo localidades na Malásia e na Austrália. Pela definição da Organização Internacional das Cidades do Livro, uma cidade livro é “uma cidade ou vila pequena, de preferência rural, na qual estão concentradas livrarias de segunda mão e antiquários”.

Outras cidades que atendem a esse critério e são membros da organização incluem Borrby, Suécia; Redu, Bélgica; Kampung Buku, Malásia; Clunes, Austrália; e Montereggio, Itália. Atualmente, não há cidades membros representando os Estados Unidos, mas isso sempre pode mudar à medida que novos lugares são constantemente adicionados.

Mas existe uma lista não oficial de cidades centradas no livro que não são membros da Organização que incluem localizações nos EUA, como Archer City, Texas e Stillwater, Minnesota.

“A cada ano, recebemos novos pedidos das aldeias para ingressar e a Organização está crescendo lentamente em todo o mundo”, diz Ottersten. “Acabei de voltar da Bulgária, visitando e acolhendo nosso membro mais recente em Vratsa [uma província no noroeste da Bulgária] e a pequena vila de Chelopek.”

Uma mulher procura livros em uma loja em Redu, Bélgica. Foto: Biblioteca de Imagens Arterra / Alamy

Para se qualificar para a designação de cidade do livro, uma cidade deve enviar uma solicitação à Organização Internacional de Cidades do Livro. A partir daí, representantes de cidades membros votam se devem ou não dar à cidade uma designação oficial (até o momento, nenhuma solicitação foi rejeitada e o número de cidades admitidas varia de ano para ano).

Ottersten é rápido em apontar que, embora cada uma das cidades-membro tenha uma preponderância de livrarias, é aí que muitas vezes as semelhanças terminam.

“Todos os membros parecem bem diferentes”, diz ela. “Algumas das aldeias têm muitas pequenas lojas particulares, enquanto outras têm lojas maiores, com mais pessoas trabalhando juntas, e algumas são organizações dirigidas por voluntários”.

Por exemplo, Clunes, em Victoria, Austrália, realiza uma palestra mensal chamada “Sunday Series”, que hospeda autores para discutir seus últimos lançamentos, enquanto Hay-on-Wye, País de Gales, tem uma preponderância de lojas hiper-focadas em gêneros específicos.

Clunes, na Austrália, realiza o Festival Clunes Booktown todo mês de maio. Foto: Michele Domonkos / Alamy

Estes incluem a The Livraria de Poesia (uma das únicas livrarias de segunda mão no Reino Unido especializada em poesia), Assassinato e Caos (ficção de crime e detetive), Livreiros de Arden (zoologia, biologia e apicultura) e Livros de Rose (literatura infantil). A vila também abriga o Hay Festival, um evento de dez dias que celebra arte e literatura todo mês de maio.

A Organização Internacional das Cidades do Livro também realiza uma conferência bienal, como uma maneira de conectar todas as suas cidades-membro e ajudar a espalhar a notícia sobre a Organização. Uma Book Town diferente hospeda o evento a cada vez – no próximo ano, será em Borrby, na Suécia.

Como a tecnologia está cada vez mais a parte de nossas vidas, é particularmente importante manter viva a palavra impressa. Como Ottersten coloca: “A sensação de um livro, o cheiro, o peso e o conhecimento de que esse livro em particular pode ter mais de cem anos torna ainda mais importante preservar o livro físico como um complemento à tecnologia”.

*Publicado originalmente no Smithsonian Magazine sob o título “Attention Bibliophiles: These Book Towns Should Be Your Next Vacation Stops”. Tradução: Chico de Paula

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Porque a melhor coisa do mundo além do amor, é cantar

Próximo post

Encontrado original inédito de Heitor Villa-Lobos em Biblioteca do Rio