45
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Paulina Chiziane canta o canto dos escravizados e seus descendentes. No livro de poemas “O canto dos escravizados” saúda as heranças, fala da travessia, do que se supera, de África e de América, de dor e de superação, de separação e de reencontro. Fala muito de Deus (esse mesmo) e de pátria.

No poema Desespero:

“Do escravo foi tirada a terra, o nome, a família

Foi tirada a pátria, a casa, a existência

Tiraram-lhe o corpo e ficou de alma nua

Até da saudade o escravo foi privado

Saudade de quê, se não tem nada nem ninguém?

Por isso rogamos: Deus, faz então o teu milagre

E cura a angústia dos africanos nascidos na América”

Paulina tem uma poesia sonora, com versos e estrofes bem divididas que me lembram os “clássicos”. Fala de passado e de futuro. Ler uma literatura africana causa estranheza, assim como filmes europeus ou música asiática, num primeiro contato. Não temos referências, não temos o hábito “dessa” leitura: essa forma, estilo, referências culturais ou geográficas.

Do poema Deixo-te a maior missão: a reconstrução de África)

“Aqui houve grandeza destruída pela bárbara invasão

Aqui reside o útero da vida e o umbigo do mundo

Aqui é o berço da História

Do Cabo ao Cairo o vento geme como quem ri e chora” 

A diferença é que Paulina fala de nós, nosso povo. Os negros da América somos nós, e a maioria de vocês que me lê.

Onde estão eles?

“A vida lhes levou por mil caminhos

Pelos carreiros cheios de espinhos

Levam consigo a vontade de viver e de vencer

Arrastam o estigma colocado sobre uma raça

(…)

“São as vítimas preferidas da polícia

São a maioria da população das prisões

Habitam as favelas mais sombrias

Nas periferias de todas as Américas”

Vários livros nos trazem incômodos, porque nos tiram do nosso lugar de conforto. Esse é um deles. Às vezes, incomodam tanto que ficamos na dúvida se gostamos ou não. Se você foi criada para encarar a leitura literária apenas como lazer, como eu, esse incômodo se multiplica. O que é ótimo. E, apesar do incômodo, fico com vontade de que todo mundo que eu conheço leia. Nem tudo se resume a gostar. Algumas leituras são importantes para além do gosto.

No poema Deixo-te como herança a coragem, Chiziane provoca:

“Não queres lutar? Tens medo de morrer?

Como um morto, tu és tratado mesmo que respires”

Paulina Chiziane canta o canto dos escravizados e seus descendentes. Foto: divulgação

O livro é dividido em livros, tal qual a Bíblia. Digo tal qual, porque é possível notar nesse livro a influência cristã da autora, mas também porque é possível confirmar essa informação em entrevistas e matérias sobre essa relação que Paulina estabelece entre seus poemas e a Bíblia.

Os “livros” ou capítulos são: Livro I – Testamento, livro II – Canto de dor e desespero (este livro tem duas partes: Eu, escravizado, canto e Canto de dor e saudade; livro III – Canto de resistência; livro IV – Transcendência; livro V – Canto de liberdade; livro VI – À volta da fogueira; VII – Canto de esperança.

Os títulos dessas partes soam pertinentes, após a leitura. E o jogo de queda e ascendência acompanha a sequência estabelecida. Os primeiros textos parecem históricos, distantes. Depois vão ficando intensos, dolorosos, reais, atuais. Em seguida há uma esperança, uma força, uma potência, versos de luta e resistência.

É a partir de “O canto de liberdade” que Paulina Chiziane mostra toda sua potência e a força de sua poética. Essa parte final do livro, sozinha, faria o livro inteiro valer a pena. É um canto de resistência, de possibilidades. É, enfim, o canto de liberdade.

Afirma-te

“Quantas vezes não vacilamos por causa das falas do mundo?

Quando sentires medo, respira fundo e recobra a coragem

Desce para dentro de ti e procura as razões da tua luta

Deixa a liberdade guiar o teu espírito até o coração do infinito”

Os últimos textos são extremamente atuais. Falam da dinâmica contemporânea, das novas formas de dominação, da incoerência dos tempos modernos.

Há textos muito amadurecidos, bem compostos e elaborados. Outros extremamente simples, diretos, talvez um pouco pueris. Textos capazes de atingir todo tipo de público, de todas as idades.

Tem uma variedade de aspectos poéticos: vários tipos de rima, das mais previsíveis às mais imprevisíveis; jogos de palavras, orações (religiosas mesmo), recados simplórios e outros duros e diretos. Sutis chamados à revolução. E aulas inteiras de histórias.

Em Deixo-te o orgulho de existir:

“Berço universal que gerou a pródiga humanidade

Na tua luz e sombra repousam sabedorias antigas

És o celeiro dos invasores e a sobrevivência do mundo”

Paulina Chiziane mistura cotidiano e história de uma tal maneira que é quase impossível não refletir sobre o que nos rodeia e como historicamente chegamos até aqui. Após lê-la, é muito improvável que passemos distraídas pelas injustiças que nos rodeiam diariamente. E isso, também é uma forma de liberdade.

Ficha técnica:

Título: O canto dos escravizados

Autora: Paulina Chiziane

Editora: Nandayala

Edição:

Ano: 2018

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Bibliotecária é a nova diretora-geral do Arquivo Nacional

Próximo post

Crônicas de uma andarilha pós-Idade Média - parte 12