0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

A mais odiada das matérias é sem dúvida a maior injustiçada no mundo em que vivemos, pois sem ela nada existiria, não conseguiríamos nem mesmo nos comunicar. Durante a sua longa história, que vai do tempo das cavernas até os dias atuais, muito das invenções e melhorias do mundo devem-se a ela, que sem reclamar, continua fazendo do mundo um lugar mais cômodo para se viver.

Quando o homem da caverna queria saber o quanto tinha caçado usava uma pedra para cada caça armazenando-as em uma bolsa feita de pele de couro. Estava aí nascendo o raciocínio matemático do homem. A Matemática nascia sem que a nomeassem. Com o aparecimento da agricultura, o homem deixou de ser nômade e surgiu a necessidade da divisão de terras e comércio e da linguagem universal que os fariam se comunicar. Era a Matemática ganhando identidade.

Os Sumérios (antigos habitantes da Suméria, considerada a civilização mais antiga da humanidade) deram sua contribuição através das suas tábuas de multiplicação para o começo das construções. Os Mesopotâmicos (habitantes da antiga Mesopotâmia, berço da civilização) criaram um meio de transmitir as informações matemáticas para gerações futuras através da escrita em materiais resistentes. Com isto, a Matemática ganhou força e começou a se espalhar pelo mundo através de diversas culturas unindo povos com sua universalidade. Afinal, em qualquer cultura, dois mais dois tem o mesmo resultado.

A Matemática alcança a maturidade

A lógica matemática foi acalentada pelos filósofos gregos que a desvincularam do divino e do sobrenatural. Enfim, a natureza foi interpretada e observada com os olhos da razão. Iniciava-se o Método. A Matemática saía da infância pelas mãos de Aristóteles e da Escolástica. O método da observação propagou-se por longo tempo, mas a Matemática continuava a crescer e na sua adolescência o homem passou a querer saber o “como?”, ao invés do “por quê?”. Saindo de cena a especulação e entrando a experimentação, era a vez Dela ser conduzida por Leonardo Da Vinci e seu homem Vitruviano, entre outras contribuições para Anatomia, Engenharia e a Arte. O homem descobria através da matemática como a natureza agia por suas regras, nascendo sua primeira filha: a Física.

A Matemática ganhou tal força e importância que não cabia mais neste mundo: Nicolau Copérnico e o Heliocentrismo introduziram a ideia de que a Terra fazia parte de algo maior. Era a Matemática chegando a idade adulta conduzida por Keppler e as órbitas elípticas; Galileu Galilei e a Revolução Científica e Descartes que fez o parto de mais uma filha: a Geometria Analítica, que se juntara a outras irmãs como a Álgebra e a Geometria sendo a maior representante do Racionalismo que usava a Matemática como instrumento, criando o método da dúvida chamado Método Científico, onde a observação e interpretação são legitimadas pela demonstração. A Matemática continuou a crescer e a amadurecer no seu processo evolutivo em companhia de Newton e sua lei da gravidade; Darwin e a evolução das espécies e com Einstein e a Teoria da Relatividade Ela descobriu que seria imortal, pois tempo e espaço nunca mais seriam os mesmos.

Quando ela teve este entendimento de si própria, a vida passou a evoluir a passos largos através dos transportes por terra e por ar e até por outros satélites e planetas, através da comunicação que estreitou o mundo e outras contribuições tecnológicas que a fez ser hoje a maior entre todas as grandezas deste nosso pequeno mundo chamado Terra.

Para uma maior compreensão do tema, leia:
DANTAS, Regina.Continuação método científico. 26 nov. 2012.29 slides color.
DANTAS, Regina. Continuação método científico.03 dez.2012.42 slides color.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Mediação da informação na Biblioteca Escolar

Próximo post

Lídia Silva de Freitas

6 Comentários

  1. 16 de janeiro de 2013 a 21:43 —

    Um artigo para convencer de que bibliotecário não precisa temer a matemática.

  2. Margareth Santos
    17 de janeiro de 2013 a 8:45 —

    É surpreendente que uma bibliotecária pense assim, parabéns!

  3. Léo Soares
    17 de janeiro de 2013 a 9:39 —

    Sensacional!! Nunca fui fã de matemática, mas depois de saber as suas contribuições ao mundo e o quanto ela foi perspicaz na evolução científica, mudarei de ideia!!! Artigo nota mil, Dedeia!!

  4. Fernando Mattos
    17 de janeiro de 2013 a 13:23 —

    Parabéns!! Realmete a Matemática está em tudo! Principalmente aonde gosto TI.

  5. TAYNARA MACHADO
    18 de janeiro de 2013 a 23:25 —

    Parabéns!!!! Andréia isso que é ser uma profissional da Informação de Excelência, de fato texto divino!

  6. katia costa
    14 de maio de 2014 a 15:44 —

    Parabéns, excelente matéria. depois disto rendo-me a matemática.

Deixe uma resposta