0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

RIO – Não é novidade pra ninguém que investir no mercado editorial brasileiro é, no mínimo, uma tarefa árdua. Isso porque ainda caminhamos a passos lentos rumo a uma cultura de leitura. Tanto é assim, que a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil 2008 mostra que apenas 35% da população brasileira utiliza seu tempo livre lendo, contra 77% que faz o mesmo em relação à televisão. Mesmo assim existem aqueles que enxergam aí uma boa possibilidade de negócios. É o caso de Ana Claudia Ribeiro, que é sócio-fundadora da E-papers Serviços Editoriais (https://www.e-papers.com.br) e atual gerente da empresa. Além de empreendedora, essa carioca de 43 anos é designer formada pela Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI-UERJ), e mestre em Engenharia de Produção pela Coppe/UFRJ. Entre 1998 e 1999 cursou o Mestrado Executivo em Inovação e Inteligência Empresarial (atualmente conhecido por MBKM). Em 1995 passou a desenvolver projetos para a mídia eletrônica como webdesigner, tendo começado sua atividade na internet praticamente desde seu início comercial no Brasil. Nos anos de 1998 e 1999 coordenou as atividades de design em mídia impressa e eletrônica do Crie-Coppe/UFRJ. Em 1999 criou a E-papers Serviços Editoriais, editora que se dedica a publicar títulos da comunidade acadêmica utilizando a internet como principal veículo de distribuição. Nessa entrevista ela fala um pouco sobre os negócios e as perspectivas em relação ao mercado editorial, onde a E-papers tem cada vez mais se consolidado.

Chico de Paula: Como é que surgiu a ideia da E-papers?

Ana Claudia Ribeiro: A E-papers surgiu como projeto de final de curso no MBA em Gestão do Conhecimento que fiz na Coppe, em 1998. Sou designer e sempre gostei muito de livros e de novas tecnologias. Meu projeto de final de curso na faculdade foi um hipertexto, em 1990, quando praticamente não existia Web e o Windows estava apenas nascendo. Em 1995 comecei a trabalhar com Web design, praticamente quando a Internet comercial apareceu no Brasil. A partir dessa experiência, e de muitas conversas com os professores e amigos do MBA, o projeto da E-papers foi tomando forma, ainda sem perspectivas concretas. Em meados de 1999 a Incubadora da Coppe/UFRJ abriu uma chamada para novas empresas, apresentei o projeto e a empresa começou.

C. P.: Qual a missão da empresa?

A. C. R.: Divulgar o conhecimento acadêmico utilizando a Internet como principal veículo de comunicação.

C. P.: A quanto tempo a E-papers atua nesse ramo ou segmento?

A. C. R.: A empresa foi criada em 1999, sempre com os mesmos objetivos. Completaremos 13 anos de existência este ano.

C. P.: Que dificuldades vocês encontraram ao longo do caminho?

A. C. R.: Muitas. Hoje, as ideias estão disseminadas, mas no início era preciso convencer as pessoas de que o livro eletrônico era viável e de que não precisaríamos imprimir milhares de cópias de uma só vez para publicar um livro. Existia também uma dificuldade no acesso à Internet. Por este motivo concentramos os esforços no mercado de CTP, cujo público já estava familiarizado com a grande rede.

C. P.: Quais são os produtos e/ou serviços que a E-papers oferece hoje?

A. C. R.: A E-papers é uma editora cujo principal meio de comunicação com o mercado é a Internet. Fazemos a produção editorial e vendemos livros impressos e em versão eletrônica (e-books) desde 1999. Livros eletrônicos são vendidos, inclusive, para bibliotecas, por intermédio da nossa parceira DotLib.

C. P.: Existe um mercado apto a esses serviços?

A. C. R.: Acredito que sim. Assistimos atualmente a um crescimento vertiginoso das vendas de livro em versão eletrônica e do uso de e-books e tablets no Brasil, além de um aumento substancial, nos últimos anos, do número de alunos de graduação e pós-graduação matriculados em instituições de ensino nacionais. Portanto, o mercado está em franco desenvolvimento.

C. P.: A E-papers lançou recentemente um selo chamado Editora Frutos. Qual o objetivo em relação a esse novo produto?

A. C. R.: O mercado de livros acadêmicos é bastante sazonal. Decidimos criar um selo que atendesse à demanda de nossos autores em publicar livros de ficção, e que também estivesse desvinculado dos períodos universitários. Estamos também iniciando as atividades do selo Tríbia, dedicado a publicações acadêmicas, mas com algumas diferenças em relação à E-papers.

C. P.: Você acredita que o poder público tem despertado para essa questão do livro, das bibliotecas, da informação de um modo em geral? Como é que você enxerga essa questão?

A. C. R.: Essa é uma questão difícil. Acredito que alguns passos têm sido dados nesse sentido, como, por exemplo, a criação dos programas de apoio a bibliotecas públicas, mas o acesso à cultura acadêmica no Brasil ainda é restrito. No portal da Capes, por exemplo, a maior parte das publicações está em inglês, e muitos alunos não dominam o idioma com desenvoltura suficiente para ler um texto técnico.

C. P.: Atualmente a empresa está envolvida ou apoia algum projeto social?

A. C. R.: No momento, não. Já tivemos participação em alguns projetos no passado.

C. P.: A empresa investe em iniciativas de marketing para divulgar a sua marca?

A. C. R.: As nossas iniciativas, de acordo com as estratégias da empresa, estão concentradas na Internet. Temos um grande número de clientes cadastrados no mailing, que recebem informações periódicas sobre nossos lançamentos, utilizamos o Facebook, Twitter, Google Books, etc. Mas nossa principal forma de divulgação ainda é o boca-a-boca: clientes que conhecem nosso trabalho e divulgam espontaneamente nossa marca.

C. P.: Quais são as projeções para o futuro?

A. C. R.: Acredito que a E-papers já passou pelo período mais difícil, e superou as instabilidades iniciais consolidando-se como uma marca de confiança para professores e alunos. O momento agora é de acompanhar o aumento das vendas com mais investimento em softwares de controle de produção e distribuição de livros, para manter os clientes satisfeitos e sustentar o crescimento da empresa.

C. P.: Como é que se faz para contatar a  E-papers ?

A. C. R.: Nossos contatos são:

https://www.e-papers.com.br
atendimento@e-papers.com.br
https://www.twitter.com/editorapapers
https://www.facebook.com/editoraepapers
Tel (21) 2273-0138 . (21) 3495-0466 . (21) 3495-0467

Fax (21) 2502-6612

C. P.: Nós agradecemos a entrevista e se você quiser fazer as considerações finais, o espaço está aberto.

A. C. R.: Agradeço a oportunidade de apresentar a E-papers mais uma vez aos bibliotecários. Lembro que os alicerces de todas as sociedades desenvolvidas foram construídos sobre bons livros e boas bibliotecas.

 

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Charge Edição 11

Próximo post

Ação censória no regime militar

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *