0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por Guilherme Freitas de O Globo

A relação entre a literatura brasileira e a cultura africana é o tema do ciclo de debates “África: olhares ficcionais da ABL”, que será promovido neste mês pela Academia Brasileira de Letras. Idealizado por Ana Maria Machado e coordenado por Antônio Torres, o ciclo começa hoje e vai até o fim do mês, com palestras semanais, sempre às terças, sobre escritores que viveram e retrataram a cultura afro-brasileira.

A primeira conferência, hoje, será do escritor Cyro de Mattos sobre a obra do baiano Adonias Filho (1915-1990), autor do romance “Luanda Beira Bahia” (1971). No dia 14, Reginaldo de Jesus fala sobre o romance “Os tambores de São Luís” (1975), do maranhense Josué Montello (1917-2006). No dia 21, Ana Maria Gonçalves faz palestra sobre a obra do baiano Jorge Amado (1912-2001). E, no dia 28, Alberto Mussa analisa a relação do mineiro Antônio Olinto (1909-2009) com a África.

— Nossa ideia é inserir a ABL no debate atual sobre o racismo, uma questão grave que precisa ser discutida. Para isso, queremos falar de uma dimensão da literatura brasileira que às vezes é menos lembrada, a que se relaciona com a África e a cultura negra. E faremos isso lembrando a produção de integrantes da ABL que se dedicaram a isso — diz Antônio Torres.

Os quatro acadêmicos que serão debatidos no ciclo são “santos da minha cabeceira”, brinca Torres. Ele considera o romance “Luanda Beira Bahia” um pioneiro no tratamento “da diversidade e da diferença” na literatura brasileira. O livro, ambientado em Angola, em Moçambique e no Brasil, foi escrito depois de uma viagem de Adonias Filho pela África.

Nesta conferência e nas seguintes, diz Torres, o objetivo é apresentar as reflexões sobre a cultura afro-brasileira produzidas pelos integrantes da ABL. Se Jorge Amado é sempre lembrado por clássicos como “Mar morto” (1936) e “Gabriela, cravo e canela” (1958), o ciclo é uma oportunidade de abordar também os trabalhos de Montello e Olinto. Este último foi adido cultural do Brasil na Nigéria nos anos 1960, viajou por vários países africanos e se inspirou nessas experiências para escrever livros como o romance “A casa da água” (1969), em que uma família negra brasileira vai à África em busca de suas origens.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Encontro de Museus terá palestrantes internacionais em São Paulo

Próximo post

Estudantes mantêm ocupação da Secretaria de Educação no Rio

Sem comentários

Deixe uma resposta