4
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

No Dia Sagrado em que o sol, a lua e as nuvens tecidas por aranhas se encontram, Izumi aparecia no mundo dos seres humanos. Filha de um respeitado aristocrata, Izumi foi transformada em um frondoso bambu ao pular da Ponte Togetsukyo. Dizem que a Lua, ao atravessar a ponte em uma noite sem nuvens, encheu o coração de pesar ao testemunhar o desespero de Izumi e pediu clemência por sua alma.

Dessa forma, a mulher foi transformada em um bambu da Floresta de Arashiyama. Apenas no Dia do Encontro Sagrado, Izumi tinha autorização para fazer uma visita ao seu antigo lar.

Usando um quimono lindamente tecido e bordado com delicadeza, a bela mulher deixava os cabelos soltos ao vento e deslizava pelos arredores de Arashiyama. Em uma das ocasiões do Dia Sagrado, quando o pensamento do homem ainda estava voltado para as estrelas, Izumi deixou a aparência de bambu e iniciou a sua caminhada. Nas imediações, o boticário Himura voltava do templo, onde havia agradecido pela recuperação de sua mãe, cujo sopro de vida quase a deixou.

Quando Himura viu Izumi, o seu coração imóvel por tantos anos incendiou. Imediatamente, o boticário se apaixonou pela mulher que circulava pela floresta de bambu como se fosse um fantasma. Em um piscar de olhos, perdeu-a de vista. No outro dia, antes do amanhecer, Himura retornou à Floresta de Arashiyama, mas nada encontrou. O vento soprava lentamente, provocando as folhagens em ruídos de paz e sossego. Dentre todos os bambus, um deles era grande e vistoso, criando uma sombra delicada sobre a cabeça angustiada do boticário.

Himura voltou todos os dias ao mesmo local, mas não encontrou a mulher. Ela sumiu sem deixar rastros. Desesperado, o boticário foi ao templo e, ajoelhando-se, pediu que lhe trouxessem a visão da mulher amada uma vez mais. O pedido foi repetido dia após dia durante quinze anos, quando o Momento Sagrado chegou. Quando o sol, a lua e as nuvens tecidas por aranhas se encontraram novamente, Izumi libertou-se de sua forma de bambu e saiu a perambular pela Floresta de Arashiyama. Ela havia testemunhado a devoção de Himura, e o amor do boticário tocou o seu coração. Quando Izumi o avistou, apareceu radiante em sua frente. Atordoado e feliz de paixão, Himura ajoelhou-se aos seus pés e agradeceu pela graça concedida.

Tocada pelo amor verdadeiro, a Lua intercedeu novamente por Izumi e também por Himura, pedindo que os dois se tornassem um só. Quando o último segundo do Dia Sagrado se dissipou, dois bambus enormes, fortalecidos e bonitos foram vistos, juntos um do outro, no bosque de bambus. Enquanto todos os outros cresciam com certo espaço uns dos outros, os dois bambus entrelaçados formavam uma sombra espetacular, que sussurrava palavras de amor ao roçar do vento.

*Com coautoria de Rafaela Torres

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Conheça a primeira biblioteca comunitária indígena do estado do Rio

Próximo post

Festa do Livro movimenta Universidade Federal Fluminense até amanhã, 7